A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
RESPOSTAS - patologia bucal

Pré-visualização | Página 1 de 1

RESPOSTAS – Perguntas disparadoras 
Patologia Bucal 
01. A) A doença periodontal é uma doença infecto-inflamatória:
- Reação inflamatória: impedir e dificultar a invasão microbiana
- Imunológica: resposta do hospedeiro pode causar aumento da destruição tecidual.
1 – Lesão gengival inicial: 24h de acúmulo de placa e dilatação de vasos do plexo dentogengival.
2 – Lesão gengival precoce: 7-14 dias de acúmulo, aumento de tamanho e volume dos vasos do plexo, células predominantes são neutrófilos e linfócitos. Clinicamente: gengivite de fase aguda – aumento do eritema e fácil sangramento à sondagem.
3 – Lesão gengival estabelecida: 14-21 dias de acúmulo, aumento da vasodilatação, fluido crevicular e linfócitos. As células predominantes são plasmócitos e linfócitos. Clinicamente compatível com as lesões de gengivite crônica. 
4 – Lesão gengival avançada: Após 21 dias ou tempo indeterminado de acúmulo, aprofundamento da bolsa e do biofilme em direção apical, aumento do infiltrado e destruição de inserção de tecido conjuntivo e osso alveolar, além do avanço da bolsa e da destruição lateral e apical. Células predominantes: plasmócitos. Clinicamente: periodontite – perda irreversível de estruturas de suporte.
B) Gengivite: fase AGUDA, eritematosa, sangramento à sondagem, inchaço (formação de bolsas) e não afeta as estruturas de suporte do dente.
Periodontite: fase CRÔNICA, atinge os tecidos mais profundos e afeta as estruturas de suporte do dente, avanço da bolsa, diminuição de inserção, retração.
Granuloma piogênico: crescimento nodular da cavidade oral; crescimento lento ou rápido; indolor; presente na gengiva, língua, mucosa jugal ou língua.
Lesão periférica de células gigantes: Crescimento nodular; ocorre em gengiva e rebordo alveolar; cor – vermelho ao vermelho-azulado; séssil ou pediculada; superfície ulcerada ou não; crescimento – 2cm.
Fibroma ossificante periférico: crescimento gengival; coloração rosada ou avermelhada; séssil ou pediculada; ocorre apenas em gengiva; superfície ulcerada ou não; é mais calcificada. 
02) As lesões periapicais possuem a etiopatogênese oriunda, na maioria dos casos, de uma cárie dentária que se desenvolveu para um pulpite, assim como também pode ocorrer por estímulos traumáticos ou químicos.
- Granuloma periapical: CLÍNICO - fase aguda – dor pulsátil não localizada sem alterações radiológicas. Fase crônica – sintomas associados regridem, pois o granuloma periapical é assintomático, mas pode ocorrer episódio de dor ou sensibilidade caso reagudize. 
HISTOPATOLÓGICO – tecido de granulação circundado por cápsula fibrosa; contendo células inflamatórias crônicas (infiltrado histiolinfoplasmocitário). Pode conter corpúsculo se Russel, cristais de colesterol e vasos sanguíneos ectásicos. 
- Cisto periapical: CLÍNICO - Em geral assintomáticos, a menos que ocorra a agudização; seu crescimento pode ocorrer com mobilidade e deslocamento; quando em grande dimensão apresenta tumefação e leve sensibilidade. HISTOPATOLÓGICO – revestido por epitélio escamoso estratificado, podendo apresentar exocitose, espongiose ou hiperplasia; revestimento epitelial pode apresentar calcificações lineares ou em forma de arco (corpúsculos de Rushton).
Lúmen: restos celulares, áreas necróticas ou degeneração vacuolar.
Componentes: cristais de colesterol, células gigantes multinucleadas, hemácias.
Cápsula: tecido conjuntivo fibroso denso, com infiltrado histiolinfoplasmocitário.
- Abcesso periapical: CLÍNICO – podem ser assintomáticos ou sintomáticos (quando o material purulento se acumula no interior do alvéolo).
 Estágios iniciais: sensibilidade, aliviada com aplicação de pressão;
Progressão: dor mais intensa, extrema sensibilidade à percussão, extrusão do dente e tumefação de tecidos moles. Paciente pode relatar cefaleia, mal estar, febre e calafrios. 
HISTOPATOLÓGICO – aglomerados de polimorfonucleares permeados por exsudato inflamatório contendo restos celulares, material necrótico e histiócitos.