A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Particularidades da ingestão das biomoléculas na alimentação animal

Pré-visualização | Página 1 de 1

Particularidades da ingestão das biomoléculas na alimentação animal 
Espécie: Papagaios – Silvestre 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Centro Universitário Universus Veritas – UNIVERITAS 
2020 
 
Bioquímica: Estrutura das Biomoléculas e 
Metabolismo - Noite 
 
Professora: Ursula Raquel do Carmo Fonseca 
da Silva 
 
Fernanda Fernandes Costa – 04068060 
Jessica Fernandes Carvalho – 04067292 
Jorgeane Francis da Silva Gomes – 04067408 
Juliana Gonçalves de Oliveira – 04067317 
Tabata Vasconcellos Queiroz – 04061844 
 
 
A alimentação dos papagaios 
 
Uma parte muito importante entre os cuidados de qualquer animal está na alimentação. A 
alimentação desempenha um papel fundamental quando se trata de animais exóticos que 
temos como animais de estimação, por isso, iremos abordar sobre a alimentação dos 
papagaios. 
Antes de mais nada, deve-se ter em mente que os papagaios são animais que, normalmente, 
são encontrados em climas quentes ou tropicais, assim você deverá dar alimentos 
característicos dessas regiões para eles. 
Igualmente, você deve saber que não pode dar qualquer comida para o animal, porque há 
certos tipos de alimentos que podem prejudicá-lo. 
Uma nutrição adequada será notada na vitalidade que o animal refletir, assim como no 
estado da plumagem e no bico. 
Mesmo os papagaios sendo animais de vida longa, uma boa nutrição garantirá que ele possa 
ter uma vida tão feliz quanto possível, pois isto permitirá que ele suporte melhor as 
mudanças de clima e, por sua vez, reduzirá o risco de desenvolvimento de doenças e pode 
até mesmo impedir algumas doenças, pois fortalece o sistema imunológico, os órgãos e as 
células. 
Vários fatores contribuem para erros no manejo alimentar das aves silvestres criadas em 
cativeiro; a simples extrapolação dos hábitos alimentares na natureza para o cativeiro pode 
provocar superestimativa do fornecimento de energia. Como exemplo, na natureza os 
psitacídeos são encontrados consumindo grande variedade de alimentos, incluindo frutas, 
bagas, flores, brotos de plantas, legumes, insetos, larvas e sementes (ULLREY et al., 1991). 
Alguns chegam a consumir partes de mais de 80 espécies de vegetais. Eles estão 
acostumados com dieta altamente nutritiva, contendo teores elevados de ácidos graxos, 
moderados de proteína e relativamente baixos de carboidratos. Mediante essas observações, 
concluiu-se erroneamente que essas aves necessitam de dietas mais energéticas em 
cativeiro, sem levar em conta as diferenças no grau de atividade e oferta de alimentos nos 
dois ambientes. 
A alimentação de psitacídeos em cativeiro tem sido feita até o momento, em sua maior parte, 
de maneira empírica, baseando-se na observação de suas preferências e hábitos alimentares 
na natureza, além da extrapolação de dados de aves domésticas. Na alimentação de aves 
domésticas que preocupam com o custo-benefício, o uso de dietas completas, ou rações, é 
prática corrente. As dietas completas permitem fornecer aos animais os nutrientes de forma 
balanceada e em quantidades exatas, impedindo a seleção de itens mais palatáveis, o que 
comumente ocorre na alimentação de psitacídeos, quando se oferece uma dieta composta 
de vários tipos de alimentos. 
A formulação de rações para aves silvestres, deve levar em consideração dois pontos 
importantes: o conhecimento de suas necessidades nutricionais e dos nutrientes disponíveis 
em cada ingrediente ou matéria-prima utilizada na elaboração da dieta. Na nutrição animal, 
todos os nutrientes são importantes, mas a avaliação dos alimentos tem sido orientada à 
energia, que representa o alimento como um todo, e ao conteúdo de proteína, porque os dois 
são os componentes mais importantes das dietas em termos quantitativos (MEJÍA & 
FERREIRA, 1996). O conhecimento da digestibilidade da matéria seca de um alimento para 
determinada espécie direciona a escolha de ingredientes mais adequados para a formulação 
de dietas. O mesmo pode ser dito com relação à proteína. 
Segundo Carciofi (1996), o uso de experimentos in vivo visando a avaliação da 
biodisponibilidade de nutrientes de alimentos para psitacídeos em cativeiro, encontra-se 
reduzido. Earle & Clarke (1991), trabalhando com Periquito-australiano (Melopsittacus 
undulatus), avaliaram a porcentagem de metabolização aparente da proteína bruta, extrato 
etéreo, extrativo não nitrogenado e da energia do painço branco, painço vermelho, alpiste e 
da mistura dos três. Os autores concluíram que a porcentagem de metabolização dos 
nutrientes é alta, sendo na média maior que 80%. Ainda, segundo Carciofi (1996), não foi 
localizado nenhum estudo desta natureza utilizando papagaios brasileiros. Isto denota a 
grande carência de informações e a necessidade de estudos sobre os alimentos utilizados em 
cativeiro. Tais estudos são imprescindíveis ao desenvolvimento dos conhecimentos sobre 
nutrição em cativeiro de psitacídeos, servindo de suporte para futuros estudos sobre 
necessidades nutricionais. 
Frutas mais recomendadas para os papagaios 
 
