A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
PROVA DE BIOFÍSICA - BIOFÍSICA DOS SISTEMAS

Pré-visualização | Página 1 de 3

PROVA DE BIOFÍSICA
Biofísica da respiração
Biofísica da circulação
Biofísica da contração
Biofísica do sistema renal
· SISTEMA RESPIRATÓRIO
O processo respiratório através de uma troca de ar com o meio atmosférico. Assegurando, assim, uma presença de oxigênio no sangue, necessária para reações metabólicas. 
É uma respiração intra e extracelular. Acontece com dois hemiciclos, com entrada e saída de alta entalpia. 
*Constituição & Funções:
1) Porção condutora: umidifica, aquece e purifica o ar. 
- nariz e seios paranasais, faringe, traqueia, brônquios e bronquíolos terminais. 
2) Porção respiratória: trocas gasosas entre o ar e o sangue.
- bronquíolos respiratórios, ductos alveolares e alvéolos pulmonares. 
3) Músculos da inspiração e expiração:
Músculos inspiratórios:
- diafragma: movimenta pra cima e para baixo.
- esternocleidomastoíde: traciona o esterno para cima. 
- intercostais externos: elevam o gradil costal.
- escaleno: elevam as duas primeiras costelas. 
Músculos expiratórios:
-abdominais: baixam as costelas inferiores e elevam as vísceras abdominais. 
- intercostais internos: baixam o gradil costal.
OBS: na inspiração, a cavidade torácica se expande, os músculos intercostais externos se contraem e o diafragma também. Já na expiração, a cavidade torácica se contrai, enquanto os músculos intercostais e o diafragma relaxam.
*Mecânica Respiratória: 
-ventilação pulmonar
-difusão de gases
-transporte
-regulação da ventilação
O Pulmão é uma estrutura elástica que pode sofre colapso, mas isso não é uma regra. Esses permanecem expandidos graças a pressão pleural – acúmulo de energia elástica. A pressão nessa região é negativa e isso equilibra as forças intrapulmonares. Além disso, suas porções finais, como os bronquíolos são ramificados, aumentando, portanto, a superfície de contato.
Essa distensão elástica do pulmão é auxiliada através da pressão pleural. Pleura é o tecido que reveste os pulmões, na qual há um liquido que facilita a movimentação pulmonar. Nessa região é mantida uma certa pressão, importante pra mecânica respiratória, negativa. Como a pressão atmosférica é positiva, a entrada de ar acontece de forma passiva porque há diferença de pressão entre os meios intra e extra. 
A contração e o relaxamento dos músculos esqueléticos criam mudanças de pressão do ar. Durante o repouso a pressão alveolar é igual a pressão atmosférica alveolar é igual a pressão atmosférica. Nessa inspiração essa pressão alveolar é menor que a atmosférica, permitindo assim que o ar entre. Em contrapartida, expiração a pressão alveolar é maior que a atmosférica, assim o ar sai. 
 Destacamos três pressões nessa mecânica respiratória:
* pressão intrapleural: sempre negativa.
*pressão atmosférica: sempre positiva.
*alveolar: próximo a zero, podendo atingir valores levemente negativos e positivos. 
*pressão transpulmoar: é a relação entre as pressões do pulmão- alveolar e intrapleural.
O fluxo de ar para dentro e fora dos pulmões ocorre por causa das mudanças cíclicas na pressão intra-pleural e alveolar. 
#PNEUMOTÓRAX: ocorre quando o ar penetra no folheto intrapleural e a pressão que era negativa, torna-se positiva ou atmosférica. O tórax se dilata, mas o pulmão não acompanha. Assim, o movimento de inspiração é feito, mas o pulmão não consegue expandir-se, porque ao seu redor tem uma pressão positiva, formando uma barreira. 
*Tipos de fluxo:
- Laminar: apresenta velocidade constante e um fluxo silencioso. Essa detecção é feita com ausculta, na anamnese. Uma entropia adequada. O liquido é escoado lentamente, dispondo-se em camadas concêntricas. O escoamento é mais rápido no centro e reduzido nas paredes devido ao atrito. É considerado normal. 
-Turbilhonar: sons audíveis e velocidade criticam, com entropia exagerada. O escoamento é rápido e distribui-se de forma irregular. Essa irregularidade também pode ser detectada através da ausculta pulmonar. 
 
