A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
32 pág.
Resvisão turbo

Pré-visualização | Página 1 de 9

Sd JurisAdvogando 
Sandra Mara Dobjenski 
 
 
DIREITO PENAL – REVISÃO TURBO 
ABOLITIO CRIMINIS 
*Quando vem uma lei posterior que deixa de considerar aquele fato criminoso – a lei 
vai abolir do ordenamento jurídico aquele fato como sendo criminoso. 
EFEITOS DA ABOLITIO CRIMINIS 
1. Fato deixa de ser crime 
2. Cessam todos os efeitos penais – se o sujeito eventualmente foi condenado 
por um fato que deixou de ser crime a sentença condenatória não gera mais 
nenhum efeito. 
Art. 2º CP - Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar 
crime, cessando em virtude dela a execução e os efeitos penais da sentença 
condenatória. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984) 
Parágrafo único - A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o agente, aplica-
se aos fatos anteriores, ainda que decididos por sentença condenatória transitada 
em julgado. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984) 
3. Permanecem os efeitos na esfera cívil – Carlos sedutor seduziu uma mulher 
virgem menor de 18 anos e maior de 14 anos a ter com ele conjunção carnal 
– ele realizou este ato em 2004 (previsão no art. 217 CP) – veio uma lei 
posterior a lei 11106/2005 que entrou em vigor em 28 de março de 2005 e 
aboliu o crime de sedução – cessam os efeitos penais – Carlos comete um 
novo crime de furto (Art. 155 CP) em 2007 – Carlos é reincidente? Não 
porque cessam os efeitos penais da sentença condenatória. 
Se a menina deseja buscar na esfera cívil indenização por danos morais – pode 
ocorrer, visto que os efeitos extra penais permanecem. 
4. Causa de extinção de punibilidade 
XXXVI Exame da OAB – 2018 - Jorge foi condenado, definitivamente, pela prática 
de determinado crime, e se encontrava em cumprimento dessa pena. Ao mesmo 
tempo, João respondia a uma ação penal pela prática de crime idêntico ao cometido 
por Jorge. Durante o cumprimento da pena por Jorge e da submissão ao processo 
por João, foi publicada e entrou em vigência uma lei que deixou de considerar as 
 
Sd JurisAdvogando 
Sandra Mara Dobjenski 
 
 
condutas dos dois como criminosas. (Abolitio Criminis) Ao tomarem conhecimento 
da vigência da lei nova, João e Jorge o procuram, como advogado, para a adoção 
das medidas cabíveis. 
Com base nas informações narradas, como advogado de João e de Jorge, você 
deverá esclarecer que 
A não poderá buscar a extinção da punibilidade de Jorge em razão de a sentença 
condenatória já ter transitado em julgado, mas poderá buscar a de João, que 
continuará sendo considerado primário e de bons antecedentes. 
B poderá buscar a extinção da punibilidade dos dois, fazendo cessar todos os 
efeitos civis e penais da condenação de Jorge, inclusive não podendo ser 
considerada para fins de reincidência ou maus antecedentes. 
C poderá buscar a extinção da punibilidade dos dois, fazendo cessar todos os 
efeitos penais da condenação de Jorge, mas não os extrapenais. 
D não poderá buscar a extinção da punibilidade dos dois, tendo em vista que os 
fatos foram praticados anteriormente à edição da lei. 
CRIME PERMANENTE – NO CONTEXTO DE LEI NOVA 
*A execução e a consumação se prolongam no tempo 
*Ex.: Extorsão mediante sequestro – Art. 159 CP 
Art. 159 CP - Sequestrar pessoa com o fim de obter, para si ou para outrem, 
qualquer vantagem, como condição ou preço do resgate: Pena - reclusão, de seis a 
quinze anos, e multa, de cinco contos a quinze contos de réis. 
*O sujeito quando sequestrou a vítima com a intenção de postular resgate – 
enquanto a vítima estiver em poder do sequestrador, aquele crime está em franca 
permanência, franca execução e consumação – nesse caso pode ocorrer a prisão 
em flagrante. 
SÚMULA 711- STJ 
A LEI PENAL MAIS GRAVE APLICA-SE AO CRIME CONTINUADO OU AO CRIME 
PERMANENTE, SE A SUA VIGÊNCIA É ANTERIOR À CESSAÇÃO DA 
CONTINUIDADE OU DA PERMANÊNCIA. 
 
