A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Desenvolvimento Embrionário até a 4ª Semana

Pré-visualização | Página 1 de 1

Lílian Brito – Mód. VII 2020
PROBLEMA 2- Fechamento
Desenvolvimento Embrionário até a 4ª Semana
· Primeira Semana do Desenvolvimento
· Processo de Fecundação
· Ocorre na primeira semana do desenvolvimento.
· Um zigoto, formado pela união entre um espermatozóide e um oócito, é uma célula totipotente altamente especializada. Ele contém cromossomos e genes derivados da mãe e do pai.
· O zigoto se divide diversas vezes e vai se transformando progressivamente em um ser humano multicelular por meio dos processos celulares tais como:
· Divisão
· Migração
· Crescimento
· Diferenciação
· O local habitual da fecundação é a ampola da tuba uterina.
· Clivagem do Zigoto
· A clivagem consiste em repetidas divisões mitóticas do zigoto, levando a um rápido aumento no número de células, agora chamadas de blastômeros.
· Durante a clivagem, o zigoto ainda é envolto pela zona pelúcida.
· Após o estágio de 8 células, os blastômeros mudam sua forma e se alinham firmemente uns contra os outros – compactação.
· Esse fenômeno pode ser mediado por glicoproteínas de adesão da surperfície celular.
· A compactação possibilita melhor interação célula-célula e é um pré-requisito para a segregação das células internas que formam a massa celular interna.
· Quando há de 12 a 32 blatômeros, o concepto é chamado de mórula.
· As células internas da mórula – o embrioblasto ou massa celular interna – são envolvidas por uma camada de blastômeros achatados que formam o trofoblasto.
· Uma proteína imunossupressora – o fator precoce da gravidez – é secretada pelas células trofoblásticas e pode ser detectada no soro materno dentro de 24 a 48 horas após a implantação.
· Esse fato precoce da gravidez forma a base do teste de gravidez aplicável durante os primeiros dias do desenvolvimento.
· Formação do Blastocisto
· Logo após a entrada da mórula no útero (aprox. 4 dias após a fecundação), o liquido uterino passa através da zona pelúcida para formar um espaço repleto de líquido – cavidade blastocística – no interior da mórula.
· Com o aumento do liquido na cavidade, os blastômeros são separados em duas partes:
· Trofoblasto = as células externas delgadas que dão origem à parte embrionária da placenta.
· Embrioblasto = um grupo pequeno de blastômeros que é o primórdio do embrião.
· Nesse estágio, o embrião é chamado de blastocisto.
· O embrioblasto agora se projeta para a cavidade blastocística e o trofoblasto forma a parede do blastocisto.
· Após o blastocisto flutuar no liquido uterino por aprox. 2 dias, a zona pelúcida degenera-se e desaparece.
· Enquanto flutua livremente na cavidade uterina, o blastocisto se nutre através das secreções das glândulas uterinas.
· Aprox. 6 dias após a fecundação, o blastocisto adere ao epitélio endometrial.
· Assim que ocorre a adesão ao epitélio, o trofoblasto começa a proliferar rapidamente e a se diferenciar em duas camadas:
· O citotrofoblasto, a camada interna de células.
· O sinciciotrofoblasto, a camada externa que consiste em uma massa protoplasmática multinucleada formada pela fusão das células. 
· Os processos digitiformes do sinciciotrofoblasto se estendem através do epitélio endometrial e invadem o tecido conjuntivo endometrial.
· Ao final da 1ª semana, o blastocisto esta su perficialmente implantado na camada compacta do endométrio e retira seus nutrientes do tecido materno erodido.
· O sinciciotrofoblasto altamente invasivo se expande rapidamente próximo ao embrioblasto – polo embrionário.
· O sinciciotrofoblasto produz enzimas proteolíticas que erodem os tecidos maternos, permitindo que o blastocisto se insira no endométrio, ocorrendo apoptose das células endometriais o que facilita a implantação.
· As células do tecido conjuntivo ao redor do local de implantação acumulam glicogênio e lipídios. Algumas dessas células – células deciduais – degeneram-se na região de penetração do sinciciotrofoblasto.
· O sinciciotrofoblasto engloba essas células em degeneração, gerando uma rica fonte de nutrição embrionária. 
· A implantação do blastocisto se completa durante a segunda semana do desenvolvimento. 
· O sinciciotrofoblasto produz um hormônio, gonadotrofina coriônica humana (hCG), que entra no sangue materno pelas lacunas no sinciciotrofoblasto.
· O hCG mantém o desenvolvimento das artérias espiraladas no miométrio e a formação do sinciciotrofoblasto.
· Segunda Semana do Desenvolvimento
· Formação da Cavidade Amniótica e do Disco Embrionário 
· A medida que a implantação progride, mudanças ocorrem no no embrioblasto resultando na formação de uma placa bilaminar de células, quase circular, e achatada – o disco embrionário – formado por duas camadas:
· Epiblasto: camada mais espessa, formada por células cilíndricas altas relacionadas com a cavidade amniótica.
· Hipoblasto: camada mais delgada, formada por células cúbicas e pequenas adjacentes à cavidade exocelômica (o primórdio da vesícula umbilical).
· Concomitanteamente, uma pequena cavidade aparece no embrioblasto, que é o primórdio da cavidade amniótica.
· Em pouco tempo, as células amniogênicas (formadoras do âmnio) chamadas de amnioblastos se separam do epiblasto e se organizam para formar uma membrana fina, o âmnio, que envolve a cavidade amniótica. 
· O epiblasto forma o assoalho da cavidade amniótica e é perifericamente contínuo ao âmnio. 
· O hipoblasto forma o teto da cavidade exocelômica e é contínuo com as células que migram do hipoblasto para formar a membrana exocelômica