A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
RESUMÃO Receptores Adrenérgicos

Pré-visualização | Página 1 de 1

Receptores Adrenérgicos
· Existem vários tipos de receptores adrenérgicos. Dessa forma, a mesma substância (epinefrina ou norepinefrina) pode causar diferentes efeitos dependendo do receptor;
· No caso de fármacos, existem tanto agonistas quanto antagonistas e sua seletividade quanto ao receptor é relativa, ou seja, um antagonista β₁-adrenérgico seletivo acabará fazendo efeito algum sobre os receptores β₂-adrenérgico, de modo que podem haver muitos efeitos adversos na administração desses medicamentos;
· A adrenalina e a noradrenalina possuem diferentes níveis de atração a determinado receptor: a noradrenalina possui mais afinidade com o receptor alfa-1, enquanto a adrenalina a beta-2;
Tratamento de Asma/DPOC
· Na asma, são utilizados broncodilatadores, que revertem o broncoespasmo, e anti-inflamatórios, que inibem os componentes inflamatórios de ambas as fases. Alguns broncodilatadores também tem efeito anti-inflamatório;
· Os principais fármacos broncodilatadores são β₂-adrenérgicos, embora existam também as xantinas, antagonistas dos receptores de citeinil-leucotrienos e antagonistas muscarínios;
· Os agonistas β₂- adrenérgicos dilatam os brônquios pelos receptores β₂-adrenérgicos presentes em sua musculatura lisa. Também diminuem a liberação de mediadores inflamatórios por mastócitos e monócitos e aumentam a remoção de muco pela sua estimulação cílios;
· Geralmente são administrados via inalatória;
· Duas categorias são:
· Agentes de Ação Curta: salbutamol e terbutalina. São administrados via inalação com ação em no máximo 30 min e com duração de 3-5 horas. São utilizados conforme a necessidade;
· Agentes de Ação Longa: salmeterol e formeterol. São administrados por inalação com duração de 8-12 horas. São administrados 2 vezes ao dia;
· Dentre os efeitos adversos estão tremores, taquicardia e arritmia cardíaca. Porém, por serem inalados, o efeito sistêmico é menor;
· Teofilina é o principal fármaco do grupo das xantinas. Ela inibe as isoenzimas da fosfodiesterase, que inibe a liberação de óxido nítrico, que é um broncodilatador. Ela também ativa a histona desacetilase, revertendo a resistência aos corticoides;
· A janela terapêutica dela é bem baixa, sendo possível diversos efeitos adversos cardiovasculares e nervosos;
· É administrada via oral ou intravenosa em crise gave;
· É administrada em pacientes que não respondem bem a agonistas β₂-adrenérgicos;
· Os antagonistas dos receptores muscarínicos são anticolinérgicos. O principal utilizado na asma é o ipratrópio. O tiotrópio também é usado, tem ação mais duradoura e é utilizado na DPOC;
· O ipratrópio não discrimina entre os diferentes tipos de receptores muscarínicos. É possível que o bloqueio desses receptores aumente a liberação de acetilcolina, o que limitaria seu efeito. É administrado por inalação e não é bem absorvido na circulação, causando poucos efeitos adversos. Não tem efeitos anti-inflamatórios sobre a fase tardia da asma;
· Os corticoides são os principais anti-inflamatórios administrados, usados para a fase tardia da asma;
· Eles diminuem a formação de citocinas, prostaglandinas leucotrienos, etc. Eles também inibem o influxo de eosinófilos para o pulmão;
· Por razões não compreendidas, às vezes os glicocorticoides não funcionam. São administrados por via inalatória; Raramente ocorrem efeitos adversos quando inalados, podendo ocorrer candidíase orofaríngea, irritação na garganta e doses altas regulares podem induzir supressão da suprarrenal em crianças;
· A primeira opção em uma crise de asma é o salbutamol, a segunda é a teofilina;
· A DPOC é irreversível. Devido a fibrose,broncodilatadores não são tão efetivos, mas sim, corticoides para conter a inflamação. Mas eles não são muito eficazes;