A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Período Fetal

Pré-visualização | Página 1 de 3

MARÍLIA ARAÚJO – P1 MEDICINA 
 
 
Período fetal 
 
 
• Chama-se de feto, não mais de embrião. 
Parece mais humano, no início da 4 a 8 
semana, mais próximo a 4 semana ele tinha 
mais característica de ser humano do que 
antes, onde era só cavidade amniótica, disco 
embrionário e cavidade vitelínica. De 4 a 8 
semana já teve o dobramento. Outra 
característica que o faz ser chamado de feto é 
que todos os sistemas já surgiram da 4 a 8 
semana, agora é um período de maturação e 
amadurecimento, mas os órgãos que 
precisavam surgir todos surgiram na 4 a 8 
semana. Ele já tem tudo na 9 semana, só 
precisa amadurecer. 
• Nesse período fetal tem um crescimento fetal 
muito rápido, então no final da 8 semana o 
embrião estava com 2, 4 cm, visível, mas muito 
pequeno, e a partir de agora ele cresce 
rapidamente, dobra e triplica. Há períodos que 
ele cresce rápido outros que ele vai adquirir 
peso e em outros que ele nem cresce e nem 
ganha peso. Para amadurecer todos os 
órgãos demanda de muita energia, então 
tem alguns momentos que ele acumula 
energia para gastar no período seguinte. 
 
Características do feto 
• Cada vez mais humano; 
• Crescimento corporal rápido; 
• Maturação de órgãos e sistemas; 
• Ganho de peso; 
• Ajuste de proporções (corpo cresce mais 
rápido que a cabeça e vai equilibrando) até a 
cabeça representar 1\4. 
 
• É possível estimar a idade fetal, a partir de 
informações dadas pela gestante: último 
período da menstruação ou suspeita da data 
da fecundação, mas nem sempre a mulher 
lembra. Algumas mulheres confundem o 
sangramento da implantação com a última 
menstruação. Porém o ginecologista-obstetra 
dispõe de alguns exames que facilitam o 
cálculo, no primeiro trimestre sempre 
baseado por exames de imagem, 
ultrassonografia faz medições e em cima 
disso faz o cálculo para ter uma estimativa da 
data, não tem como afirmar certeiramente a 
idade fetal, essa estimativa pode está um 
pouco pra menos ou pra mais. No primeiro 
trimestre é comprimento do topo da cabeça até 
as nádegas – porção final da coluna, medida 
se chama de CCN (Comprimento cabeça 
nádegas) e essa medida é bastante usada no 
primeiro trimestre, no segundo e terceiro 
trimestres são outras medidas para o cálculo 
que seja mais fidedigno ao período. Medida da 
cabeça – de um parietal para outro, 
circunferências da cabeça, do abdômen, 
medida do comprimento do fêmur e do pé. 
• É importante saber se o médico está 
calculando a idade fetal a partir do último ciclo 
menstrual ou a partir da provável data de 
fecundação, uma vez que são duas semanas 
a mais ou a menos, o que pode fazer toda a 
diferença, especialmente, para a estimativa da 
data do parto. Outro ponto importante é 
quando a datação é feita baseada em meses. 
Por isso, para que não haja confusão no 
entendimento, é ideal especificar se a 
contagem é referente aos meses do calendário 
ou aos meses lunares, já que esse último tem 
semanas exatas (1 mês = 4 semanas = 
7dias/semana). Assim, conforme a contagem, 
cerca de 1 a 2 semanas podem ser acrescidas 
ou diminuídas da idade fetal. 
• A tabela abaixo mostra uma estimativa do 
tempo de gestação com essas informações. 
Isto é, trata-se uma comparação ilustrativa das 
distinções existentes caso o médico esteja 
calculando a idade fetal segundo a data pós 
fecundação ou após o último período 
menstrual normal. Por meio dessa tabela foi 
estimulada a data do parto, com a 
especificação tanto do ponto de referência 
para início da contagem - fecundação ou 
último período menstrual normal -, quanto do 
parâmetro utilizado – meses do calendário ou 
lunares. É importante fazer a leitura da tabela 
para observar como muda o cálculo da idade 
conforme o tipo de referência estabelecida. 
 
