A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Estudo Dirigido Teoria Cognitivo Comportamental

Pré-visualização | Página 1 de 1

RELATÓRIO DEATIVIDADES PRÁTICAS E TEÓRICA DA DISCIPLINA: TEORIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL.
O presente relatório tem como objetivo apresentar os registros das aulas teóricas e práticas ministradas semanalmente pelo Professor XY, durante o semestre X, com base na Teoria Cognitivo Comportamental (TCC) apresentada em forma de Estudo Dirigido representado pela plataforma Teams e Sava,que se referem aos conceitos históricos, conceituais e técnicas trabalhadas durante as aulas endossadas através do livro recomendado ( Judith beck),artigos, dinâmicas( individuais), seminário, Casos Clínicos e plataforma Metmenter.
 A Teoria Cognitiva, foi fundada por Aaron Beck, neurologista e psiquiatra, no início dos anos 60, que propôs um modelo inicial para tratamento da depressão, que definiu pessoas deprimidas como, aquelas que tem uma cognição negativa em 3 áreas da vida,como: a visão negativa de si mesmo, do mundo e do seu futuro, que chamou de Tríade Depressiva, criando2 instrumentos para mensuração dos sintomas depressivos que são: A escala de ansiedade de Beck(BAI) e a Escala de depressão de Beck(BDI), e após observar os deprimidos e seus pensamentos negativos, propôs uma terapia cognitivamente para reversão das cognições disfuncionais. 
Após insatisfação, Beck rompe com as bases psicanalíticas, e recebe contribuições do Behaviorismo Radical, onde os pensamentos eram considerados comportamento, que seriam ferramentas eficazes na redução de sintomas, unificando assim a formulação cognitiva e comportamental, que se baseia de que as cognições podem ser alteradas e modificadas, que compreende 3níveis básicos do Pensamento Cognitivo que são os pensamentos automáticos, as crenças intermediárias, e crenças nucleares.
Outro representante importante da Teoria abordada foi,Albert Ellis, sexólogo, que desenvolveu a Terapia Racional Emotiva Comportamental, a TREC, eficaz para tratamento em transtornos de depressão e ansiedade, por ser didática, diretiva e interessada na estrutura de pensamento do cliente, organizando sua teoria como o modelo A-(Acontecimento)-B(Crenças)-C(Consequências).O trabalho com o cliente se concentra em tentar mudar algumas das interpretações que ele possui e fazer com que ele reconheça a conduta que pretende alterar, pois a forma como se pensa, interfere no comportamento do indivíduo e, Jeffrey Young que traz uma proposta a expansão do modelo cognitivo e tem sua terapia focada nos esquemas, que integra elementos da própria terapia cognitiva comportamental, e se torna eficaz nos diversos tipos de transtornos mentais, inclusive no que concerne aos de personalidade. Os esquemas são entendidos como apresentando temas que modelam as interpretações que o indivíduo faz de suas experiências.
A Terapia Cognitivo Comportamental é uma abordagem terapêutica, estruturada, diretiva, focada no presente com metas claras e objetivas, definidas pelo psicólogo e cliente e pautada em protocolos e técnicas para as demandas na clínica.
O primeiro recurso a ser desenvolvido pelo terapeuta é o Questionamento Socrático que tem como objetivo levar o cliente através da indagação a reconhecer as áreas que ele desconhece as respostas, possibilitando novos caminhos para pensar e agir, assim como as técnicas de relaxamento que servem para o controle de ansiedade, que surge quando enfrentamos situações estressantes, e quando caracterizada por preocupação antecipada podem surgir alguns sintomas psicológicos ou físicos. O terapeuta pode auxiliar o cliente no processo de conscientização e controle da ansiedade.
Através da oficina prática, aplicada no dia 21/09, experimentamos a importância de se fazer antes da conceitualização, a psicoeducação das situações, dos pensamentos e emoções e distorções cognitivas e típicas como: catastrofização, magnificação, entre outros,fazendo uma relação entre pensamentos e sentimentos, permitindo ao terapeuta fazer uma análise da leitura mental e futura do cliente e coleta de dados para início de um plano de tratamento.
Na aula do dia 05/10 compreendemos que a partir da anamnese, do diagnóstico e Conceituação Cognitiva, que é a formulação do caso,uma hipótese de trabalho,que tem como objetivo principal melhorar o resultado do tratamento, auxiliando o terapeuta e o cliente na obtenção de uma concepção mais ampla e profunda dos mecanismos cognitivos e comportamentais do cliente,e que envolve dados relevantes da infância, dá-se início a primeira entrevista até o final do trabalho. A conceituação cognitiva pode se apresentar de 2 maneiras: Qualitativas, quando surgem novos elementos no repertório comportamental, ou quantitativas, que é quando uma característica existente no repertório é diminuída ou aumentada. Outra técnica abordada foi o RPD(Registro de Pensamentos Disfuncionais)que tem como objetivo fazer com que o indivíduo saiba identificar e analisar de forma consciente os seus pensamentos disfuncionais responsáveis pelo seu sofrimento e levar o próprio cliente a tentar reestruturá-los.
Na aula do dia 31/ 11 ficou claro que, para se alcançar o objetivo da terapia é necessário seguir os passos a passo para organizar uma intervenção na Teoria Cognitiva Comportamental, que se baseia em 3 tópicos básicos como: a Conceituação Cognitiva, Plano de Tratamento e Agenda. A metas, que devem ser mensuráveis, metas possíveis de serem realizadas com recursos apresentados pelo cliente e as micrometas que é o passo a passo até atingir os objetivos (ex: construção de uma casa). Os objetivos na clínica são os mais diversos, como: solução de problemas (situações do cotidiano) e manejo de ansiedade, manejo de transtorno de humor, entre outros, assim como os métodos que também são diversos, como: Relaxamento, RPD, Curtograma, entre outros apresentados em sala de aula.
Concluo este relatório, ressaltando que por meio das aulas ministradas pelo Professor; YX e prática, em sala de aula para um desenvolvimento e conhecimento da Teoria, foi possível conhecer e entender melhor a Terapia Cognitivo Comportamental, suas técnicas e eficácia para tratamentos emocionais. Apesar das dificuldades durante o semestre no que diz respeito ao tempo, quedas de internet, e outros contratempos, ficou claro a capacidade do Professor em nos motivar com excelência a dar continuidade a um conhecimento mais amplo da Terapia Cognitivo Comportamental e suas técnicas, tornando passível de escolha como base de desenvolvimento para psicologia clínica futura.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.