A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
259 pág.
Pack Estatística

Pré-visualização | Página 9 de 48

TOMEI, 2005).
EXEMPLO
Como código não-escrito, podemos citar ainda a referência de Burns (1964), que 
determinou como um rigoroso código de ética a regulamentação das atitudes do 
servidor público inglês em todas as suas relações de trabalho, seja com colegas, 
com o público em geral ou com seus superiores.
Uma das vantagens de sua utilização está no fato de que os valores organizacionais expres-
sos em códigos de ética acabam orientando a realidade prática das corporações, favorecendo 
o clima interno, o desenvolvimento de lideranças, assim como a tomada de decisões em maior 
conformidade com as estratégias das organizações (ALMEIDA, 2007).
O alinhamento dos discursos e das posturas dos colaboradores facilita a construção da ima-
gem institucional, sendo, dessa forma, um ganho adicional. Podemos perceber tal fator, por exem-
plo, em associações de ordens profissionais: Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Conselho 
Federal de Medicina (CFM).
FIQUE ATENTO!
Os códigos de ética podem ser entendidos como aspectos da ética aplicada às 
organizações, uma vez que estabelecem regras embasadas nos valores morais de-
finidos a partir dos princípios éticos abraçados pelas entidades.
Figura 4 – Somar forças em torno de valores codificados. 
Fonte: PHOTOCREO Michal Bednarek/Shutterstock.com
Podemos concluir, portanto, que, independente da tipologia adotada, códigos de ética têm se 
mostrado vantajosos para as organizações. 
Fechamento
Nesta aula, você teve a oportunidade de:
 • saber em que consiste e qual a função dos códigos de ética;
 • conhecer os tipos mais comuns desses códigos;
 • entender as vantagens práticas que levam as organizações a estabelecerem seus pró-
prios códigos de ética.
Referências
ALMEIDA, Filipe Jorge Ribeiro de. Ética e desempenho social das organizações: um modelo teó-
rico de análise dos fatores culturais e contextuais.Rev. adm. contemp.,  Curitiba ,  v. 11, n. 3, p. 
105-125,  setembro 2007.   Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pi-
d=S1415-65552007000300006&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18  jul.  2016. 
BRASIL, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Ética e cidadania: Construindo valores 
na escola e na sociedade. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.
BURNS, Tom. Política interna e patologia da organização. Rev. adm. empres.,  São Paulo ,  v. 4, n. 
11, p. 167-198,  junho 1964.   Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttex-
t&pid=S0034-75901964000200006&lng=en&nrm=iso>. Acesso em:  18  jul.  2016.
CHERMAN, Andréa; TOMEI, Patrícia Amélia. Códigos de ética corporativa e a tomada de decisão 
ética: instrumentos de gestão e orientação de valores organizacionais? Rev. adm. contemp.,  Curi-
tiba ,  v. 9, n. 3, p. 99-120, setembro 2005.   Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?scrip-
t=sci_arttext&pid=S1415-65552005000300006&lng=en&nrm=iso>. Acesso em:  18  jul.  2016.
CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Código de Ética da Magistratura. DJ, Brasília, 18 set. 
2008, p. 1-2. Disponível em: <http://www.cnj.jus.br/publicacoes/codigo-de-etica-da-magistra-
tura > Acesso em: 01 ago. 2016. 
JUTTEL, Luiz Paulo; MEZZACAPPA, Marina. Justiça com as próprias mãos. ComCiência,  Campi-
nas,  n. 98,   2008.   Disponível em: <http://comciencia.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pi-
d=S1519-76542008000100005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em:  18  jul.  2016.
LYRA, Mariana Galvão; GOMES, Ricardo Corrêa; JACOVINE, Laércio Antônio Gonçalves. O papel 
dos stakeholders na sustentabilidade da empresa: contribuições para construção de um modelo 
de análise.  Rev. adm. contemp.,  Curitiba,  v. 13,  n. spe,  p. 39-52,  junho 2009.   Disponível em: 
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552009000500004&lng=en&nr
m=iso>. Acesso em:  19  jul.  2016.  
RIBEIRO, Renato Janine. Ética e Direitos Humanos. Interface (Botucatu),  Botucatu ,  v. 7, n. 12, p. 
