A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Nódulos de Tireoide

Pré-visualização | Página 1 de 1

NÓDULOS TIREOIDIANOS: 
 
-É um achado clínico comum 
-A maioria é benigna (90%) 
-O tamanho do nódulo e a quantidade não tem relação com incidência de cancer, apesar de 
um nódulo solitário e dominante possuir maior chance de ser maligno 
-A presença de nódulos é mais comum em mulheres, mas a chance de malignidade é maior em 
homens 
 
 
CAUSAS DE NÓDULOS NA TIREOIDE: 
 
 
FATORES DE RISCO: 
-Tabagismo 
-Obesidade e Sindrome Metabolica 
-Consumo de álcool 
-Niveis elevados de IGF1 
 
DIAGNÓSTICO: 
Normalmente são observados no exame físico ou avaliações de imagem da região cervical 
anterior. Após a identificação, deve-se caracterizar o status funcional e anatômico e descartar 
malignidade através de: ANAMNESE E EXAME FISICO + LABORATORIAL + EXAME DE IMAGEM 
(USG) 
 
QUAL O PROBLEMA DE TER UM NÓDULO NA TIREOIDE? 
É CANCER? CAUSA DISFUNÇÃO TIREOIDIANA? 
 
PRA VER SE CAUSA DISFUNÇÃO TIREODIANA: Dosa TSH 
Se o valor do TSH der abaixo do valor de referencia, precisamos ver se é um nódulo quente 
(ativo/produz hormônio). Avaliamos isso através da cintilografia de tireoide 
Dificilmente um nódulo quente é maligno 
 
-Tratamento do nódulo quente/tóxico: 
-Cirurgia: nódulo maligno coexistente, bócio volumoso (>80g), sintomas compressivos, 
necessidade de correção rápida de hipertireoidismo 
-Iodo 
-Tionamidas 
 
 
É CANCER? 
-Apenas 6% a 14% dos nódulos são malignos 
 
1) Faz anamnese e Exame Físico: 
 
ANAMNESE: 
-Mulheres maior chance de NT, mas os homens tem maior risco de ser maligno. 
-Deve considerar também idade: nódulo em criança é 2x mais comum de ser câncer. 
Adultos < 30 e > 70 tem maior chance de ser câncer também 
 -HF de Ca de Tireoide 
-Exposição a radiação de cabeça e pescoço 
- Velocidade de crescimento do nódulo (se for rápido tem mais chance de ser maligno) 
-Sintomas locais (roquidao, linfonodomegalia cervical) 
 
EXAME FÍSICO: 
-Tamanho, consistência, mobilidade e sensibilidade do nódulo e adenopatia cervical 
Nódulo solitário, de consistência endurecida, pouco móvel e associado a linfonodomegalia 
regional é sugestivo de câncer 
 
 
2) Avaliação laboratorial: Dosagem de TSH 
Pra avaliar disfunção na tireoide se dosa TSH. 
 
 Se o valor do TSH der abaixo do de referencia precisa ver se o nódulo é quente ou frio  Faz 
cintilografia da tireoide pra avaliar isso 
*Nódulo quente capta hormônio, e dificilmente vai ser maligno 
*Quanto mais elevado o TSH, maior o risco de ser maligno 
 
 
 
 
 
 
3) Ultrassonografia cervical: 
Características sugestivas de malignidade: 
-Hipoecogenicidade 
-Microcalcificações / Calcificações em rim 
-Margens irregulares 
-Fluxo sanguíneo intranodular aumentado 
-Aumento do diâmetro anteroposterior em relação ao transverso (mais alto do que largo) 
-Adenomegalia regional 
 
 
 Pela eco, o da direita aparente ser maligno, mas só tem como ter certeza através da biópsia 
 
 
 
As microcalcificações são sinais de malignidade porque são encontradas no carcinoma papilar 
 
 (Conteúdo Líquido) 
 Calcificação em casca de ovo quer dizer que é um nódulo 
antigo, com pouca chance de ser maligno 
 
 Nódulo benigno (hiperecogenico) 
 
 
 
Se rompeu a ´´casca´´ quer dize que tem células se proliferando rapidamente no interior, o que 
é indicativo de malignidade. Precisa sempre biopsiar 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PAAF (Punção Aspirativa com Agulha Fina): 
É o método de maior eficácia para diferenciar nódulos malignos de benignos 
O material obtido fornece substrato para análise citológica (e não histológica) da 
tumoração – Com o citopatológico temos apenas suspeita de neoplasia. Só se tem certeza com 
o anatomopatológico 
 
 
 
As amostras satisfatórias são classificadas em: 
- Benignas: adenoma coloide, tireoidite de Hashimoto e tireoidite subaguda. 
-Malignas: carcinoma papilífero, carcinoma medular, carcinoma anaplásico, linfoma e 
metástase. 
-Suspeitas: risco de malignidade para carcinoma papilífero de 50-75%. 
-Indeterminadas: não convincentemente benignas, mas também sem achados 
suspeitos de malignidade. 
 
 
 
 
 
 
Quando indicar PAAF de um nódulo: 
 
TESTES MOLECULARES: 
 
-Usa o material coletado pela PAAF 
-É indicado quando o resultado da PAAF é indeterminado (Bethesda III e IV) 
-Auxilia na determinação da conduta: se houver mutação presente, se indica tireoidectomia 
total. Se não houver mutação, faz lobectomia 
*Mutação BRAF: é a mais comum e especifica para o Ca Papilar de Tireoide. 
*Mutação RAS e RET: vista em 10-20% 
 
SUGESTÃO DE SGUIMENTO QUANDO HÁ PAAF SUSPEITA MAS INDEFINIDA: 
 
TRATAMENTO DE NÓDULO BENIGNO: Ablação por radiofrequencia 
Outros métodos: 
-Injeção percutânea de etanol: útil em nódulos císticos 
-Iodo: Util em nódulos quentes/tóxicos, porém há risco de hipotireoidismo 
Seguimento com eco com PAAF benigna ou sem indicação de PAAF 
Manter o seguimento por 6-12 meses em nódulo < 12cm com características suspeitas 
Manter o seguimento por 12-24 meses em nódulos sem características suspeitas 
 
*Quando repuncionar um nódulo com PAAF prévia benigna: 
-Se houver crescimento significativo do nódulo  Aumento de 20% em pelo menos duas 
dimensões, aumento de 50% do volume, desenvolvimento de novas características ecográficas 
suspeitas 
 
TRATAMENTO CIRÚRGICO DE NÓDULOS BENIGNOS: 
-Quando causar compressão de estruturas adjacentes 
-Por motivos estéticos

Acesse esse e outros materiais grátis

Ao se conectar, você aceita os Termos de uso e a Política de privacidade.

Já tem cadastro?