A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
kit de materiais pedagógicos

Pré-visualização | Página 1 de 1

KIT DE MATERIAIS PEDAGÓGICOS
Com relação ao acesso de professores do PROEDUSE, instrutores de cursos diversos e outros servidores que acessam a área de segurança do Centro de Socioeducação (CENSE) portando objetos dos mais diversos tipos e para as mais diversas finalidades, cabe ressaltar que de acordo com o que cita:
“Seção – II
Dos cuidados com os materiais de uso diário nas unidades de internação e internação provisória:
ART. 191 – O material pedagógico de uso diário nas oficinas e salas de aula deve ser diariamente conferido, adotando-se os seguintes procedimentos:
I – O instrutor e ou professor prepara uma lista com o tipo e quantidade do material que está levando para a oficina ou sala de aula.
II – Ao final da atividade o instrutor e ou professor realiza nova conferência dos materiais antes de guardá-los.
III – Constatada a ausência de um ou mais itens da lista, o fato será imediatamente notificado ao AGENTE DE SEGURANÇA SOCIOEDUCATIVO coordenador de equipe.
IV – No caso do inciso anterior, o professor, o instrutor ou a pessoa que tenha feito uso do material na área de segurança, deverá deixar a unidade de atendimento socioeducativo somente após ter sido elucidada e resolvida a questão.”
No capítulo quatro (IV) dos CADERNOS DE SOCIOEDUCAÇÃO: ROTINAS DE SEGURANÇA:
“As normas de segurança e a atuação dos professores do PROEDUSE consta de forma ampla de como no decorrer dos anos aconteceu a implantação do ensino nas unidades de socioeducação e a seleção dos profissionais que passaram a atuar dentro das unidades.
Ao que tange às questões de segurança orientava-se que “o professor deverá estar em sala de aula dez minutos antes do horário inicial das aulas, para recebimento do KIT ESCOLAR e organização dos materiais necessários para as aulas do período”. No ato o AGENTE DE SEGURANÇA SOCIOEDUCATIVO registra a quantidade de cada material que o professor irá utilizar, sempre proporcional ao número de adolescentes em atividade.
Orientou-se ainda que fosse organizado um CHECKLIST para os materiais que adentravam a sala de aula, estabelecendo que materiais como tesoura, régua, compasso, apontadores, estiletes devem ser usados com cautela, com o consentimento da equipe de segurança, que confere tais materiais na saída para o intervalo, no retorno e ao final da aula.”
O debate sobre as questões de segurança sempre foi uma preocupação de todos, porém, os processos avaliativos inseridos na resolução nunca foram colocados em prática.
Parecer
Consta tanto nos CADERNOS DE SOCIOEDUCAÇÃO: ROTINAS DE SEGURANÇA, quanto na RESOLUÇÃO Nº 44/2016 – GS/SEJU, que um KIT DE MATERIAIS deve ser criado por cada professor do PROEDUSE e ou Instrutor de cursos que adentrem a área de segurança das unidades Socioeducativas para facilitar a conferência e o controle dos materiais pelo setor responsável.
Constatação
Durante os mais de treze anos que atuo na função de Agente de Segurança Socioeducativo no CENSE de Laranjeiras do Sul, e em outras unidades do Estado das quais prestei apoio por curtos períodos de tempo, foi possível constatar que em nenhum desses centros havia controle ou conferência dos materiais que os professores e instrutores de cursos levam para a área de segurança e salas de aula.
Quanto aos instrutores que ministravam cursos, observei também que se realizava a conferência de forma satisfatória dos materiais que estes levavam para as salas dos cursos. Rotina repetida ao termino das atividades. Conferências essas que não eram as mais adequadas.
Ainda a respeito dos materiais que os professores levam para a área de segurança, cabe ressaltar que esse tema já foi alvo de inúmeras discussões no transcorrer dos anos, nunca chegando a um consenso para a resolução da problemática.
Sugestão
Proponho discussões entre os profissionais envolvidos (Direção, Professores, Equipe Pedagógica e Agentes de Segurança Socioeducativos), para que juntos encontrem a melhor solução para a implantação do KIT DE MATERIAIS, citado nos CADERNOS DE SOCIOEDUCAÇÃO: ROTINAS DE SEGURANÇA e na RESOLUÇÃO Nº 44/2016 - GS/SEJU, que de fato nunca foi criado ou posto em prática.
Com os KITS DE MATERIAIS criados, que serão usados em salas de aulas pelos professores e instrutores de cursos (quando houver), deverá ser designado um servidor para fazer a conferência dos materiais e a liberação dos professores para adentrarem a área de segurança.
O responsável pela conferência poderá ser um (a) Agente de Segurança Socioeducativo ou um (a) servidor (a) da equipe pedagógica.
Ao termino das aulas, após o aviso do Professor, o funcionário realizará novamente a conferência do KIT DE MATERIAIS. Se estiver tudo certo, o professor poderá ser liberado. No caso da falta de algum dos itens do KIT, deverá ser avisado o coordenador, com o professor permanecendo no local até que seja resolvida a questão.
Caso o professor necessite de algum material que não faz parte do KIT DE MATERIAIS de uso diário, este deverá informar com antecedência um (a) servidor (a) da equipe pedagógica sobre o item que pretende levar para a área de segurança. Em seguida, a mesma informará o servidor responsável pela conferência dos KITS.
Conclusão
Cabe ressaltar que em hipótese alguma se pretende interferir no processo pedagógico, mas sim garantir a segurança de todos os envolvidos, sejam eles professores, agentes de segurança socioeducativos ou outros funcionários, e principalmente os adolescentes. 
Tais medidas se fazem necessárias visto que, indiscutivelmente, as salas de aula são os locais mais vulneráveis e propensos a fatos indesejáveis. Como agressões entre adolescentes, motins ou rebeliões, pois são os locais onde acontecem as maiores aglomerações de adolescentes, somado ao fato de que o número de agentes de segurança socioeducativos nem sempre é o suficiente.
Exigindo, portanto, a especial atenção de todos para que tudo transcorra dentro da normalidade.