A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
ABORTAMENTO

Pré-visualização | Página 2 de 3

prognóstico favorável. 
Terapeutica da Ameça de Aborto e do Aborto Iminente → Basicamente a terapeutica é realizada por 
meio de apoio e orientações como: 
● Repouso relativo com aconselhamento para abstenção de exercícios físicos 
● Abstinência sexual 
● Realização de analgesia, com o objetivo de inibir a sensação dolorosa provocada pelas contrações 
uterinas 
● Utilização de imunoglobulina anti-Rh em pacientes com Rh e Du negativos, pelo potencial risco de 
isoimunização. 
OBS: O uso de progesterona na ameaça de abortamento carece de evidências científicas confiáveis, 
portanto não é recomendado. 
 
Abortamento Inevitável → Ocorre em gravidez que não tem possibilidade de prosseguir, sendo 
manifestada de três formas: 
1. Rotura das membranas amnióticas com evidente perda de líquido amniótico pelos genitais externos 
2. Sangramento volumoso, com coágulos e cólicas intensas e dilatação cervical ao toque vaginal 
3. Infecção intracavitária que, além de ser possível determinante de morte fetal, pode resultar em 
quadros infecciosos maternos potencialmente graves 
⤷ Durante a infecção, tem-se secreção vaginal purulenta ou piossanguinea com odor fétido 
advindo do orifício do colo uterino doloroso a mobilização durante toque vaginal. 
Com exame clínico é possível comprovar um volume acentuado de sangramento e a existência de 
coágulos ou líquido amniótico no canal vaginal. No toque é possível observar a dilatação cervical e o 
volume uterino, que pode ser compatível ou um pouco inferior ao esperado para idade gestacional 
Com a confirmação do diagnóstico de abortamento inevitável, faz-se necessário realizar o tratamento 
com esvaziamento da cavidade uterina, por por ser feita através de misoprostol+curetagem ou 
aspiração manual a vácuo. 
 
Abortamento em Evolução → Ocorre quando o processo de interrupção da gravidez já se encontra 
em andamento, com o ovo já desprendido da cavidade uterina, mas ainda não expulso pelos genitais 
externos. 
⤷ Clinicamente a paciente se queixa de cólicas uterinas persistentes, quase contínuas, e sangramento 
genital. Com exames é possível constatar através de toque vaginal, que o embrião ou feto está 
presente no canal cervical ou cavidade vaginal. 
O tratamento visa a remoção total do ovo, por meio de pinça de Winter e aspiração manual ou 
curetagem para esvaziamento da cavidade uterina. 
 
Abortamento Completo → Se caracteriza pela eliminação total de todos os componentes da gravidez, 
sendo que quando ocorre é frequentemente até oito semanas de gestação. Nesse tipo de abortamento 
ocorre uma involução rápida do útero, com parada da colica e do sangramento genital. 
⤷ O diagnóstico é realizado através de informações do paciente, onde se busca saber se após as 
cólicas intensas e sangramento acentuado ocorreu a eliminação de algo pelos genitais que acredita 
ser o concepto, com posterior diminuição significativa ou parada do sangramento e da dor. 
OBS: Dependendo do tempo entre a expulsão e a consulta, no exame físico pode ser possível a 
involução uterina total, que com exame especular comprova-se pouco ou nenhum sangramento e colo 
uterino aparentemente fechado. 
Feito por: Peterson Rech H. 191 3 
 
Em relação a conduta, deve ser realizado a observação e caso possível realizar a histerometria para 
confirmação do diagnóstico de abortamento completo, junto com uma ultrassonografia da cavidade 
uterina . 
 
Abortamento Incompleto → Geralmente o feto e a placenta podem ser expelidos juntos até a 10ª 
semana de gestação. Após esse período, as vilosidades coriônicas aderem-se fortemente ao útero, 
provocando sangramento vaginal intermitente, ora volumoso e importante. Quando há ocorrência de 
abortamento incompleto, ocorre uma expulsão de massa carnosa, com sangue e coágulos, sendo 
geralmente o concepto expulso enquanto os restos placentários permanecem no corpo materno. 
⤷ Ao exame, é possível evidenciar um útero amolecido e de volume aumentado, porém menor que o 
esperado para a idade gestacional, além de um canal cervical entreaberto. Caso necessário, pode 
ser realizado um exame ecográfico para revelar a retenção de produtos gestacionais, geralmente a 
coriodecidua. 
Quando confirmado o diagnóstico, é sugerido o esvaziamento da cavidade uterina por meio de 
aspiração manual, e se necessário, curetagem em casos de gestação superior a 12 semanas. Caso o 
abortamento ocorra com menos de 12 semanas, é indicado misoprostol ou AMIU e uma conduta de 
observação. 
 
Abortamento Incompleto Infectado → Decorre da eliminação incompleta do ovo, do embrião ou da 
placenta, que causa uma abertura do canal cervical favorecendo a ascensão de bactérias da flora 
vaginal e intestinal à cavidade uterina em um processo aeróbio-anaeróbia. 
 OBS: É comum em abortamentos instrumentais provocados, mas não exclusivo destes. 
O diagnóstico se baseia com a dor hipogástrica e mobilização do colo uterino, com presença de febre e 
corrimento vaginal com odor fétido. Muitas vezes, ocorre sangramento vaginal prolongado. Além disso, 
o abortamento infectado pode ser subdividido em três estágios, conforme o processo e gravidade 
clínica: 
● Tipo I → É o mais comum, sendo localizado infecção apenas na cavidade uterina e decídua. Nessa 
situação o útero está aumentado de volume, com canal cervical prévio, por onde flui a secreção 
piossanguinea. Não há sinais de resposta inflamatória sistêmica nem irritação peritoneal 
● Tipo II → Ocorre infecção com progressão para o miométrio, paramétrios, anexos e peritônio, 
agravando o quadro clínico, ocorrendo febre, taquicardia, íleo paralítico e dor abdominal. Além 
disso, o exame físico demonstra defesa abdominal, toque vaginal extremamente doloroso e 
empastamento dos paramétricos. 
● Tipo III → Quadro de alta gravidade e alta morbidade e mortalidade, sendo caracterizado por sepse 
intra-abdominal e resposta inflamatória sistêmica. 
Em relação ao tipo I, deve ser feito exames laboratoriais para investigação de sepse, Sendo que o 
tratamento do aborto incompleto infectado consiste na remoção do foco infeccioso por meio de 
curetagem, com uso simultaneo de antibióticos endovenosos com cobertura ampla para os germes mais