A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
PRINCIPIOS DE CIRURGIA

Pré-visualização | Página 1 de 1

Clínica I 
Princípios de cirurgia 
 
Cirurgia 
Med odont ; especialidade que se dedica ao tratamento de doenças e traumatismos 
por meios de processos manuais e instrumentais; intervenção cirúrgica, operação. 
 
Avaliação inical do paciente cirúrgico- exame clínico 
 Importancia de uma boa anamnese e um bom exame clínico: 
 Correto diagnóstico 
 Prevenção de urgências e emergências 
 Planejamento e adequação do plano de tratamento 
 Aspectos éticos e legais da relação dentista-paciente. 
 
Classificação do estado físico do paciente (ASA) 
 
 
Manobras cirúrgicas fundamentais 
 Diérese 
 Exerise 
 Hemostasia 
 Síntese 
Diérese: 
 Objetivo; atingir região anatômica de interesse do cirurgião 
 Classificação; incisão e divulsão. 
Incisão: Principios 
 Utilizar lamina afiada 
 Realizar incisão firme e contínua 
 Evitar estruturas anatômicas importantes 
 Incisoes em superfícies epiteliais devem ser realizadas com o bisturi em 
posição perpendicular a superfície 
 Planejar incisões para cada caso 
 Realizar incisões relativamente amplas 
 Materiais: Cabo de bisturi e lâminas 
 
 
 
 
 
 
Retalhos 
 Definição: porção de tecido delimitado por incisões cirúrgicas 
 Objetivo: Acesso cururgico e mover tecidos moles 
 
 Principios: Evitar injurias as estruturas vitais localizadas na área da cirurgia 
(nervos e vasos sanguíneos) 
Base do retalho deve ser maior que a margem livre. 
 
 
 Tamanho adequado; favorecer a visualização de toda área a ser manipulada 
 As margens do retalho devem estar apoiadas sobre osso sadio; distância de 6, 
8 mm da região de perda óssea; deiscência; retardo na cicatrização. 
 Manipulação cuidadosa e delicada; torções, compressões e distensões; calor e 
trauma mecânico; trauma cirúrgico. 
 A incisão relaxante deve ser parapapilar; região cervical; centro da papila. 
Tipos de retalho: 
 Evelope 
 Triangular 
 Quadrangular 
 Semilunar 
 Em Y 
Divulsão 
 Dissecção romba: 
 Inserir instrumento fechado 
 Abrir no interior dos tecidos 
 Remover instrumento aberto 
 
Exérese 
 Manobras pelas quais são removidas parte ou todo órgão ou tecido 
 Frequentemente é o objetivo da cirurgia 
Hemostasia 
 Cirurgia 
 Sangramento 
 Classificação: venosa (fluxo continuo) arterial (fluxo pulsátil) capilar 
(sangramento em lençol). 
 Métodos: compressão, pinçagem, ligadura, termocoagulação, substancias 
hemostasicas. 
 Pinçagem: pinça hemostáticas, aprisionamentos dos vasos seccionados. 
 Ligadura: posterior a pinçagem, oclusão da luz de um vaso por meio de fios de 
sutura. 
 Substancias hemostáticas: hemostasia difícil ou impraticável 
 Materiais: Esponja de gelatina absorvível, esponja de fibrina, celulose oxidada 
regenerada, cera para osso. 
 Celulose oxidada regenerada: torna-se pegajosa quando é umedecida com 
sangue e forma coágulo artificial. 
Síntese 
 Finalidade: facilitar a cicatrização 
 Previnir infecções 
 Proteger o coágulo 
 Evitar formação de espaço morto 
 Minimizar cicatriz 
 Instrumental: porta agulha, pinça, tesoura. 
 
 
 
Fios de sutura: Mantém os tecidos na posição desejada. 
Qualidades: grande resistência à tração e torção, calibre fino e regular, mole, 
felxivel e pouco elástico fácil esterilização, possui baixo custo. 
 
Fios de sutura não absorvíveis: 
 Monofilamentares; 
 Relativamente rígidos 
 Mais inertes aos tecidos 
 Maior dificuldade para fixação do nó. 
 Multifilamentares: 
 Maior resistência maior possibilidade de contaminação 
MONOFILAMENTARES MULTIFILAMENTARES 
 
 
Agulhas: 
 Cortantes 
 Triangulares 
 Não cortantes 
 Crônicas 
 
Fio agulhado: 
 
 
 
Técnica de sutura; Princípios 
 Não forçar a agulha contra os tecidos 
 A ponta ativa da agulha não deve ser tocada pelos instrumentos 
 Tecidos moveis (fixos) 
 Evitar tensão e distorção 
 
Tipos de sutura (Sintese) 
 Interrompida 
 Simples 
 
 
 Colchoeiro – vertical (U vertical) 
 
 
 Em X 
 
 
 
 Contínua simples 
 
 
 
 
 Contínuo festonada