A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
21 pág.
MDD 2 -5-Resposta Imune e terapias anti-cancer

Pré-visualização | Página 1 de 5

Eduarda Gonzalez 
1 
 
 
 
 
O sistema imune é responsável pelo reconhecimento de diversas estruturas (microrganismos, 
parasitas, estruturas próprias alteradas, além de estruturas constitutivas do nosso corpo como ácido 
hialurônico e colesterol, produtos de animais, plantas insetos, substancias inócuas e estruturas 
transplantadas. 
O balanço entre a tolerância e resposta imune é essencial para a homeostasia do nosso corpo, dessa 
forma as neoplasias são situações que interferem nesse balanço da regulação imune e da tolerância. 
MCH I e II 
As células apresentadoras de antígeno são essenciais no processo de identificação de neoplasias, pois 
essas células vão apresentar em sua membrana partes de moléculas mutadas em seus receptores de 
MHC I e II. 
Como ocorre no contexto de 
neoplasias: Uma proteína 
mutada de célula neoplásica vai 
para o citoplasma e pedaços 
dessa proteína vão para o 
retículo endoplasmático e 
posteriormente, a partir da 
estrutura da molécula, pode se 
ligar no MHC I. O MHC I irá a 
superfície para expressar as 
características de todas as 
moléculas que estão na célula e 
em conjunto, irá expressar a da 
célula neoplásica, que será 
reconhecida pelo sistema imune 
adaptativo por meio dos 
linfócitos TCD8. 
O MHC classe II estão presentes apenas em células apresentadoras de antígeno, como macrófagos, 
células de Kupferr e da micróglia. 
Uma célula neoplásica que morreu vai ser fagocitada, digerida e posteriormente vai para as vesículas 
que possuem o MHC de classe II, onde vai ser para membrana e pode ser recepcionado por células TCD4. 
Há uma bomba de proteína no sistema de endomembranas nas vesículas, e isso quer dizer que as 
estruturas que estavam na vesícula, na região do reconhecimento de moléculas pelo MHC II podem sair 
 
 Eduarda Gonzalez 
2 
para a região do meio intracelular, isto é, o citosol e começar a passar pelo processo de reconhecimento 
dessa molécula pelo MHC de classe I. Pela imagem, podemos dizer que uma molécula vermelha que 
estava na vesícula saiu dessa região e foi para o citosol, e vai seguir o mesmo caminho das moléculas 
verdes, que são reconhecidas pelo MHC I. Dessa forma a molécula vermelha vai ser apresentada para 
MHC de classe I que vai ser reconhecido pelos TCD8 e também por MHC de classe II que vai ser 
reconhecido pelo TCD4. A apresentação de uma mesma proteína mutada em dois sistemas de MHC por 
uma mesma molécula de apresentação de antígeno é a APRESENTAÇÂO CRUZADA. 
 
Resposta Th1 e Th2 
A qualidade da resposta imunológica se da pela troca de informações, isto é, pela sinapse imunológica, 
que vai depender das moléculas envolvidas na transmissão dessa informação. Como no caso do PD1 e 
CTLA 4 que são estruturas que vão facilitar a inativação de uma célula, mas se um tumor tiver um 
bloqueio da ligação desse PD-1, a célula não vai ser inibida e não será reconhecida pelo TCD8. 
A ausência de sinais ou a deficiência de um dos sinais faz com que a célula T não consigam detectar 
essas células. Então no caso de uma célula tumoral que sofreu mutações e acabou desenvolvendo uma 
diminuição da expressão de MHC e moléculas coestimuladoras em sua superfície, as células T não vão 
conseguir interagir, pois essa célula neoplásica não expressa nada, então ela será invisível pelo sistema 
imune adaptativo e consequentemente não desenvolve uma resposta efetiva. 
A formação de células Th1 ou Th2 vai depender das citocinas produzidas na resposta imune inata, então 
se temos uma apresentação de antígeno no contexto da produção de IL-12, a célula TCD4 vai se 
diferenciar em Th1 e produzirá IFN-γ, já se ocorrer a apresentação a TCD4 na presença de IL-4 vai ser 
célula TH2 e produz IL-4. Dessa forma o IL-12 induz a formação de Th1 e o IL-4 induz a formação de 
Th2 e isso ocorre porque a troca de sinais intracelulares desenvolve um remodelamento de cromatina 
do DNA abrindo e fechando genes específicos. 
A resposta Th vai diferir a partir das diferentes doenças, onde diferentes agressores vão desenvolver 
respostas distintas como: 
As bactérias intracelulares possuem mais resposta Th1 do que Th2 porque a bactéria vai induzir a 
produção de IL-12. Já as bactérias extracelulares possuem mais Th2 do que Th1 porque essas bactérias 
vão induzir a célula dendrítica a produzir IL-4 na hora da apresentação de antígeno e por isso a maioria 
dos linfócitos vão produzir IL-4. 
 
