A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
CRESCIMENTO INTRAUTERINO RESTRITO

Pré-visualização | Página 1 de 3

RESUMO 
CRESCIMENTO INTRAUTERINO RESTRITO 
DEFINIÇÃO ⇒ O crescimento intrauterino restrito é o termo utilizado para descrever um feto que não 
atingiu seu potencial de crescimento, sendo que esse “impedimento” pode ocorrer por diversos fatores 
de origem fetal, placentária e/ou materna. 
A definição mais aceita para um crescimento 
intrauterino restrito é a ocorrência de peso 
fetal abaixo do percentil 10 para a idade 
gestacional , que pode ser evidenciado a 
partir da ultrassonografia obstétrica na 2ª 
metade da gravidez, mas só é confirmada 
após o nascimento, onde o recém-nascido 
que possui peso inferior ao percentil 10 para a 
idade é classificado como pequeno para idade 
gestacional (PIG), sendo que quando a termo, 
pode ser definido como um recém-nascido a 
termo com menos de 2,5kgs ao nível do mar. 
 
EPIDEMIOLOGIA ⇒ O crescimento intrauterino restrito é uma anormalidade fetal comum, ocorrendo 
em 5 a 10% das gestações. 
⤷ Nos países em desenvolvimento essa taxa tende a ser maior devido a características culturais e 
socioeconômicas. 
 
CRESCIMENTO FETAL NORMAL ⇒ O crescimento fetal é dividido em três fases simples: 
● Fase de Hiperplasia → Ocorre nas primeiras 16 semanas, sendo caracterizada pela multiplicação 
celular rápido, onde o concepto ganha até 5g/dia. 
● Fase de Hiperplasia e Hipertrofia → Período entre a 16ª e a 32ª semana de gestação, onde 
ocorre um aumento do número de células junto de um aumento do tamanho celular, onde o 
concepto ganha entre 15 a 20g por dia. 
● Fase de Hipertrofia → Ocorre a partir da 32ª semana até o nascimento, onde ocorre hipertrofia 
celular, sendo nessa fase a ocorrência do acúmulo de gordura e glicogênio, onde o concepto ganha 
de 30 a 35g por dia . 
Esse desenvolvimento normal é determinado pela nutrição materna com substratos transferidos da 
placenta para o feto associado a fatores de crescimento hormonais que implicam no crescimento fetal, 
como por exemplo a insulina ou a leptina (hormônio derivado do tecido adiposo) 
 
Peso Normal ao Nascer → Em geral, a média de peso de fetos a termo é de 3,4 kgs, porém isso pode 
variar conforme o local e a altitude em que a mãe se encontra durante o parto, de forma que em 
altitudes elevadas, é comum a média de peso ser de 2,9 kgs. 
OBS: O peso ao nascer não define a taxa de crescimento fetal, já que o concepto pode simplesmente 
ser biologicamente pequeno, tendo um peso menor sem qualquer interferência patológica. 
 
CRESCIMENTO FETAL RESTRITO ⇒ Recém-nascidos com menos de 2,5 kgs ao nascer se dividem 
em duas populações distintas: 
1. No primeiro grupo , o baixo peso ao nascer se relaciona ao tempo de vida intrauterina , sendo 
representado por recém-nascidos pré-termo com peso menor que 2,5 kgs em função de terem 
nascido antes do tempo 
2. Já o segundo grupo , é representado pelos recém-nascidos com menos de 2,5 kg devido à baixa 
qualidade da vida uterina , por conta de processos patológicos chamados de restrição de 
crescimento fetal. 
O crescimento e o controle do desenvolvimento fetal dependem de diversos fatores (Genéticos, 
endócrinos, imunológicos, nutricionais e vasculares), sendo que qualquer distúrbio em um desses 
fatores pode ocasionar um atraso no crescimento em geral. 
 
Feito por: Peterson Rech H. 191 1 
 
COMPLICAÇÕES ⇒ O CIUR está associado a uma gama de complicações fetais, sendo elas: 
● Morbidade e Mortalidade Perinatais → A morbidade perinatal é cerca de cinco vezes maior no 
CIUR quando comparado ao desenvolvimento normal. Isso ocorre por conta da maior frequência de: 
○ Hipóxia ; 
○ Aspiração de Mecônio ; 
○ Insuficiência Respiratória , ocasionada pela hiperviscosidade sanguínea e pelo atraso no 
desenvolvimento pulmonar (surfactante); 
○ Hipoglicemia , se relaciona a redução de estoques de glicogênio hepático e miocárdico; 
○ Hipocalcemia , ocorre por conta da prematuridade e pelo atraso na introdução de leite ao RN; 
○ Policitemia , é consequência da elevação da eritropoietina fetal, decorrente da hipóxia crônica 
intrauterina; 
○ Hipotermia , ocorre pela perda excessiva de calor por conta da escassez de tecido subcutâneo 
adiposo; 
○ Hemorragia pulmonar ; 
○ Prejuízo no Desenvolvimento Neuropsicomotor , sendo consequência da hipóxia e 
desnutrição celular antes de 34 semanas. 
Já a mortalidade, gira em torno de oito vezes mais, sendo o óbito fetal súbito diretamente 
relacionado ao grau de restrição. 
 
● Consequências a Longo Prazo → A maioria dos RN com CIUR a termo recuperam suas medidas 
de estatura e peso já na primeira infância. Porém em alguns casos, quando não ocorre essa 
recuperação até os 2 anos, o que pode implicar com uma p equena estatura durante a idade 
adulta . Além disso, há também uma maior prevalência de doenças crônicas em RN com CIUR, 
que acredita-se ocorrer por conta da deficiência de nutrientes durante a vida fetal, que reduz de 
maneira irreversível o número de células em alguns órgãos, de forma que ocasiona uma mudança 
na distribuição de diferentes tipos de células, no feedback hormonal e na atividade metabólica, 
gerando as doenças crônicas. 
 
CLASSIFICAÇÃO ⇒ O crescimento intrauterino restrito pode ser classificado em: 
● Crescimento restrito simétrico → Também chamado de tipo I, proporcional ou hipoplásico. 
Corresponde a cerca de 20 a 30% dos casos , sendo caracterizado por um padrão de crescimento 
menor em todos os órgãos fetais, mantendo uma proporção de crescimento simétrico. Acredita-se 
que esse crescimento simétrico ocorra por conta de processos patológicos que se manifestam 
precocemente na gestação, como infecções , alterações genéticas , drogas ou radiação ionizantes. 
○ O prognóstico geralmente é ruim, já que muitas vezes é um quadro associado a 
malformações fetais. 
● Crescimento restrito Assimétrico → Também chamado de tipo II ou desproporcional. Corresponde 
aos 70-80% dos casos restantes, sendo caracterizado por uma diminuição relativamente maior no 
tamanho abdominal do que no perímetro cefálico. 
○ Acredita-se que ocorre por conta da capacidade do feto de se adaptar a um ambiente 
patológico no final da gestação, redistribuindo