 
DIVISÃO DOS TRIMESTRES 
 
MARÍLIA ARAÚJO – P1 MEDICINA 
 
• O primeiro trimestre é caracterizado pela 
formação dos sistemas e até a oitava 
semana (mais ou menos dois meses) todos 
os sistemas já estarão formados. 
• O segundo trimestre é caracterizado pelo 
crescimento do feto em tamanho. 
• O terceiro trimestre é caracterizado pelo 
ganho de peso do feto. 
• O primeiro trimestre é o mais perigoso, pois 
nesse trimestre está ocorrendo a formação 
do embrião, de todos os seus sistemas e ele 
está mais susceptível aos teratógenos. Isso 
não significa dizer que depois da 
embriogênese (1ª a 8ª semana) ele estará 
imune aos problemas de desenvolvimento. 
Pode ser que esse fator que a mãe esteja se 
expondo prejudique o crescimento do feto e 
se ele não estiver no peso ideal será um fator 
de risco para a não sobrevida da criança. 
Pode prejudicar a funcionalidade do órgão. O 
álcool, no período fetal em que o coração já 
está formado, pode prejudicar a sua 
funcionalidade, assim como de qualquer 
órgão que já esteja formado. 
• A parte química, física, emocional também 
podem acarretar prejuízos ao feto. Não existe 
uma relação perfeita em que se expor a 
determinado agente poderá ocasionar dano 
ao feto. Existem muitos fatores envolvidos 
para que a exposição acarrete um prejuízo 
no desenvolvimento. É multifatorial. Se 
algum eixo desses estiver perturbado poderá 
favorecer para que uma mal formação 
ocorra. 
• Uma característica interessante no terceiro 
trimestre é que a partir da metade do 6º mês 
inicio do 7º mês esse bebê já pode 
sobreviver. 
• Existe o bebê imaturo, ou seja, ele ainda não 
está amadurecido e causa principal para isso 
é o pulmão que não está maduro, não está 
preparado para respirar. Portanto, enquanto 
o pulmão ainda não estiver pronto ele será 
chamado de bebê imaturo. Ele pode até 
sobreviver se nascer antes dos 6 meses, mas 
é difícil. Ele necessitará de todo um aparato 
de suporte ventilatório artificial para 
conseguir sobreviver. 
• Existe o bebê prematuro, ou seja, ele está 
com o pulmão pronto para respirar, porém 
nasceu antes de completar o 9º mês. 
 
Na tabela, encontramos uma associação entre o 
peso, a idade e o comprimento fetal: 
 
 
 
• No primeiro momento (9-24ª semana), o 
crescimento é mais rápido e expressivo. 
• Com relação ao peso, observamos que 
durante os 2 meses e meio finais o seu ganho 
é mais expressivo. 
• Quando nos referimos a um feto imaturo (antes 
do 6º mês), o órgão de destaque é o pulmão, 
o qual não está completamente maturado. 
• A prematuridade vem após esse período e, 
como o pulmão já produz o surfactante 
alveolar (estando mais apto a fazer as trocas 
gasosas), há uma maior chance de 
sobrevivência. 
• Podemos afirmar, ainda, que a faixa de peso 
de 2.5kg é o marco do baixo peso ao 
nascimento (quando tratamos de um feto 
nascido com 35 semanas). Devemos levar em 
conta que, independentemente da idade fetal, 
nascer com o peso abaixo de 2.5kg é um fator 
que pesa negativamente (por mais que o feto 
possua a idade correta e seus órgãos já 
estejam desenvolvidos). Outro marco 
relacionado ao peso é o de 500g, o que é 
associado à imaturidade e dificulta bastante a 
sobrevivência (o que pode ser revertido com 
cuidados adequados). 
• Devemos tentar entender a lógica do 
desenvolvimento dessa criança, como, por 
exemplo, a questão do desenvolvimento dos 
membros superiores ser mais rápido do que o 
dos membros inferiores. Um outro ponto que 
merece destaque é a diminuição proporcional 
da cabeça em relação ao corpo. Ou seja, o feto 
cresce mais no corpo e a proporção entre ele 
e a cabeça acaba sendo reduzida. 
• Durante o período da 9ª à 12ª semana, uma 
das mudanças marcantes será o início dessa 
diminuição proporcional. Entretanto, as 
proporções exatas entre a cabeça e o corpo só 
serão atingidas próximo ao final do período 
gestacional. 
MARÍLIA ARAÚJO – P1 MEDICINA 
 
• No final da 12ª semana já tem uma redução 
expressiva da cabeça e esta se apresenta 
também muito larga, o que dá a impressão que 
os olhos são separados, nariz bem alargado, 
as pálpebras ainda estão fundidas, pois só irá 
abrir mais pra frente do período gestacional. 
As orelhas também se apresentam baixas em 
que ela só irá assumir