A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Idade Média - com margem para anotações

Pré-visualização | Página 1 de 1

Resumo de história (parte 2): Idade Média.
· Idade média – início no ano 476 d.C.:
Durou vários séculos, entre a queda do Império Romano do Ocidente e a descoberta da América (em 1942);
- Foi conhecida como IDADE DAS TREVAS, porque o conhecimento científico era muito limitado, a Igreja controlava muito a vida das pessoas e eles consideravam como um período de escuridão que só após o Renascimento e Iluminismo que houvesse um momento de elucidação onde podia se expressar;
- Lembrar: havia Império Romano do Ocidente (que se dividiu em vários reinos/povos, que vão começar a brigar por aquelas regiões) e do Oriente;
- Se divide em duas partes: a alta Idade Média e a baixa Idade Média;
- Feudalismo: quando os povos bárbaros/germânicos já estavam começando a chegar perto do império Romano, houve uma mistura de culturas. Mas quando os bárbaros estavam invadindo violentamente o Império Romano, as pessoas começaram a fugir por causa dessas invasões; 
Essas pessoas fugiam para os campos, então os latifundiários permitiam que essas pessoas se estabelecessem nas suas terras, mas em troca de alguns favores, que se transformou no FEUDALISMO. 
	
Divisão: suserano – era o dono da terra, o vassalo –que fornecia o apoio militar. OCORRIA ENTRE DOIS NOBRES, DOIS IGUAIS. O servo eram os camponeses, que a partir daí gerava a servidão. Estes recebiam salário, mas pagavam tantos impostos que ficavam presos à uma dívida. 
- Impostos: 
No manso servil - que eram as terras pertencentes ao feudo, de uso dos camponeses, mas não de sua propriedade - parte do que era produzido ia para o senhor feudal. Essa taxa ficou conhecida como talha. Como os senhores feudais não deixavam escapar nenhuma oportunidade de cobrança de taxas ou impostos, os servos também pagavam a banalidade, um imposto pelo uso dos fornos e moinhos que o senhor controlava. 
Havia também um pagamento relativo ao número de servos que moravam nos feudos, e era cobrado individualmente, "por cabeça" (ou em latim per capita): era a capitação. Por fim, o imposto da mão morta é uma demonstração cabal de até onde podia chegar a exploração dos senhores feudais sobre os servos, pois, além de herdar a servidão dos pais, quando estes morriam, os filhos ainda deveriam pagar mais essa taxa, para continuarem servindo ao mesmo senhor.
- Igreja: se juntou a política e ficou muito poderosa. O cristianismo por muito tempo foi uma religião obrigatória. Aqui o Papa era superior aos reis. 
As universidades surgem para ensinar as pessoas a serem papas, os livros que existiam eram escritos por monges.
- Com o renascimento do comércio surgem os artesãos, banqueiros... que futuramente serão chamados de burgueses. 
Burgos eram as muralhas que protegiam os feudos, então eles moravam perto dessas muralhas. Não moravam dentro para não ter que pagar impostos ao senhor feudal. 
- A Igreja condenava a usura, que consistia em emprestar dinheiro com juros. 
- Uma coisa que ajudou com o colapso da Europa Oriental foram as guerras, que estão mais violentas devido a descoberta da pólvora, em consequência disso, mais mortes. 
	Dentre essas guerras, teve a GUERRA DOS CEM ANOS, entre a França e Inglaterra que durou 116 anos em busca do domínio da França, que gerou muita instabilidade. 
A fome e a peste também importam nesse colapso. Porque as mudanças das condições climáticas não ajudam e muita gente começa a passar fome, quando a peste negra/bubônica (vinda da China, causada pela pulga do rato) começa, haverá menos pessoas produzindo nos campos, então mais pessoas começam a passar fome. 
+ de 70.000.000 (setenta milhões) de mortes. 
Não muito se sabia sobre essa peste e, a partir disso, a Igreja começou a dizer que era o castigo de Deus, gerando um grande pânico na população.
- Revoltas camponesas contra os suseranos (os senhores feudais exigindo pagamento de mais tributos). Essas revoltas acarretam o recuo do poder. Os nobres começam a não conseguir administrar os camponeses revoltados e então começam a juntar os exércitos de outros nobres, trazendo como consequência uma centralização do poder;
