A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Doença renal crônica

Pré-visualização | Página 1 de 1

Doenç� Rena� Crônic�
Diminuição do ritmo de filtração glomerular (RFG) abaixo de 60 ml/min/1,73m² e/ou a presença de anormalidades
na estrutura renal, com duração acima de 3 meses.
Epidemiologi�:
★ Atinge 10% da população mundial
★ 70% dos pacientes em diálise descobrem a doença tardiamente
Etiologi�
★ A maior causa no brasil é a hipertensão (has)
★ Nos eua: primeira causa é o diabetes mellitus (dm) e depois has
★ Pode ser causada por pielonefrite, glomerulonefrite
★ Outras doenças sistêmicas que causem acometimento renal (ex: vasculites)
★ Malformação renal
Fisiopatologi�
Mecanismos desencadeantes específicos da etiologia subjacente (ex: malformação renal, deposição de
imunocomplexos, inflamação, toxinas) causam lesão ao néfron. As respostas à redução da quantidade de néfrons
são mediadas por hormônios vasoativos, citocinas e fatores de crescimento. Gerando hiperfiltração e hipertrofia.
Isso causa elevações da pressão e do fluxo sanguíneos dentro do néfron que predispõem à distorção da arquitetura
dos glomérulos, função anormal dos podócitos e rompimento da barreira de filtração, levando à esclerose.
Clar� Marque� Santan�
Doenç� Rena� Crônic�
Sinai� � Sintoma�
★ Proteinúria e/ou albuminúria persistentes,
★ Anormalidades histológicas crônicas (fibrose,
infiltrado),
★ Distúrbios tubulares crônicos (acidose,
alcalose),
★ Alterações no sedimento urinário
★ Hiponatremia, hipercalemia, baixo teor de
potássio total, hipocalcemia, hiperfosfatemia,
diminuição da tolerância para carga de
eletrólitos ou minerais
★
★ Hipercalcemia+hiperfosfatemia= depósitos=
aumento do risco de calcificação vascular
★ Hiperparatireoidismo grave: dor e fragilidade
ósseas, tumores marrons, síndromes
compressivas e resistência à eritropoetina
★ Osteodistrofia renal
★ Hipertensão, doença cardiovascular
★ Anemia normocítica e normocrômica
(diminuição de eritropoetina), hipertensão
(ativação do sistema renina), doença óssea
(hiperparatireoidismo secundário), baixo nível
de ativação de vitamina D, meia-vida
prolongada de hormônios peptídicos (p. ex.,
insulina)
★ Anorexia, náusea, deposição de tecido mole
de oxalatos e fosfatos, disfunção neurológica
e perda de proteína muscular
★ Piora da inflamação: proteína c reativa alt,
bem como outras proteínas de fase aguda,
contribuindo para a doença vascular
★ Acidose metabólica
★ Função leucocitária e imune são anormais
predispondo a infecções mais frequentes e
mais graves ( contagem de leucócitos
normais)
★ A contagem de plaquetas é normal, mas a
função é anormal resultando em
prolongamento do tempo e a tendência de
sangramento
★ alterações cutâneas: pele pálida ( anemia
crônica), prurido ( aumento da uréia e
fósforo), equimoses e hematomas devido a
diátese hemorrágica, neve urêmica
★ Maior incidência de úlcera péptica em renais
crônicos
★ Hálito urêmico e gosto metálico na boca
★ Pericardite, tamponamento pericárdico,
miocardiopatia urêmica, aceleração da
aterosclerose, calcificação vascular.
★ Sonolência, redução da aten ção e da
capacidade cognitiva, alterações de
memória e lentificação, mioclonias,
convulsões, confusão mental e coma
Diagn�stic�
★ O ritmo de filtração glomerular (RFG) menor
que 60mL/min/1,73 m2 representa diminuição
de cerca de 50% da função renal normal e,
abaixo deste nível, aumenta a prevalência
das complicações da DRC.
★ A RFG pode ser determinada pela dosagem
da creatinina sérica e/ou pela depuração
desta pelo rim, através de cálculos que
consideram variáveis individuais:
★ 1. Equação de Cockcroft-Gault: Filtração
glomerular (mL/min)= 140 - idade (em anos) x
peso (kg) / 72 x Creatinina sérica (x 0,85 se
mulher)
★ 2. Equação abreviada do estudo Modification
of Diet in Renal Disease (MDRD): Filtração
glomerular (mL/min/1,73m2) = 186 x
(Creatinina sérica)-1,154 x (idade)-0,203 X
(0,742 se mulher) X 1,210 se negro
★ Há também a calculadora da Sociedade
Brasileira de Nefrologia: https://
sbn.org.br/utilidades/calculadoras/]
★ Marcadores de lesão renal: determinam
aumento de risco para DRC. São eles:
proteinúria, albuminúria, hematúria,
leucocitúria, alterações de parâmetros
bioquímicos no sangue e na urina e alterações
nos exames de imagem.
