A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Roteiro Zoo- Mamiferos

Pré-visualização | Página 1 de 1

Curso: Medicina Veterinária 
Disciplina: Zoologia aplicada à Medicina Veterinária 
Prof. João Rossi 
 
AULA PRÁTICA – Mamíferos 
 
 
Temas abordados na aula: 
 
O que define a Classe? 
 
Ordem Carnívora: definida pela presença dos dentes carniceiros (4ºPMS e 1ºMI) 
 Canidae (cães) 
 Felidae (gatos) 
 Mustelidae (furões e lontras) 
 Procionidae (quatis e mão-pelada) 
 
Ordens Rodentia (rato, chinchila, capivara) x Lagomorpha (coelhos) 
 Lagomorfos: presença de dentes incisivos acessórios na face palatina 
 Roedores: presença de dentes incisivos superiores e inferiores simples 
 
Fórmula dentária: 
Considerações anatômicas: arcada dentária, arco dentário e hemi-arco dentário 
 
Caracterização da fórmula dentária: I: C: PM: M 
 I: incisivos 
 C: caninos 
 PM: pré-molares 
 M: molares 
 
 Cálculo da fórmula dentária (exemplos hipotéticos): 
3I: 1C: 4PM: 3M= (3+1+4+3)x4= 44 dentes (no caso de não variação na 
quantidade de dentes nos arcos superiores e inferiores) 
 
3I: 1C: 4PM: 2M (S)/3I: 1C: 4PM: 3M (I)= (3+1+4+2)x2 + (3+ 1+ 4+ 3)x2 
(10x2) + (11x2)= 20 + 22 = 42 dentes 
 
 
Diferenças do aparelho digestório de mamíferos carnívoros x herbívoros 
 Carnívoros: mais simples e curto 
Herbívoros: mais complexo (devido digestão de celulose por microrganismos 
fermentadores) e longo 
 
Diferenças entre corno x chifre 
Corno: presente em machos e fêmeas, anexo epidérmico (pelos modificados) sobre 
uma projeção do osso parietal, não há muda sazonal. 
Chifre: presente apenas em machos de cervídeos, anexo com características 
ósseas (maciço), presença de muda sazonal 
 
Curso: Medicina Veterinária 
Disciplina: Zoologia aplicada à Medicina Veterinária 
Prof. João Rossi 
 
 
 
Modelo biológico: rato (Rattus rattus) 
 
 
ANATOMIA EXTERNA 
 
Observar as seguintes (Figura 01): 
a) Divisões do Corpo: Cabeça com pescoço, Membros anteriores e posteriores, 
tronco e cauda. 
 
b) Na cabeça – boca, lábios, olhos (pálpebra superior e inferior), rinário, ouvido. 
 
c) Pele: pelos no corpo, vibrissas no focinho, garras na ponta dos dedos e coxins 
palmares nas mãos, e pés; mamilos na parte ventral do tronco. 
 
d) Aberturas: boca, narinas, ânus, abertura da vagina nas fêmeas, e abertura do 
pênis nos machos. 
 
Figura 01 – Esquema da morfologia externa do rato branco, Rattus rattus 
 
Curso: Medicina Veterinária 
Disciplina: Zoologia aplicada à Medicina Veterinária 
Prof. João Rossi 
 
 
 
MORFOLOGIA INTERNA 
 
Para observar a anatomia interna, há necessidade de se retirar o tegumento, a 
musculatura e ossos da face ventral do tronco cortando-os na linha mediana entre o dorso 
e o ventre. Às vezes para facilitar o acesso e os corte, os membros podem ser retirados. 
 
Não serão mostrados detalhes da musculatura nem do esqueleto. 
 
Aparelho digestório – fig. 02 e 
03 
 
O aparelho digestório se 
inicia pela cavidade oral que 
possui dentes incisivos, pré-
molares e molares, palato duro 
(anterior) e mole (posterior), 
língua, abertura do esôfago e 
glote (com epiglote) (Fig. 02). 
 
 
Figura 02 – Morfologia da cavidade bucal e glândulas 
anexas 
 
Curso: Medicina Veterinária 
Disciplina: Zoologia aplicada à Medicina Veterinária 
Prof. João Rossi 
No pescoço e no 
tronco encontramos o 
restante do aparelho 
digestório, que é formado 
pelo esôfago, estômago, 
intestino delgado (duodeno, 
jejuno e íleo) que se 
conecta com o intestino 
grosso e entre eles o ceco 
intestinal. Como glândulas 
anexas temos o fígado, 
pâncreas e baço. 
 
