A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
42 pág.
Apostila sobre Legislacoes

Pré-visualização | Página 8 de 14

em livro 
apropriado, de guarda do Médico Veterinário responsável técnico e devidamente registrado 
na vigilância sanitária. 
IV - Setor de Sustentação: lavanderia; local para preparo de alimentos; 
depósito/almoxarifado; instalações para repouso de plantonistas e funcionários; 
sanitários/vestiários compatíveis com o nº de funcionários; setor de estocagem de 
medicamentos e fármacos; geladeira, com termômetro de máxima e mínima para 
manutenção exclusiva de vacinas, antígenos e outros produtos biológicos conservação de 
animais mortos e restos de tecidos. 
A clínica deverá manter convênio com empresa devidamente credenciada para recolhimento 
de cadáveres e lixo hospitalar 
10.3. Consultório Veterinário 
São estabelecimentos de propriedade de médico veterinário, destinados ao ato básico de 
consulta clínica, curativos e vacinações de animais, sendo vedadas a realização de 
procedimentos anestésicos e/ou cirúrgicos e a internação. 
24 
 
Os Consultórios veterinários estão isentos de pagamento de taxa de inscrição e anuidade, 
embora obrigados ao registro no Conselho de Medicina Veterinária. 
São condições de funcionamento dos consultórios dos médicos veterinários: 
I - setor de atendimento: sala de recepção; mesa impermeável com bordas e dispositivo de 
drenagem e de fácil higienização; sala de atendimento; pias de higienização; arquivo 
médico; armários próprios para equipamentos e medicamentos. 
II - equipamentos necessários: geladeira, com termômetro de máxima e mínima para 
manutenção exclusiva de vacinas, antígenos e outros produtos biológicos; 
O consultório deverá manter convênio com empresa devidamente credenciada para 
recolhimento de cadáveres e lixo hospitalar. 
10.4. Ambulatório Veterinário 
São as dependências de estabelecimentos comerciais, industriais, de recreação ou de 
ensino, onde são atendidos os animais pertencentes exclusivamente ao respectivo 
estabelecimento, para exame clínico e curativos, com acesso independente, vedadas a 
realização de procedimentos anestésicos e/ou cirúrgicos e a internação. 
I - setor de atendimento: sala de recepção; mesa impermeável com bordas e dispositivo de 
drenagem e de fácil higienização; sala de atendimento; pias de higienização; arquivo 
médico; armários próprios para equipamentos e medicamentos. 
II - equipamentos necessários: geladeira, com termômetro de máxima e mínima para 
manutenção exclusiva de vacinas, antígenos e outros produtos biológicos; 
O ambulatório deverá manter convênio com empresa devidamente credenciada para 
recolhimento de cadáveres e lixo hospitalar 
10.5. Unidade de Transporte e Remoção e Ambulância Veterinária 
Unidade de transporte e remoção é o veículo destinado unicamente a de remoção de 
animais que não necessitem de atendimento de urgência ou emergência. Sua utilização 
dispensa a necessidade da presença de um médico veterinário. 
Ambulância veterinária é o veículo identificado como tal, cujos equipamentos, utilizados 
obrigatoriamente por um profissional médico veterinário, permitam a aplicação de medidas 
de suporte básico ou avançado de vida, destinadas à estabilização e transporte de doentes 
que necessitem de atendimento de urgência ou emergência. 
É condição fundamental para o funcionamento da unidade de transporte e remoção e da 
ambulância veterinária estarem vinculadas a um estabelecimento veterinário, sendo vedado 
seu uso como veículo móvel para realização de atendimentos veterinários. 
A unidade de transporte e remoção e a ambulância veterinária somente poderão ter 
gravados o nome do estabelecimento ao qual estejam vinculadas, logomarca, endereço, 
telefone, e a clara identificação “transporte de animais” ou “ambulância”. 
São equipamentos indispensáveis à ambulância veterinária: sistema de maca com 
possibilidade de contenção e imobilização do paciente; sistema de monitorização do 
paciente; sistema para aplicação de fluidos; sistema de provisão de oxigênio e ventilação 
mecânica. 
25 
 
