A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Microscopia Cardiovascular - Parte 2

Pré-visualização | Página 1 de 3

Coração tem função de bomba, no qual vai distribuir 
nutrientes e oxigênio para as demais partes do nosso 
corpo, através de tuneis. 
O sangue ele vai percorrer através desses túneis que 
são os nossos vasos sanguíneos. 
Temos vasos que saem do coração e são chamados de 
vasos eferentes e os vasos que chegam ao coração, 
chamados de vasos aferentes. 
Esses vasos que temos saindo, são os vasos arteriais, e 
os vasos que chegam, são os vasos venosos. 
Então, qual a função disso ? o sangue a partir dessa 
bomba que vai distribuir esse sangue para diferentes 
tecidos. 
Para que esse vaso, chegue no tecido, até que ele 
chegue, por exemplo : 
A artéria aorta saindo do coração, e essa artéria ela é 
responsável por distribuir sangue pelo corpo, só que a 
medida que vai afastando do coração, ela vai 
diminuindo o seu calibre e ela vai distribuindo, 
ramificando-se para que seja capaz de alcançar os 
diferentes espaços. 
A medida que esse vaso sai do coração ele vai 
diminuindo o seu calibre, a partir de ramificações. 
O objetivo é que esse sangue nutriente, que saiu do 
coração, ele seja capas de chegar na célula. Para que 
chegue uma artéria, como a artéria aorta, se ela estiver 
saindo na sua origem, para a célula, o calibre dessa 
 
 
 
artéria, é muito grande e as camadas de tecido que 
envolvem esses vasos, são muitas, então não haveria 
uma possibilidade de uma troca, por permeabilidade, 
entre a artéria e a célula. 
Daí, essa artéria vai se ramificando e perdendo 
camadas de tecidos e chega a um ponto que ela fica, 
em um ponto, com apenas uma única estrutura de 
tecido, ou seja, uma única camada, que se chama 
capilar. 
Ou seja, temos uma estrutura bem-organizada que se 
ramifica, ate se tornar um capilar 
Lembrando, que lá na célula estão ocorrendo reações 
metabólicas, em que, muitos elementos são 
disponibilizados, não mais como necessários, e eles 
também via capilar, vão fazer a comunicação, entre 
esse sistema arterial, que leva o sangue para os 
tecidos. 
Via capilar, esses capilares vão se convergir, para 
formar o sistema venoso. 
Vamos ter as menores veias que chamamos de vênulas, 
as veias de pequeno, médio e largo calibre e essas veias 
então, retornam esse conteúdo para o coração e assim 
montamos um circuito fechado que chamamos de 
sistema cardiovascular, ou a grande circulação. 
 
Observando a imagem, quando o sangue sai do 
coração, ele sai com grande pressão, ou seja uma 
pressão que difere a pressão do coração e a do vaso, 
esse vaso tem que ter uma resistência e elasticidade, 
que seja compatível com essa forca de pressão que o 
sangue chega. 
A medida que ele vai se afastando, essa pressão vai 
diminuindo, a organização de tecido que tem na 
origem, não se faz necessário nessa região. 
Quanto mais próximo esse vaso for do coração, maior 
a quantidade de fibras elásticas. 
Essa elasticidade serve para aguentar essa pressão, 
esse vaso se desentende com uma força e depois ele 
volta a sua condição normal, o que chamamos de 
complacência, então quando mais perto maior vai ser 
essa quantidade de fibras elásticas no vaso. 
Chamamos de artérias elásticas . 
Microscopia cardiovascular- Parte 2 
Explicações da professora : 
Essas artérias vão se ramificando e essa quantidade de 
fibras elásticas, ela vai diminuindo, e no que ela vai 
diminuindo vai perdendo camadas, vai diminuindo a 
quantidade dessas fibras elásticas . Temos as artérias 
musculares. 
No que diz respeito ao sistema venoso, não temos essa 
classificação, até porque o retorno desse sangue, ele 
não vai se dar por um sistema de pressão, executado 
pelo coração . 
Veremos a composição desses vasos e o conceito que 
temos um vaso de grande calibre, com pressão para 
disponibilizar, para os diferentes tecidos e quando 
chega no tecido alvo, ocorre a troca de nutrientes, 
disponibilizar oxigênio, reter CO2 
Porque esse vaso fica tão fino, como é o capilar. 
 
