A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO POS-NIDAÇÃO

Pré-visualização | Página 1 de 6

PETERSON RECH H. - 110 
DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO POS-NIDAÇÃO 
RESUMO DOS EVENTOS ANTERIORES ⇒ Conforme o desenvolvimento, após a fertilização, ocorre 
geralmente a seguinte sequência de eventos: 
● 4º dia → A mórula se encontra solta na cavidade uterina 
● 5º dia → Zona pelúcida se degenera e o blastocisto cresce 
● 6º dia → Blastocisto adere ao endométrio 
● 7º dia → Trofoblasto sofre transformações e vira um citotrofoblasto e sinciciotrofoblasto 
● 8º dia → Sinciciotrofoblasto penetra no endométrio, causando a reação decidua 
● 9º dia → Reação decidual da origem as lacunas 
● 10º e 11º dias → Lacunas precisam ser tamponadas para que não ocorra extravasamento de 
sangue, sendo formado as redes lacunares com o surgimento do tampão 
● 11º e 12º dias → Transformação da circulação uteroplacentária 
● 13º e 14º dias → Vilosidades coriônicas são formadas, criando uma barreira hematoplacentária que 
tem maior capacidade e eficiência na condução de nutrientes da mãe para o embrião. 
 
OBS: Todas as semanas são referentes a data de fertilização, quando necessário se referir a semanas 
de gravidez em relação a Data da última Menstruação é a soma de duas semanas a mais em relação a 
data da fertilização. 
 
SEGUNDA SEMANA DE DESENVOLVIMENTO ⇒ É marcada pelo término da implantação do 
blastocisto, por modificações morfológicas do embrioblasto que dão origem ao disco embrionário 
bilaminar que futuramente originará as camadas germinativas que produzem uma série de estruturas 
extra embrionárias e pela formação de algumas das estruturas extra embrionárias. 
 
TÉRMINO DA IMPLANTAÇÃO DO BLASTOCISTO ⇒ A implantação termina durante a segunda 
semana de desenvolvimento, em um período entre o 6º e 10º dia após a ovulação e fecundação, sendo 
que o início dela se dá com o blastocisto sofrendo a aderência superficial do endométrio. Conforme o 
blastocisto se implanta no endométrio, abrindo espaço com destruição celular para se nutrir, mais o 
trofoblasto entra em contato com o endométrio, até um momento em que se diferenciar em duas camas: 
1. Uma camada interna, chamada de citotrofoblasto, que é mitoticamente ativa e responsável pela 
formação da camada externa 
2. Uma camada externa, chamada de sinciciotrofoblasto, que é uma massa multinucleada formada 
pelas células do citotrofoblasto que migram para a periferia onde se fundem e perdem a membrana 
celular, formando uma única célula multinucleada que se expande rapidamente, sem nenhum limite 
celular visível. 
OBS: O sinciciotrofoblasto é erosivo, sendo responsável por invadir o tecido conjuntivo endometrial 
deslocando as células endometriais, que vão sofrendo apoptose facilitando a invasão, no local de 
implantação enquanto o blastocisto vai lentamente se incorporando ao endométrio. 
 ← ovo de 8 dias parcialmente implantado 
Feito por: Peterson Rech H. 191 1 
 
 ← ovo de 9 dias 
 ← ovo de 12 dias já implantado 
Mecanismo de Implantação → Para ocorrência da implantação é necessário uma série de moléculas 
que estão em sincronia entre o blastocisto invasor e o endométrio receptivo. 
⤷ De forma geral, as microvilosidades das células endometriais, as moléculas de adesão celular 
(integrinas), citocinas, prostaglandinas, hormônios (hCG e progesterona), fatores de crescimento, 
enzimas de matriz extracelular, proteína quinase A, entre outras enzimas, possuem o papel de 
tornar o endométrio mais receptivo. 
Durante o período de implantação do concepto, as células do tecido conjuntivo ao redor do local de 
implantação acumulam glicogênio e lipídios. Algumas dessas células, chamadas de células deciduais , 
se degeneram nas proximidades do sinciciotrofoblasto invasor para que este possa englobar essas 
células para aproveitar seus nutrientes. 
⤷ Além disso, o sinciciotrofoblasto produz o hCG, que em contato com o endométrio entra na 
circulação sanguínea materna para que chegue ao corpo lúteo e iniba a sua degeneração durante a 
gestação, mantendo assim a produção de estrogênio e progesterona que garantem a gestação. 
 
 
FORMAÇÃO DAS ESTRUTURAS EXTRA-EMBRIONÁRIAS ⇒ Ao mesmo tempo em que ocorre a 
implantação do trofoblasto, ocorre também a formação das seguintes estruturas: 
● Disco Embrionário → O embrioblasto, que até então era uma camada única de células, passa a 
se dividir para formar o disco embrionário que possui uma característica bilaminar de duas camadas 
diferenciadas, sendo elas: 
○ Epiblasto, que é a camada de células colunares altas, responsável por formar o assoalho da 
cavidade amniótica, estando perifericamente em continuidade com o âmnio. 
Feito por: Peterson Rech H. 191 2 
 
○ Hipoblasto, que é a camada de células cubóides responsáveis por formar o teto da cavidade 
exocelômica (saco vitelino), estando em continuidade com a membrana exocelômica 
(membrana vitelina). 
● Cavidade Amniótica → Com a formação do epiblasto do disco embrionário, começam a surgir os 
ameloblastos, que são células responsáveis pela formação do âmnio. Esses ameloblastos se 
separam do epiblasto e envolvem a cavidade amniótica, iniciando a produção do âmnio. 
● Saco Vitelino → Ainda no disco embrionário, é possível observar também um saco vitelinico 
primitivo sendo formado pelo hipoblasto e pela membrana da cavidade exocelômica. Além disso, as 
células do endoderma do saco vitelínico formam uma camada de tecido conjuntivo, chamada de 
mesoderma extra embrionário, que circunda todo o âmnio e o saco vitelínico. 
 ← 14 dias com vesícula vitelínica secundária 
 
Com a formação dessas três estruturas extra embrionárias concluída, ocorre então o surgimento de 
pequenos espaços, chamados de lacunas, no sinciciotrofoblasto. Essas lacunas passam a ser 
preenchidas por uma mistura de sangue materno proveniente dos capilares endometriais rompidos com 
restos celulares de glândulas uterinas destruídas durante o processo de nidação. Esse fluido nos 
espaços lacunares que é o responsável por dar início a formação da circulação uteroplacentária 
primitiva, nutrindo o embrião por difusão através do disco embrionário. 
OBS: O sangue oxigenado chega até as lacunas através das artérias endometriais espiraladas,