Algo que você deve manter em mente antes de alimentar seu papagaio com uma dieta à 
base de frutas, é o teor de glicose que estas oferecem. 
Por exemplo, melão ou banana, de maneira bem dosada, podem ser dados, não mais do que 
duas vezes por semana, uma vez que têm um teor muito elevado de açúcar. 
O mesmo se aplica à outras frutas com um elevado teor de sacarose, pois elas possuem uma 
liga entre a glicose e frutose (por exemplo, a manga ou as cerejas). 
Considerando a recomendação anterior, você pode dar qualquer tipo de fruta. Claro, levando 
em conta que você deve fornecer uma dieta variada para a ave não ficar entediada. 
O que recomendamos é variar a cor da fruta que você dá, pois esta é uma maneira de saber 
se estamos oferecendo diferentes tipos de vitaminas e nutrientes. 
De preferência, inclua três tipos de fruta por porção. Algumas das frutas recomendadas para 
o seu papagaio são: maçãs, peras e laranjas. 
Outros alimentos que podem ser dadas e que eles adoram são os pimentões e os tomates. 
E principalmente, nunca dê abacate, já que isso pode ser mortal. 
 
Vegetais recomendados 
 
Os papagaios complementam suas dietas com o que é apresentado em seu ambiente natural, 
como o consumo de diferentes vegetais, que podem ser selecionados segundo a cor. 
Normalmente, ele come vegetais folhosos como espinafre, brócolis ou couve. Você pode 
dar alface, embora o consumo contínuo dessa verdura possa causar diarreia. 
As raízes também são boas como alimento, por exemplo, a cenoura, o aipo e a couve-flor. 
Mas deve-se ter cuidado ao dar constantemente raízes, pois elas podem ser de difícil 
digestão. 
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
CARCIOFI, A. C. Avaliação de dieta à base de sementes e frutas para papagaios 
(Amazona sp): determinações da seletividade dos alimentos, consumo, composição 
nutricional, digestibilidade e energia metabolizável. 1996. 104 f. Dissertação (Mestrado) - 
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 
1996. 
EARLE, K. E.; CLARKE, N. R. The nutrition of the Budgerigar (Melopsittacus 
undulatus). Journal of Nutrition, Philadelphia, v. 121, p. S186-S192, 1991. Supplement 
11. 
ULLREY, D. E.; ALLEN, M. E.; BAER, D. J. Formulated diets versus seed mixtures for 
psittacines. Journal of Nutrition, Philadelphia, v. 121, n. 11S, p. 193-205, 
1991. [ Links ] 
https://meusanimais.com.br/alimentacao-dos-papagaios/