A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
MEMBRANAS CELULARES

Pré-visualização | Página 1 de 2

 Manutenção da constância do meio 
intracelular (separado do extracelular); 
 Presença de receptores específicos que fazem 
o reconhecimento celular e molecular; 
 Movimentação celular; 
 Estimulam ou inibem secreções; 
 Formam canais de transporte para a troca de 
íons e moléculas; 
 Reconhecimento de componentes da matriz 
extracelular; 
 Compartimentalização que otimiza as tarefas. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Obs 1: mosaico porque a membrana celular é 
assimétrica. 
Obs 2: todas as membranas do mundo possuem 
uma bicamada lipídica com proteínas inseridas, o 
que muda de uma para outra será a composição 
desses lipídeos e tipos de proteínas diferentes. 
 
 
 
lkj 
 
 
 
 -Lipídeos; 
 -Proteínas associadas ou inseridas; 
-Hidratos de carbonoaçúcares. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Obs 3: os hidratos de carbono estarão 
associados a lipídeos e proteínas 
SEMPRE NA FACE EXTRACELULAR, 
nunca voltados para o citosol. Por 
exemplo, se ele estiver associado a um 
lisossomo ficará para “dentro” da 
organela e não para fora. 
 
 A assimetria entre os folhetos 
da membrana (por exemplo, o 
fato de ter açúcar só na parte 
extracelular) gera diferenças 
químicas e elétricas; 
 As proteínas podem 
associarem-se umas as outras 
além de possuírem diferentes 
papéis. 
 
 
 
PROPORÇÕES 
VARIÁVEIS, 
CONFORME O 
TIPO DE 
MEMBRANA 
 
 Moléculas longas; 
 50 moléculas de lipídeos:1 molécula de 
proteína; 
 Anfipáticas (porções hidrofílicas e 
hidrofóbicas). 
 
 FOSFOLIPÍDEOS 
 Fosfoglicerídeos (fosfatidilcolina, 
plasmalogênio). 
 
ESFINGOLIPÍDIOS 
 Esfingomielina, glicolipídeos. 
 
ESTERÓIS 
 Colesterol (animais), esgosterol (fungos), 
fitoesterois (vegetais). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Membranas celulares geralmente 
apresentam composições diferentes de 
moléculas de fosfolipídeos e glicolipídeos nas 
faces da bicamada lipídica; 
 
 
 
 FLIPASES (enzimas): conseguem pegar um 
lipídeo de uma camada e mudar para 
outra(por exemplo, se um lipídeo tentar 
“escapar” para outra camada a flipase 
devolve ele para onde estava). Se não tiver a 
flipase os lipídeos não mudam quando for a 
hora certa de mudar de camada. 
 
Por que essas duas camadas precisam ter 
composições diferentes ? 
 O fosfatidilinositol (um tipo de 
fosfolipídeo), por exemplo, é segundo 
mensageiro voltado para a face citosolica. Ele 
é responsável por transferir informações 
importantes para dentro da célula, caso fique 
virado para a face extracelular não irá 
conseguir desempenhar o seu papel. 
 A fosfatidilserina é um outro tipo de 
lipídeo voltado para a parte de dentro da 
célula (citosolica), se acontecer de ela ficar 
para a parte extracelular poderá sinalizar que 
a célula entrará em apoptose ou desencadear 
fatores de coagulação. 
 
Obs 4: o retículo endop. e o golgi estão 
envolvidos com a formação de lipídeos 
de membrana. As flipases serão 
importantes nesse processo para 
 organizar qual lipídeo fica na 
primeira membrana e qual fica na 
segunda. Ou seja, os lipídeo só se 
movimentam de forma espontânea na 
mesma camada (ou folheto), em 
camadas opostas não ocorre 
espontaneamente. 
 
FUNÇÕES DOS FOSFOLIPÍDEOS DE 
MEMBRANA 
 
 Formam a bicamada lipídica 
celular; 
 Permitem o transporte pela 
membrana de moléculas 
apolares e lipossolúveis; 
 Impede transporte de 
moléculas polares grandes; 
 Impedem o transporte de 
moléculas de alto peso 
molecular e/ou carregadas 
eletricamente (Na+, K+ e Cl-). 
 
 As proteínas da membrana (exceto 
COLESTEROL 
 
 quando fixadas ao citoesqueleto) e os lipídeos 
de membrana se deslocam com facilidade no 
plano da membrana. 
 