#MEDIDORES ESPIRIOGRÁFICOS: serve para saber a capacidade pulmonar, o volume de ar inspirado durante um ciclo, o volume de reserva inspiratória, de reserva expiratória e residual (ar que não pode ser expulso do pulmão, para não colabar, fato que normalmente acontece por falta de surfactantes), capacidade pulmonar total, capacidade vital, capacidade inspiratória e capacidade funcional residual.
O grau de expansão do pulmão em relação a pressão transpulmonar é denominado complacência, essa é inversamente proporcional à constante elástica. Doenças como fibrose está associadas a diminuição da complacência, na qual a parede dos alvéolos é substituída por tecido fibroso, reduzindo a capacidade de absorção de ar. Já o enfisema é associado ao aumento da complacência, onde há perda do tônus na parede dos alvéolos. 
*SURFACTANTE: auxilia na complacência pulmonar, é uma das ultimas substancias básicas produzidas na gestação, por isso recém nascidos prematuros, podem apresentar problemas respiratórios.
· SISTEMA CIRCULATÓRIO:
O coração é constituído por uma rede de artérias e veias, das quais a circulação sanguínea é direcionada a todo corpo.
A circulação pulmonar é venosa, ou seja, rica em sangue venoso, enquanto a sistema é arterial. Essa ultima é direcionada para todas as partes do corpo e tem como função transportar nutrientes, metabólicos, gases, hormônios, auxiliar na termorregulação (homeostase) e regulação do equilíbrio ácido- base. 
*Componentes & Funções:
- Artérias: transportam sangue sob alta pressão e velocidade. 
-Arteríolas: ramos finais do sistema arterial.
-Capilares: responsáveis pelas trocas gasosas/fluídos.
-Vênulas: coletam sangue dos capilares.
-Veias: tem calibre maior, com fluxo sanguíneo mais lento.
O nosso sistema circulatório é fechado, simples, funciona como um regime estacionário, com um sistema hidráulico e com vasos condutores.
Acima do coração, o campo gravitacional é a contra a circulação arterial e a favor da venosa. Já abaixo do coração esse campo age de forma contrária, ou seja, a favor da circulação arterial e contra a venosa.
Acima do coração:
campo a favor da circulação venosa.
Abaixo do coração: campo a favor da circulação arterial.
*Regime Estacionário:
Significa que o fluido que entra é igual ao que sai e permanece igual em todos os pontos.
O volume de sangue que entra e sai é igual na pequena e grande circulação, assim como a quantidade de sangue movimentada a cada impulso do coração, nas duas circulações. 
- O volume de sangue ejetado do coração a cada sístole é de 165ml.
A quebra do regime estacionário:
-edema pulmonar: a quantidade de sangue na pequena circulação é maior que a quantidade que sai.
-hemorragia: alteração no fluxo e na pressão.
*Relação entre velocidade, fluxo, pressão e resistência do sistema vascular: 
- Pressão sanguínea: pressão exercida pelo sangue na parede do vaso sanguíneo. A pressão do fluido é uma forma de energia potencial, pois ele tem habilidade para executar um trabalho útil. 
- Resistencia: oposição ao fluxo sanguíneo. Atrito do sangue ao se escoar pelas paredes dos vasos sanguíneos. Está relacionada com o tamanho do vaso, viscosidade do sangue e diâmetro do vaso.
Vale ressaltar que as pressões sanguíneas não são iguais em todo o sistema cardiovascular, pois se assim fossem, o sangue não fluiria, afinal o fluxo exige uma força propulsora que é gerada por meio da diferença de pressão. 
#ELETROCARDIOGRAMA:
É o gráfico de registro das atividades elétricas do coração. Os traços representam diferenças de pontencial em mV/s- normalidade ou alteração dos músculos e nervoso do coração.
-Onda P: despolarização dos átrios.
-Segmento PR: indica a velocidade de condução entre átrios e ventrículos.
-Complexo QRS: despolarização ventricular.
-Segmento ST: inatividade
-Onda T: repolarização ventricular, recuperação do potencial estacionário.
-Onda U: seguimento de onda T, potenciais tardios no inicio da diástole. 
· SISTEMA MUSCULAR
O musculo é um biossistema que transforma energia elétrica potencial (energia das biomoléculas) em calor e trabalho mecânico.
Cada musculo é constituído