Sd JurisAdvogando 
Sandra Mara Dobjenski 
 
 
*Imagine que na data do sequestro a lei previa uma pena de 08 a 15 anos para o 
crime de extorsão mediante sequestro – no dia 10/05/2019 quando a vítima foi 
sequestrada a pena do Art. 159 CP era de 08 a 15 anos – vem uma lei nova no dia 
18/05/2019 e passa a estabelecer que a pena do crime de extorsão mediante 
sequestro ficou mais grave passando para 10 a 20 anos – a vítima foi resgatada no 
dia 25/05/2019 – no contexto de crime permanente ou continuado – a lei nova entrou 
em vigor antes de cessar a permanência do crime – dessa forma aplica-se a lei nova 
ainda que mais grave, pois entrou em vigor enquanto o crime estava sendo 
praticado. 
*NO CASO DE CRIME PERMANENTE QUANDO SOBREVIER UMA LEI NOVA 
ENQUANTO O DELITO ESTIVER EM FRANCA PERMANÊNCIA – ESSA LEI VAI 
INCIDIR SOBRE O DELITO AINDA QUE ELA SEJA MAIS GRAVOSA. 
XIII Exame da Ordem – 2014 - Considere que determinado agente tenha em 
depósito (crime permanente) (enquanto estiver em depósito o crime está sendo 
praticado), durante o período de um ano, 300 kg de cocaína. Considere também 
que, durante o referido período (enquanto estava em depósito a droga), tenha 
entrado em vigor uma nova lei elevando a pena relativa ao crime de tráfico de 
entorpecentes. Sobre o caso sugerido, levando em conta o entendimento do 
Supremo Tribunal Federal sobre o tema, assinale a afirmativa correta. 
A Deve ser aplicada a lei mais benéfica ao agente, qual seja, aquela que já estava 
em vigor quando o agente passou a ter a droga em depósito. 
B Deve ser aplicada a lei mais severa, qual seja, aquela que passou a vigorar 
durante o período em que o agente ainda estava com a droga em depósito. 
C As duas leis podem ser aplicadas, pois ao magistrado é permitido fazer a 
combinação das leis sempre que essa atitude puder beneficiar o réu. 
D O magistrado poderá aplicar o critério do caso concreto, perguntando ao réu qual 
lei ele pretende que lhe seja aplicada por ser, no seu caso, mais benéfica. 
TEMPO DO CRIME 
Art. 4º CP - Considera-se praticado o crime no momento da ação ou omissão, ainda 
que outro seja o momento do resultado. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 1984) 
 
Sd JurisAdvogando 
Sandra Mara Dobjenski 
 
 
1. Norma incidente na hora do desenvolvimento da conduta 
2. Norma quando surgiu o resultado 
*Ex.: Pedro com 17 anos 11 meses e 29 dias de idade efetuou disparo de arma de 
fogo contra Maria, ficando esta lesionada e sendo levada para o hospital e vindo a 
falecer uma semana após – (no momento da conduta Pedro era adolescente – 
aplica-se nessa situação teoricamente as medidas do ECA – apuração de atos 
infracionais, sendo possível a aplicação de uma medida sócio educativa – 
considerando o momento da atividade) ou se considerando que se aplicará o CP de 
forma a se considerar o momento do resultado – Pedro será submetido a um 
processo criminal cuja pena pode chegar de 06 a 20 anos – EM RELAÇÃO AO 
TEMPO DO CRIME VAI SE CONSIDERAR A NORMA PRESENTE NA CONDUTA 
DO SUJEITO CONSIDERANDO O TEMPO DA AÇÃO OU OMISSÃO – APLICA-SE 
A TEORIA DA ATIVIDADE. 
LUGAR DO CRIME 
 Art. 6º CP - Considera-se praticado o crime no lugar em que ocorreu a ação ou 
omissão (contexto da atividade), no todo ou em parte, bem como onde se produziu 
ou deveria produzir-se o resultado. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 1984) 
(resultado) – junção da teoria a atividade e do resultado = teoria da ubiquidade 
ou teoria mista. 
Aplicação da lei penal brasileira 
Crimes a distância – a conduta foi desenvolvida em um determinado país, mas o 
resultado ocorreu em outro país. 
Ex.: Conduta ocorreu em país A e o resultado em uma país B – Paulo, residente no 
Brasil, possui um inimigo na Argentina e resolve mandar uma carta tóxica para 
Pedro que reside na Argentina – Pedro ao abrir a carta tóxica fica intoxicado vindo a 
falecer – CONDUTA OCORREU NO BRASIL, MAS O RESULTADO INCIDIU NA 
ARGENTINA – É POSSÍVEL A INCIDÊNCIA DA LEI PENAL BRASILEIRA. 
Pedro remeteu a carta tóxica da Argentina (conduta ocorreu na Argentina) e o 
resultado ocorreu