A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Nutrição enteral

Pré-visualização | Página 1 de 2

Nutrição enteral
Terapia Nutricional
E o conjunto de procedimentos para
manutenção ou recuperação do
estado nutricional do paciente por
meio da nutrição oral, enteral ou
e/parenteral
Obs: Percebendo que o paciente
corre risco de perder massa
muscular e diminui sua aceitação
por via oral , com risco de evoluir
para depleção corporal -- Via
enteral
Para melhores resultados a nutrição
enteral deve ser iniciada
precocemente (72h após internação
e ou/ estabilização hemodinâmica
hemodinâmico não será indicada.
Portaria 347 anvisa : Alimentos para
fins especiais com ingestão
controlada de nutrientes, de
composição química definida ou
estimada especialmente elaborada
para uso de sondas ou via oral,
industrializadas ou não, utilizada de
forma exclusiva ou parcial para
substituir ou complementar a via oral
Ou seja, conjunto de procedimentos
terapêuticos, com objetivo de ofertar
quantidades adequadas de energia,
macro e micronutrientes para
manutenção ou recuperação do
estado nutricional
Objetivo nutrição enteral :
● Prevenir ou tratar as
deficiências de macro e de
micronutrientes .
Ex : Se a criança usa
fenobarbital e ele depleta
cálcio e vitamina D , indica
suplemento com aposte dessas
vitaminas
● Fornecer a quantidade de
nutrientes compatível com o
metabolismo
● Evitar complicações da
doença. ex: medicação que
faça uso provoca constipação
com uso aumentar aporte de
fibras/ líquidos.
● Melhora chance de alta
hospitalar. Nutrição enteral
antecipa em 2 dias de
internação
● Diminui o tempo de
hospitalização . E isso diminui
as chances da criança se
infectar
Vantagem de nutrição enteral
● Fisiológico (pela utilização do
TGI, havendo liberação de
hormônios como gastrina e
colecistocinina , mantendo a
função fisiológica
● Facil de preparar, administra
● Mantém as atividades
enzimáticas do intestino e
órgãos digestivo
● Apresenta importante efeito
trófico sob mucosa intestinal
Indicações da NE em pediatria
Contra indicação
Íleo a dinâmica importante : criança
que faz cirugia para corrigir interno
e ela fica muito tempo na parenteral,
o que acaba gerando íleo paralítico
● Fistulas intestinais de alto
debito (Menos 500 ML/DIA)
● Obstrução intestinal
● Instabilidade hemodinâmica
● Hemorragia intestinal grave
● Diarreia importante intratável
(acima 1500ml/dia)
A maior parte da diarreia em
pacientes hospitalizados esta mais
ligada a hipoalbuminemia do que a
dieta
Quando iniciar ?
1) consumo alimentar insuficiente
: Menos 80 % do
requerimento nutricional
Criança maior de 1 ano : 5
dias
Criança menor de 1 ano : 3
dias
Cada vez que aumenta temp.
corporal acima de 37 C aumenta
12% do VET . Então a febre
repercute aumentando a demanda
de nutrientes
Aceitação pouca adequada :
mantém via oral, diminuindo volume
e aumentando a concentração
calorica
2) Tempo de alimentação acima
4 horas (indicativo NE)
3) Criança com crescimento e
ganho de peso inadequado
Menor 2 anos : 1 meses
Maior 2 anos : 3 meses
(durante 3 m, nao consegui
ganhar peso)
4) Diminuição dos dois canais de
crescimento P/I ou P/E
5) Dobra cutânea triciptal maior
que 5 percentil : diminuição
da massa gorda
6) Albuminemia menor ou igual
3,2
Obs : Percebeu que terá alta,
orientará família sob a nova
alimentação.
Quando iniciar ?
No max 48 h.
Começamos precoce para manter
fluxo sanguíneo intestinal,
peristaltismo e limitar o
supercrescimento de patógeno no TGI
Vias de alimentação
Nasogástrica ou pós pilórica
(nasoduodenal ou nasojejunal) :
Utiliza apenas para curto período de
tempo ( 2 ou 3 semanas ) por risco
de erosao
Intragástrica : Posicionamento do
cateter intragástrico através da
gastrostomia.
Usada por longo período (2 a 3
meses).