149-166,  fevereiro 2003.   Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pi-
d=S1414-32832003000100015&lng=en&nrm=iso>. Acesso em:  19  jul. 2016. 
ZYLBERSZTAJN, Decio. Organização Ética: um Ensaio sobre Comportamento e Estrutura das 
Organizações. RAC, v. 6, n. 2, maio/agosto 2002, p. 123-143. Disponível em: <http://www.scielo.br/
pdf/rac/v6n2/v6n2a08.pdf>. Acesso em: 18 jul. 2016.
Empresa, estado e sociedade civil
Rogério Dias Chaves
Introdução
Como ocorre em outros países, a sociedade brasileira consiste no que chamamos de socie-
dade organizada. Normalmente, esse modelo é segmentado em primeiro, segundo, e terceiro setor, 
que são fundamentais para manutenção dos requisitos econômicos, políticos, governamentais e 
sociais do Estado. Ao longo das próximas páginas, veremos a definição de cada um deles. 
Nesta aula, também serão abordados os conceitos básicos do que é Estado, empresa e 
sociedade civil, bem como a inter-relação existente entre estes três segmentos produtivos da 
sociedade, finalidades, parcerias, aspectos e características.
Objetivos de aprendizagem
Ao final desta aula, você será capaz de:
 • reconhecer o conceito de Estado, empresa e sociedade civil;
 • entender as relações entre Estado, empresa e sociedade civil.
Bons estudos!
1 Conceito de Estado
Podemos definir Estado como uma organização estrutural política e econômica dentro de 
uma área territorial estabelecida, com população permanente e governo constituído, reconhecido 
por organismos internacionais, por outros países e que tenha soberania sobre seu território. O 
Estado deve ser constituído por três poderes independentes: Poder Executivo, Poder Judiciário e 
Poder Legislativo.
FIQUE ATENTO!
Nossa sociedade está organizada juridicamente em três setores, conforme o esta-
belecido na Constituição Federativa do Brasil: o primeiro setor; o segundo setor; e 
o terceiro setor. 
Saiba que o primeiro setor corresponde a empresas, instituições e organizações públicas, ou 
seja, do governo. O segundo setor, por sua vez, diz respeito a empresas privadas dos segmentos de 
comércio, indústria e serviços, ao passo que o terceiro setor compreende as iniciativas no âmbito 
social, como ONGs (Organizações Não-Governamentais), fundações, instituições, cooperativas e 
empresas que não têm finalidade lucrativa, e cujo objetivo é promover o bem-estar da coletividade.
Figura 1- Exemplo de estrutura empresarial. 
Fonte: Nataliya Hora/Shutterstock.com
Segundo Clemente (2000), mesmo que o governo não seja constituído de forma democrática, 
ou seja, com eleição direta pela população para os cargos eletivos em todas as esferas (munici-
pais, estaduais e federal), ele deve ser considerado Estado, pois os organismos internacionais o 
reconhecem baseados nos itens listados abaixo.
 • Território delimitado com fronteiras estabelecidas. 
 • População permanente (ou seja, a população não é volátil ou nômade etc.).
 • Soberania sobre seu próprio território, ou seja, seu espaço aéreo, terrestre e aquático 
não pode ser invadido e suas leis internas devem ser respeitadas.
EXEMPLO
O Brasil é um Estado reconhecido pela ONU (Organização das Nações Unidas), que 
é uma organização internacional da sociedade civil. Nosso país possui população 
estabelecida, tem fronteiras delimitadas com outros países, soberania em seus 
atos internos e governo definido.
Figura 2 - Estrutura do Estado - Congresso Nacional.
Fonte: Rosalba Matta Machado/Shutterstock.com 
FIQUE ATENTO!
O Brasil é uma República Federativa cuja divisão se dá em 26 estados, mais o Dis-
trito Federal e os municípios, todos com Poderes Legislativo, Judiciário e Executivo. 
Entretanto, todos respondem ao poder central, que é o Governo Federal, por meio de 
seus três poderes, que são os líderes nas decisões de caráter nacional. Nosso país, 
pelo caráter de suas eleições para todos as esferas de