Em decorrência disso, o Rei fica mais poderoso (lembrar do posterior ABSOLUTISMO). A nobreza vira campesã, que vivem mais perto do rei, não pagam impostos. 
Questões:
1. A Idade Média é um período cronológico, cujo nome gerou uma série de debates. Em relação a este tema, analise o item a seguir. O termo “Idade das Trevas” decorre das dificuldades dos historiadores em encontrar documentos que ajudassem a elucidar os fatos dessa época, também denominada Idade das Trevas.
2. A Idade Média é um período cronológico, cujo nome gerou uma série de debates. Em relação a este tema, analise o item a seguir. O termo “Idade das Trevas” decorre da impossibilidade de se definir corretamente a organização feudal, segundo seus aspectos políticos e econômicos, preferindo-se recorrer à ideia de idade do meio.
3. A Idade Média é um período cronológico, cujo nome gerou uma série de debates. Em relação a este tema, analise o item a seguir. O termo “Idade das Trevas” decorre da influência aristotélica sobre os filósofos escolásticos, que recorreram ao princípio da virtude do meio termo ou equilíbrio para definir a época marcada pelo controle social da igreja católica.
4. A Idade Média é um período cronológico, cujo nome gerou uma série de debates. Em relação a este tema, analise o item a seguir. O termo “Idade das Trevas” decorre do fato de esse período mediar dois outros momentos da História mais valorizados pela tradição política ocidental: o Império Romano e o Estado Moderno.
5. O feudalismo era, na Idade Média, um sistema não apenas econômico mas também social, marcado por forte ressonância na formulação do poder político de quase toda a Europa Ocidental. Com relação a esse sistema, analise o item a seguir. O feudalismo, sustentado na escravidão, dominou a Europa Ocidental desde a crise do Império Romano até praticamente à Revolução Francesa.
6. O feudalismo era, na Idade Média, um sistema não apenas econômico mas também social, marcado por forte ressonância na formulação do poder político de quase toda a Europa Ocidental. Com relação a esse sistema, analise o item a seguir. Sustentada pela noção de estamento, a sociedade feudal apresentava taxas baixíssimas, ou quase inexpressivas, de mobilidade interna.
7. O feudalismo era, na Idade Média, um sistema não apenas econômico mas também social, marcado por forte ressonância na formulação do poder político de quase toda a Europa Ocidental. Com relação a esse sistema, analise o item a seguir. Na Idade Média, as mulheres detinham poderes adicionais associados ao sistema de reprodução da cultura religiosa.
8. O feudalismo era, na Idade Média, um sistema não apenas econômico mas também social, marcado por forte ressonância na formulação do poder político de quase toda a Europa Ocidental. Com relação a esse sistema, analise o item a seguir. A força da religião, embora fundamental na construção das instituições feudais, não influenciava o poder político.
9. A respeito da cristianização da Europa no período medieval, analise o item a seguir. Devido ao isolamento dos monastérios, resultante da decadência da comunidade citadina na Idade Média, os monges foram incapazes de divulgar o cristianismo, estando a expansão dessa doutrina diretamente relacionada ao renascimento urbano do auge do medievo.
10. A respeito da cristianização da Europa no período medieval, analise o item a seguir. O pontificado e a igreja regularam as práticas sociais da Idade Média ao restringirem sua ação aos rituais litúrgicos que difundiam a doutrina cristã, não participando do espaço político, considerado meio de contaminação da verdadeira fé.
11. A respeito da cristianização da Europa no período medieval, analise o item a seguir. O cristianismo desassociou-se da consolidação da nobreza enquanto instância de poder porque, além de ser representado por um grupo social diferente cuja doutrina era universal e de fácil aceitação, o papado, não exigiu a ação dos nobres em seu benefício.