Neuropatas ou crianças com má
formação congênita
Requer reflexo de deglutição e de
tosse
Gastrostomia : procedimento
cirúrgico por posicionamento do
cateter
Dependendo da criança pode
manter uma parte da oferta por via
oral, para manter a estimulação
sensorial da criança. Porque a
mastigação estimula musculo da
boca, importante para fala
Ostomias sao indicadas :
Nutrição enteral por mais de 2
meses
doenças cardio respiratória
Escolhas das vias de administração
COLOCAR QUADRO
Modos de Infusão
BOLOS
normalnte usado para intragastrica
INTERMITENTE
obs: usada dentro da unidade
hispitalar
NOTURNA
nao tolera grandes volumes em curo
periodo de tempo
CONTINUA
Gotejamento por bomba de infusão
Posicionamento pos pilórico ou pos
ducto :
após piloro é obrigatório o uso de
bomba de infusão preferencialmente.
Caso não tenha, utiliza intermitente,
devendo ter cuidado para não
haver distensão de alça intestinal e o
desconforto do paciente.
ao invés de correr 1 hora, correr em
2 horas.
Cuidados na adm NE
Cateter de silicone ou poliuretano :
periodos longos sem risco de
estenose ou aaderencias do esofao
Durante administração : Decúbito
lateral direito. cabeceira elevada
para evitar risco de broncoaspiração
Nutrição intra gástrica : verificar
resíduo gástrico antes de cada
infusão em bolo. Para conseguirmos
entender a motilidade gastrointestinal
da criança
Continua : Precisa avaliar após 12h o
quanto de volume presente. se tiver
um valor alta será um indicativo de
interromper a dieta DUVIDA
Problemas relacionados a nutrição
enteral
Verificar : Prejuízos esvaziamento
gástrico (podendo estar infundido
muito rapido/ formula esta
inadequada/ crianças está com
retardo de motilidade)
obs: quanto maior prejuizo do
esvaziamento gástrico, maior sera as
chances de broncoaspiração
Sinusite
Esogagite
Diarreia
Deslocamento do cateter de
alimentação
Na maioria das vezes a diarreia e
devido a diminuição da albumina
que favorece edema de parede
intestinal levando a diarreia (MUITOS
ACHAM QUE É A DIETA, mas na
maioria das vezes não é)
Suspensão da nutrição enteral
infantil
-Distensão abdominal importante (TGI
não funcionante)
-Sangue nas fezes
-Resíduo gástrico
-Vômito
Escolhas da fórmula
Avaliar :
Integridade do tubo gastrointestinal
Doença especifica
Situação metabólica
Tipo de macronutrientes
se nao tem desnutrição : consumo
habital, monitorando
Fluxograma formula infantil
hipercalórica
O fato de oferecer 1 kca : mostra
que esta aumentando aporte de
calorias
Monitorar terapia NE
-Avaliar osmolaridade da fórmula
-Observar crescimento excessivo de
bactérias no intestino
-Verificar uso de medicações
laxativas
confirmar localização
-Monitorar fósforo, potássio, sódio e
cloro . albumina (baixa albumina
pode piorar a diarreia)
-Lavar cateter antes e dps da oferta
da formula , pois pode ter resíduo.
-Em casos de obstrução do cateter
lavar : agua, papaina ou enzimas
pancreáticas
Criança começa com nasogastrica,
mas se passar 1 ou 2 mes pensar
numa intragastrica. e no caso de
ostomia valiar os risco de infecção.
falar que durante a adm da formuila
´recisar ter cuidado com higiene
Classificação das fórmulas infantis
Completas
contem adequadamente ptn, lip,
CHO, eletrolitos, vitaminas e
oligoelemntos atendendo o Codex
Classificadas de acordo com
complexidade dos nutrientes
-poliméricas : ptn intacta
-oligomérica : fornecida na forma de
peptídeos
-monoméricas : totalmente
hidrolisadas apresentada na forma
de aa
O perfil proteico determina o nome
Quanto MAIOR hidrolise, MAIOR
osmolaridade
A formula oferecidas na forma de
peptidoes tem uma absorçao
MAIOR, do que nas formulas com aa
Resumo das fórmulas em pó
Poliméricas:
• Partida: 0 a 6 meses
• Seguimento: 6 a 12 meses
• Acima de 12 meses: Nutren Junior,
Fortini, Pediasure
• Hidrolisadas:
• são as Hipoalergênicas
• Extensamente hidrolisada: Peptamen
Junior
• Totalmente hidrolisada:
• Menores de 1 ano: Alfamino;
Neocate; Aminomed; Puramino
• Maiores de 1 ano: Neocate
Advanced
obs : criança com 12 meses,
aceitando por via oral, estao
nutriconal adequada e TGI
adequada : pode oferecer
polimerica
Acima de 12 meses
Fórmulas líquidas
Ex: infatrini (normocalórica e
normoproteica ) podendo ser
oferecidas via oral
nutrini standard :são polimérica (ptn
intacta )
Max nutrini : ptn intacta,
normocalórica e normoproteica
Hidrolisadas