 
Fig. 03 – Aparelho digestivo (Cavidade. Abdominal). 
 
 
Aparelho respiratório – Fig. 
04 
 
O aparelho respiratório inicia-
se pelas narinas localizadas 
no rinário, segue pela 
cavidade nasal, não visível e 
separada da cavidade oral 
pelo palato duro e mole, se 
abre na faringe pelas 
coanas. No assoalho da 
faringe se localiza a glote 
que é recoberta pela epiglote 
durante a deglutição. Esta se 
continua pela laringe que é 
curta e a ela segue a 
traquéia por todo o pescoço 
até o tórax quando se divide 
em brônquios que penetram 
nos pulmões. 
 
 
Curso: Medicina Veterinária 
Disciplina: Zoologia aplicada à Medicina Veterinária 
Prof. João Rossi 
Fig. 04 – Aparelho respiratório 
 
 
Aparelho circulatório – (Fig. 05 e 06) 
 
O aparelho circulatório está formado por um 
sistema de bombas e válvulas encarregado 
impulsionar o sangue que é formado por 
dois átrios, um direito e outro esquerdo e 
dois ventrículos. 
 
O sistema arterial é formado pelo arco 
sistêmico que se dirige para cima e para a 
esquerda e suas continuação descendente 
é denominada de aorta. Na sua parte 
anterior sai, para o lado esquerdo, a 
primeira artéria, denominada de inominada 
que rapidamente se divide em subclávia e 
carótida comum direita. Mais a frente sai a 
carótida comum esquerda e, em seguida, a 
subclávia esquerda. Do átrio direito sai 
tronco pulmonar, que se logo se divide em 
artéria pulmonar esquerda e direita. 
 
No sistema venoso se destacam as veias 
cavas anteriores direita e esquerda que 
trazem o sangue da região dos membros 
anteriores e da cabeça, a veia cava 
posterior que traz, para o coração o sangue 
que passa pelo fígado e todas estas três 
veias estão ligadas ao átrio direito. A veia 
pulmonar é curta e trás o sangue arterial 
para o átrio esquerdo 
 
Fig. 05 – Aparelho circulatório 
 
 
 
 
Fig. 06 – Veia cava Posterior. 
 
 
 
 
 
Curso: Medicina Veterinária 
Disciplina: Zoologia aplicada à Medicina Veterinária 
Prof. João Rossi 
Sistema excretor (Fig. 
07) 
 
Os ratos possuem dois 
rins envoltos, 
geralmente, em tecido 
adiposo e localizados na 
região dorsal da 
cavidade abdominal. De 
cada rim saem dutos 
translúcidos, os ureteres, 
que levam a urina para a 
bexiga urinária. A bexiga 
se localiza entre as 
glândulas prostáticas. 
Junto a cada um dos rins 
e em posição cranial a 
eles podemos encontrar 
as glândulas adrenais, 
de cor mais clara. 
 
 
Figura 07 – Aparelho renal. 
 
 
 
 
 
 
Aparelho reprodutor 
masculino (Fig. 08) 
 
O aparelho reprodutor 
masculino está formado 
por dois testículos 
localizados da bolsa 
escrotal. Do testículo sai 
o epidídimo. Este se 
continua pelo duto 
deferente propriamente 
dito, passa pela vesícula 
seminal e depois 
próstata, onde se une ao 
ureter que vem da 
bexiga para formar a 
uretra que se abre na 
cabeça do pênis. 
 
Fig. 08 – Aparelho reprodutor masculino. 
Curso: Medicina Veterinária 
Disciplina: Zoologia aplicada à Medicina Veterinária 
Prof. João Rossi 
 
 
Aparelho reprodutor 
feminino 
 
O aparelho reprodutor 
feminino pode ser assim 
descrito: existem dois 
ovários localizados 
próximos aos rins e 
quando os óvulos 
amadurecem são 
conduzidos até os cornos 
do útero onde os 
embriões se 
desenvolvem. Quando 
do nascimento, os 
filhotes são conduzidos 
para o útero existente na 
junção dos dois cornos 
do útero, daí para a 
vagina que se abre 
exteriormente pela 
abertura da vagina. 
 
 
Fig. 08 – Aparelho reprodutor feminino.