• Fungos, protozoários e tumores: Mais resposta Th1 do que Th2. 
• Vírus: resposta Th1. 
• Helmintos: resposta Th2. 
 
 
 
 
 Eduarda Gonzalez 
3 
Reconhecimento tumoral pelo sistema imune: 
As células T mantem a vigilância imunológica por meio de interações, se a célula T identificar que não 
há anormalidade, esse reconhecimento será apenas para manter célula viva, não vai desencadear 
nenhuma resposta. Esse reconhecimento ocorre por meio do MHC I. 
 
1-Próton-oncogene: É um gene mutante herdado ou adquirido, que não é neoplásico em situações 
normais, mas se houver mutações pode gerar neoplasias. Dessa forma esse próton-oncogene é um gene 
que aumenta o risco de desenvolver neoplasias e após sofrer mutação ele vira um oncogene. O oncogene 
provavelmente será apresentada ao sistema imune e vai ativá-lo, pois é uma molécula estranha para o 
linfócito TCD8. Como exemplo uma pessoa que possui esse gene e fuma, provavelmente vai desenvolver 
câncer de pulmão, pois muito provavelmente haverá mutações nesse gene. 
Exemplo de próton-oncogene é o P53. 
O oncogene possui proteínas no genoma de um gene que foi criado em um ambiente tumoral, ou seja, é 
uma proteína que só existe no tumor, que não existia no corpo antes. E essas proteínas originadas do 
oncogene possuem uma chance maior de serem ligadas ao linfócito T e serem reconhecidas. Além disso, 
elas são chamadas de antígenos próprios do tumor, ou antígeno tumoral. 
 
2-Uma proteína própria(self) do nosso corpo pode sofrer uma mutação do seu gene e essa mutação 
será reconhecida pelo sistema imune. 
Exemplo: Temos a proteína albumina em todo o corpo, mas no tumor pode ocorrer a alteração de um 
gene da albumina que está no tumor e ela será reconhecida pelo sistema imunológico. Na região em 
que não está sendo acometida por um tumor, haverá proteínas normais, as únicas proteínas que estarão 
mutadas são as que estão nos tumores, ou seja, são antígenos específicos do tumor. 
 
 Eduarda Gonzalez 
4 
3-Quando o organismo passa a fazer um excesso de produção de qualquer substancia, que passe dos 
níveis fisiológicos e homeostáticos, temos uma ativação do sistema imune, pois essa super expressão 
pode ser reconhecida. 
• Exemplo: Uma célula tumoral que muta o gene da albumina e ela começa a ser expressa de forma 
excessiva nas moléculas de MHC da célula, o sistema imunológico vai reconhecer que essa 
albumina não devia estar nessas concentrações e por isso ele será ativado. 
Algumas proteínas do nosso corpo são expressas em períodos específicos do desenvolvimento, seja no 
período embrionário, fértil ou até mesmo na menopausa haverá suas especificações. Porém quando 
alguns hormônios que são produzidos no desenvolvimento embrionário aparecem na vida adulta, ele 
será reconhecido como improprio, pois não haverá mais memoria para essas substancias. 
• Exemplo: Alfa-fetoproteína é uma proteína presente no período embrionário e quando nós 
nascemos e os desenvolvemos, vamos deixar de produzir essa proteína, mas em alguns tipos de 
câncer ocorre a ativação desse gene que não deveria mais se ativar, como no câncer hepático. E 
essa reativação do gene faz com que alguns carcinomas hepatocelulares produzam grandes 
concentrações de alfa-fetoproteína e esse aparecimento é algo aberrante e o sistema imune vai 
reconhecer e desenvolver uma resposta 
 
 
4- Quando uma neoplasia é causada por uma infecção viral. 
Ex: uma célula quando infectada pelo HPV pode desenvolver