 
 
O GRAU DE FLUIDEZ DA BICAMADA É UMA 
CARACTERÍSTICA DADA PELA COMPOSIÇÃO 
LIPÍDICA 
  Insaturações nas cadeias de ácidos graxos; 
 
 
 
Obs 5: quanto mais colesterol na 
bicamada menos fluida ela será. 
 
  Tamanho das cadeias carbônicas 
de ácido graxos; 
 
 
 
  Temperatura; 
 
 
 
  Moléculas interpostas na bicamada. 
 
Obs 6:nem sempre a fluidez de membrana é 
interessante para a célula, dependendo da 
função celular, às vezes, é necessário que ela 
diminua essa fluidez para aprisionar proteínas 
com funções específicas na camada lipídica. Um 
exemplo disso seria o neurônio que na sua 
região pós-sináptica aprisiona receptores 
relacionados com as sinapses. 
*Colesterol preenche espaços entre caudas de 
fosfolipídios vizinhos (diminuindo a fluidez). 
Além disso, a sua interação com as caudas 
hidrofóbicas longas dos fosfolipídeos causa a 
imobilização dos lipídeos* 
 
 
BALSAS LIPÍDICAS (LIPID RAFTS) 
  Regiões da bicamada ricas em 
colesterol e esfingomielina, 
formando camadas mais 
ordenadas e menos fluidas; 
  Microdomínios das balsas 
lipídicas contêm conjuntos de 
proteínas específicas(recebimento 
e transmissão de sinais); 
  Resumidamente a sua função é 
“aprisionar” proteínas específicas 
como no exemplo anterior da obs 
6; 
 
  Fornecem as principais funções da 
membrana; 
 
 
  Se as membranas fossem compostas 
exclusivamente de lipídeos seriam 
impermeáveis a maioria das moléculas 
polares, moléculas apolares grandes 
(aminoácidos, açúcar, nucleotídeos) e 
moléculas com carga elétrica. Então, isso 
demonstra a necessidade de haver proteínas 
de membrana para facilitar essas passagens. 
 
TIPOS 
INTEGRAIS (OU TRANSMEMBRANA) 
  70% das proteínas de membrana; 
  Atravessam a bicamada lipídica; 
  Domínios citosolicos e extracelular 
hidrofílicos e domínio hidrofóbico na camada 
lipídica. 
ANCORADAS EM LIPÍDEOS 
  Ligadas covalentemente a moléculas de 
lipídeos; 
PERIFÉRICAS (OU EXTRÍNSECAS) 
  Não estabelecem contato com o centro 
hidrofóbico da 
 
bicamada lipídica; 
  Interação com proteínas integrais ou 
proteínas ancoradas em lipídeos ou 
lipídeos. 
 
 
 
 
JJJ 
 
*Para transporte: se a molécula for 
polar necessita de uma proteína que 
auxilie na passagem pela bicamada, se 
for apolar e pequena ela consegue passar 
sem as proteínas.* 
 
 
 
UNIPASSO 
MULTIPASSO 
 
 
  Cada membrana contém um conjunto 
diferente de proteínas, refletindo funções 
especializadas de cada tipo de membrana em 
particular; 
 
 
 
  Formação de canais: centro hidrofílico, 
aminoácidos hidrofóbicos interagem com 
caudas hidrofóbicas dos lipídeos; 
 
 
 
  Junções comunicantes / nexos 
 /gap junctions: estabelecem 
comunicação citoplasmática entre 
as células, permitindo que grupos 
celulares funcionem de modo 
coordenado e harmônico: 
 
 
-Hemicanais formados por 6 
moléculas de conexinas; 
 - Associação entre células 
adjacentes à conéxons; 
 
 
 
-Essas junções permitem que algumas proteínas 
pequenas, aminoácidos, açúcares pequenos e 
íons podem atravessar de uma célula para outra; 
-No nosso corpo em basicamente todas as células 
com raras exceções existem junções 
comunicantes entre as células; 
 
 
- 
 
-Nas células do coração essas junções são 
abundantes, pois os íons passem de uma 
célula a outra causando despolarização 
adequada para que o coração possa 
contrair em sincício. Ou seja, de forma 
harmônica como se fosse apenas uma 
estrutura única ele contrai. 
  As proteínas de membrana possuem 
movimentação na camada da célula 
desde que a fluidez seja adequada; 
 
  As células possuem meios de confinar 
proteínas específicas da membrana 
em determinadas áreas da bicamada 
lipídica, criando DOMÍNIOS DE 
MEMBRANA. Um jeito de formar 
domínios de membrana é através das 
balsas lipídicas, mas também existem 
outras formas de