A Unidade de transporte e remoção poderá prestar serviços de utilidade pública no 
transporte de animais em apoio à Saúde Animal, Saúde Pública, Pesquisa e Ensino 
Profissional. 
É terminantemente vedada a utilização da unidade de transporte e remoção e da ambulância 
veterinária para transporte de animais para serviços de banho e tosa. 
São considerados estabelecimentos médicos veterinários: hospitais veterinários, clínicas 
veterinárias, consultórios veterinários, estabelecimentos de ensino, pesquisa, outros órgãos 
públicos e privados que utilizem a Unidade Móvel de Atendimento Médico Veterinário. 
Constitui falta grave, passível de multa, a utilização de unidade de transporte e remoção na 
função de ambulância veterinária ou o transporte de animais para serviços de banho e tosa 
em unidade de transporte e remoção ou ambulância veterinária. 
10.6. Comercialização de produtos para uso animal e prestação de serviços de 
estética para animais 
Hospitais veterinários, clínicas veterinárias, consultórios veterinários podem conter 
dependências próprias e com acesso independente para comercialização de produtos para 
uso animal e prestação de serviços de estética para animais, desde que sejam regularmente 
inscritos na Junta Comercial ou Cartório de Registro de Títulos e Documentos. 
9 Fisioterapia animal - Resolução Nº 850 (05/12/2006) 
A necessidade de regulamentar a atividade de fisioterapia animal como uma atividade 
privativa do médico veterinário justifica-se considerando os aspectos abaixo: 
a) a Medicina Veterinária possui na formação de seu profissional conhecimentos 
especializados sobre anatomia animal, genética animal, fisiologia animal, patologia 
animal, nutrição animal, biofísica, bioquímica veterinária, traumatologia e ortopedia 
animal, semiologia veterinária, farmacologia veterinária, interpretação de diagnósticos 
por imagem, clínica médica veterinária dentre outras matérias dirigidas para o 
funcionamento dos organismos das diversas espécies animais. 
b) o médico veterinário é o único profissional capacitado para interpretar os sinais 
clínicos e laboratoriais, as alterações morfofuncionais e instituir diagnóstico, 
tratamento, prognóstico e medidas profiláticas relativas à saúde e bem estar animal. 
c) as especificidades da cinesiologia, cinesiopatologia, cinesioterapia das diferentes 
espécies animais domésticas, silvestres e selvagens. 
d) a alínea “a” do art. 5º da Lei nº5.517/68 estabelece que é privativo do médico 
veterinária a prática da clínica em todas as suas modalidades. 
e) a necessidade de regulamentar a fisioterapia animal; 
É atividade privativa do médico veterinário prescrever e executar métodos e técnicas 
fisioterápicos com a finalidade de reabilitar, desenvolver e conservar a capacidade física do 
animal. A fisioterapia animal se constitui em uma área de atuação do médico veterinário que 
estuda, previne e trata distúrbios cinéticos funcionais intercorrentes em órgãos e sistemas 
dos animais, gerados por alterações genéticas, por traumas ou por doenças adquiridas. 
O médico veterinário ao prescrever conduta fisioterápica deve observar os seguintes 
aspectos: 
I – a técnica recomendada para a espécie que está sendo submetida ao tratamento, 
avaliando as causas envolvidas no transtorno. 
II – biomecânica do animal. 
III – velocidade metabólica da espécie. 
26 
 
IV – intensidade e resistência peculiares a espécie. 
III - inquérito administrativo. 
IV – julgamento. 
V- as características etológicas das diferentes espécies animais. 
VI – respostas fisiológicas dos animais frente a diferentes estímulos. 
Todo e qualquer estabelecimento que ofereça o serviço de fisioterapia animal é obrigado a 
se registrar no Conselho Regional de Medicina Veterinária e a apresentar o responsável 
técnico. 
10 Exercício da responsabilidade técnica pelos laboratórios, exames laboratoriais e 
emissão de laudos essenciais ao exercício da medicina veterinária - Resolução Nº 
831 (14/07/2006) 
A necessidade de regulamentar a atividade