Laboratoria�
★ Hemácias dismórficas indicam
glomerulonefrite proliferativa ou nefrites
hereditárias
★ Piúria pode ser indicativa de infecção, porém
quando associada a cultura estéril pode
indicar: tuberculose de trato urinário,
infecção por clamídia, doença glomerular
proliferativa difusa, litíase renal, nefrite
intersticial aguda (linfomononucleares e
eosinófilos) e doença renal ateroembólica
(eosinófilos)
★ Excreção de cilindros céreos, celulares,
gordurosos e pigmentados indicam patologia
renal.
Clar� Marque� Santan�
https://www.sbn.org.br/profissional/utilidades/calculadoras-nefrologicas/
https://www.sbn.org.br/profissional/utilidades/calculadoras-nefrologicas/
Doenç� Rena� Crônic�
Image�
★ Ultrassonografia: perda da diferenciação
córtico medular, redução do córtex renal e
aumento da ecogenicidade do parênquima.
Usado para identificar doença renal policística
autossômica dominante, obstrução do trato
urinário, refluxo vesicoureteral, diferenciação
★ entre tumores sólidos e cistos renais
★ Cintilografia renal: avaliação da perfusão
renal.
★ Tomografia computadorizada sem contraste:
evidência de obstrução sem fator causador
visível.
Bió�si�
★ Rins de tamanho normal ou quase normal,
nos quais não é possível estabelecer um
diagnóstico bem definido através de métodos
menos invasivos e quando há suspeita de
causa potencialmente tratável
Tratament�
★ Tratar causa base
★ Controle glicêmico e pressórico (dm e has)
★ Inibidores da ECA ou bloqueadores de
receptores da angiotensina II (BRAs): diminui
a proteinúria ao inibir vasoconstrição da
arteríola eferente. A combinação dos
fármacos ainda não possui evidências de
recomendação.
★ Diltiazem e o verapamil podem reduzir a
proteinúria e causar efeitos nefroprotetores
★ Caso o paciente apresente níveis
ascendentes de creatinina, chegando a
2mg/dl, recomenda-se o uso de diuréticos de
alça
★ Dieta hipossódica, hipopotassêmica,
hipofosfatêmica, hipoproteica, normo ou
hipercalórica, baixo teor de potássio,
acompanhamento com nutricionista
★ Anemia: reposição de ferro, vitamina B12 e
ácido fólico e o uso de agentes estimuladores
da eritropoiese, a eritropoetina (50 a 150
unidades/kg/semana).
★ Se, apesar da restrição dietética, o fósforo
sérico ou o PTH estiverem acima dos níveis
recomendados: quelantes de fósforo
((carbonato de cálcio, hidróxido de alumínio,
acetato de cálcio e sevelamer, aumentam o
aporte de cálcio)
★ Se produto cálcioxfósforo normal e PTH alto:
pulsos de calcitriol ou outro me tabólito da
vitamina D
★ Agonistas de receptores cálcio-sensíveis:
atuam nas glândulas paratireóides,
aumentando a sensibilidade dos receptores ao
cálcio
★ Acidose: bicarbonato de sódio via oral na
dose de 0,5 a 1,0 mEq/kg/dia, para manter o
bicarbonato com dose próxima a 22 mEq/L.
★ Evitar fármacos nefrotóxicos
Terapi� d� su�stituiçã� rena�
★ Indicações absolutas: Pericardite,
Hipervolemia refratária a diuréticos,
Hipertensão arterial refratária às drogas
anti-hipertensivas, Sinais e sintomas de
encefalopatia, Sangramentos atribuíveis à
uremia, Hiperpotassemia não controlada
clinicamente
★ Indicações relativas: Anorexia
progressiva/náuseas e vômitos, Prurido
persistente e intenso, Acidose metabólica,
Alterações de atenção, memória e depressão
★ Hemodiálise, diálise peritoneal (dificuldade de
acesso vascular ou instabilidade
hemodinâmica)
Transplant� rena�
★ São mantidos os rins do paciente, e o novo
rim é colocado através de anastomose com
vasos ilíacos e ureter
Referênci�
1-SANARFLIX. Doença renal crônica. 2020.
Clar� Marque� Santan