Nessa imagem , observe que essas circunferências elas 
estão, indicando as camadas, então na artéria, tenho 
todas as camadas, como a túnica adventícia, parte de 
fora, e ai temos uma mais escuro representa a lamina 
elástica externa, pois tenho uma outra camada, que é 
a túnica média, e nela temos fibras musculares, fibras 
elásticas, tecido conjuntivo, outra camada a membrana 
basal, a lamina elástica interna e por ultimo uma única 
camada, que é o que conhecemos como endotélio, e 
nessa seta a luz do vaso, ou o lúmen, saindo do 
coração. 
Temos ramificações, artérias maiores, menores, 
arteríolas e essas vão então se ramificar nos capilares, 
aqui no capilar, é que temos efetivamente uma 
constituição tecidual, que permite a troca 
Esses capilares se fundem e formam o sistema de 
retorno, as veias de médio calibre e grande. 
 
Temos uma constituição dos vasos venosos, 
semelhantes aos vasos arteriais, a seta direta aponta 
chegando no coração . 
Existem algumas características que são peculiares aos 
vasos venosos . 
 
 
 
 
 
 
 
 
Podemos observar um esquema desenhado, que 
mostra esta organização. 
Considerar uma artéria e uma veia, vamos perceber 
que, embora tenhamos a mesma constituição. 
Mesmo que a veia, tenha um diâmetro grande, a sua 
parede, ela é mais fina, ou seja delgada que a artéria. 
Mesmo que verifiquemos que parece ser tudo igual, 
não é, a camada que determina a estrutura de 
resistência dessa veia é menor que a artéria, mas a 
constituição é a mesma. 
Temos as mesmas características de túnica intima, 
túnica média, e túnica adventícia. 
Em azul, temos a primeira túnica dos vasos que é a 
túnica intima, nessa túnica, vamos ter alguns 
constituintes, como o epitélio de revestimento, o que 
ta em azul fraco o tecido conjuntivo , e essa linha 
ondulada, mostrando uma lamina eslatica interna, que 
faz parte da intima, aqui em cinza e preto, temos a 
camada média, essa camada, é que vai dar a 
elasticidade e resistência da artéria em relação, a sua 
composição, então basicamente, temos tecido 
conjuntivo, fibras musculares e fibras elásticas 
Na veia, a a parte verde do lado da grande também 
tem, é media também, a constituição é semelhante 
Ela tem muito mais a túnica media, do q a veia, e a 
ultima camada que é a camada adventícia. 
 
 
 
 
Na túnica média, que é a área mais clara, temos fibras 
musculares e fibras elásticas 
Na artéria elástica, temos a representação de uma 
concentração de fibras elásticas maior, que na fibra 
muscular. 
Na artéria muscular tem fibra elástica 
Na artéria elástica também tem fibra muscular 
A composição, a quantidade dessas fibras, é que vai ser 
uma maior proporção de fibras elásticas, em relação as 
fibras musculares, quando tratamos de uma artéria 
elástica. 
Pra artéria ser muscular um a maior proporção de 
fibras musculares quando considerando a relação com 
as fibras elásticas. 
Na coloração de rotina que usa a hematoxilina e 
eosina, não vemos com tanta nitidez as fibras elásticas, 
mas vemos corantes empreguinados , como de prata 
que conseguimos visualizar essas fibras elásticas. 
 
 
A composição histologia desses vasos 
Em um corte, como identificamos ? 
Nos vasos, aqui em lilás, túnica intima, ela e a parte 
mais interna do vaso, a que ta em contato com o fluido 
que passa, na sequência, temos a túnica média, e na 
sequência a túnica adventícia . 
Na túnica íntima temos tecido conjuntivo, esse azul 
mais claro, a parte mais interna é o epitélio de 
revestimento, que é o endotélio, esse epitélio de 
revestimento, tem a classificação simples 
pavimentosa. 
Se pegarmos o epitélio de revestimento da artéria 
aorta, a mais calibrosa, elástica, e for para o epitélio de 
revestimento dos capilares, é o mesmo. 
Se for para o epitélio de revestimento das veias, é a 
mesma classificação. 
Entao o epitélio de revestimento simples pavimentoso