A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
Desafios de um prefeito buscando uma gestão municipal efetiva em um contexto preocupante- UNOPAR

Pré-visualização | Página 3 de 4

ter sua aplicabilidade de forma correta e de acordo com a legislação. Em um e outro, os casos se confere mais legitimidade e responsabilização coletiva sobre seus resultados, como ajuda a evitar desvios de recursos e fiscalizar a execução dos serviços públicos.
5 AUDITORIA E CONTROLE NO SETOR PÚBLICO
 O patrimônio público é propriedade de todos e deve ser vigiado por todas as pessoas, além disso, a sociedade brasileira vem requerendo a transparência na aplicação dos recursos públicos. Os órgãos públicos obtêm transparência facilmente quando têm o auxílio da auditoria, pois, sues serviços servem como um meio de identificação de que todos os procedimentos internos, políticas definidas e a própria legislação está sendo devidamente seguidos, e também para constatação de que todos os dados registrados merecem a verdadeira confiança; então, pode-se dizer que a importância da auditoria interna se torna indispensável.
 A auditoria interna no setor público é necessária, sendo uma ferramenta de controle social formado por um conjunto de procedimentos e técnicas, seu propósito é examinar a adequação, a eficácia e legitimidade dos controles internos, dos atos e das informações contábeis, financeiras, operacionais e físicas das unidades públicas. O controle interno é primordial para o instrumento da auditoria interna, juntamente com a contabilidade contribuem de modo direto para a realização de um bom trabalho de auditoria interna.
 A auditoria interna presta avaliação ao examinar e reportar sobre a eficácia dos processos de governança, de gerenciamento de riscos e de controle desenvolvidos para ajudar a organização a alcançar seus objetivos estratégicos, operacionais, financeiros e de conformidade. A auditoria interna pode auxiliar na atuação e gestão dos profissionais, pois ela pode atuar de muitas maneiras dentro de uma empresa, medindo a eficácia e eficiência dos procedimentos, como ferramenta de apoio à gestão. Quanto na prevenção e detecção de fraudes e erros, além de averiguar se as normas e políticas necessárias estão sendo obedecidas.
 
 As formas de controles internos estão melhores a cada momento são mais importantes para a gestão empresarial, propõem mudanças nos processos, na estrutura e nas estratégias de negócios. A auditoria interna presta avaliação ao examinar e reportar sobre a eficácia dos processos de governança, de gerenciamento de riscos e de controle desenvolvidos para ajudar a organização a alcançar seus objetivos estratégicos, operacionais, financeiros e de conformidade.
6 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
 A nomeação de cônjuge, relativa garantia ou afinidade, terceiro ano, para o exercício do escritório em comissão ou confiança ou, mesmo se, a função gratificada na administração pública direta e indireta em um dos municípios, contrariamente aos princípios de impessoalidade, moralidade e igualdade, até planejadas na Constituição Federal como regra geral, pública ou empregos são ocupadas por pessoas aprovadas nas provas públicas ou testes e valores (Artigo 37, II, CF). Como resultado, para realizar um trabalho subsequente ou público, a pessoa deve demonstrar sua capacidade profissional e intelectual por meio de um teste, onde ele competirá milhares de outras pessoas, que também terão as mesmas oportunidades para mostrar suas habilidades. Ser aprovado sobre este assunto. Candidato que apresenta as melhores notas técnicas para completar a vaga contestada.
 Sabemos que alguns trabalhos, empregos ou funções públicas exigem que sejam ocupados por pessoas hierárquicas confiáveis, portanto, pode haver uma harmonia e um melhor desempenho das atividades realizadas neste setor. Por exemplo, podemos citar a presidência da República, localizada além do chefe do executivo, também é composta pelos ministros do estado. Impossível seria o exercício de suas funções, se o presidente da República não pudesse escolher livremente seus ministros de acordo com a confiança. Pensando em tais situações, foi o legislador constituinte criou um aviso de arte. 37, II da Constituição Federal:
“...II - a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração.”
Ademais, o princípio da finalidade, é o resultado pela busca dos interesses da sociedade, regido na lei 9.784/99, que trata dos processos administrativos no âmbito da administração pública federal. 
 A lei 9.784/99 dispõe de um dos princípios da observância obrigatória pela administração pública, correspondendo ao atendimento a fins de interesse gerais vedados a renúncia total ou parcial de poderes ou competência, salvo autorização em lei. Sendo assim, este é o princípio que trata dos interesses da coletividade. Contribui para a maioria dos indivíduos da sociedade, e o Estado tem papel relevante nisto, uma vez que foi criado para garantir uma organização e cumprir os interesses gerais da sociedade com o bem-estar da coletividade. 
 O princípio da supremacia do interesse público sobre o interesse privado esse é o princípio geral de direito inerente a qualquer sociedade. Assim, não se radica em seu dispositivo específico algum da constituição, ainda que inúmeros mencionem ou impliquem manifestações concretas dele, por exemplo, os princípios da função social da propriedade, da defesa do consumidor ou do meio ambiente (art. 170, incisos III, VI) ou entre outras. Afinal, o princípio em causa é um pressuposto lógico do convívio social.
 O art. 37 diz, a administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte. A Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência, são princípios constitucionais previstos no caput do artigo 37 da Constituição Federal e são controladores da atuação da Administração Pública. Estes princípios devem ser seguidos à risca pelos agentes públicos, não podendo se desviar destes princípios sob pena de praticar ato inválido e expor-se à responsabilidade disciplinar civil ou criminal dependendo do caso.
7 CONCLUSÃO
 
 Com finalidade de compreender os serviços prestados aos cidadãos, o gestor requerer buscar soluções constantemente. O controle social compete a sociedade, sobre o exercício e os atos praticados pela administração pública. Assim, exigir a observância em todos os atos praticados, utilizando-se de meios legais em direção as denunciar a corrupção e abusos por parte dos agentes públicos.
 A auditoria interna avigora a governança corporativa por intermédio de auditorias baseadas em riscos que desempenham avaliação e oferecem conhecimento sobre os processos e as estruturas que levam a organização ao sucesso. À grandeza em que os riscos crescem e se tornam mais essenciais o papel da auditoria interna eventualmente se expandirá em áreas próximo de administração de riscos, cultura e comportamento, sustentabilidade entre outros tipos de reporte não financeiro. 
 Conforme as organizações operam com a crescente variedade de riscos desenvolvidos pelas novas tecnologias, geopolítica, segurança e inovação destrutiva, uma função vibrante e ágil de auditoria interna pode ser um recurso necessário em apoio à boa governança corporativa. A proposta de uma gestão pública, se fundamenta na excelência de valores e de resultados, pois o ganho social é de suprema relevância e alcança o topo em uma pirâmide de prioridade, pois cria valor público para o cidadão.
Percebeu-se que a gestão pública é focalizada em resultados e instruída para o cidadão e a satisfação ofertada pelos serviços públicos