A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
22 pág.
Cimentos de ionômero de Vidro - CIV

Pré-visualização | Página 6 de 8

ativada pela luz 
 
Tripla cura: 1) Reação de ácido 
base do civ 
2) Polimerização ativada pela luz 
3) Polimerização ativada 
quimicamente (redox) 
Além da formação de uma camada de troca de 
íons que já é fortemente aderida aos tecidos duros 
 formação de tags resinosas dentro dos 
túbulos dentinarios, permitidos pela 
presença de monômeros resinosos 
 a acidez desses monômeros causam a 
desmineralização do tecido dentário, sedo 
responsável pelas tags – sem camada 
hibrida 
Discussão do Uso de sistemas adesivos antes 
do CIVMR: 
 Tentativa de aumentar a resistência de união 
 através da formação da camada hibrida 
 Denominado: hibridização do ionômero de 
vidro 
 camada hibrida entre os sistemas adesivos e a 
estrutura dentaria 
 A aplicação convencional de um sistema 
adesivo impede a união química entre o 
ionômero de vidro e a estrutura dentinaria 
 Contraindicado e não promove melhores 
resultados 
Pré-tratamento: 
 Ácido poliacrilico 
 Primer fotoativado: fluido e forma uma 
membrana permeável que permite a 
passagem de íons flúor até a superfície 
dentária 
 possui copolímeros do ácido 
polialquenoico, que permite a interação 
química com o substrato dental 
 Melhora não é tão expressiva na dentina como 
no esmalte 
 atribuído ao maior teor de cálcio presente 
no esmalte 
 indicativo que esses materiais se aderem 
quimicamente ao cálcio 
LIBERAÇÃO DE FLÚOR 
Mesmo padrão dos convencionais, também com 
a possibilidade de sofrer o carregamento de flúor 
 Percentuais de liberação semelhantes aos 
convencionais 
Variações de quantidade liberada por diferentes 
marcas 
Quanto maior a parte resinosa, menos reação 
ácido-base ocorrera e menos liberação de flúor 
Após a aplicação do agente de proteção, ocorre 
redução da quantidade de flúor liberada, 
semelhante ao civ 
BIOCOMPATIBILIDADE 
Menos biocompativeis que os convencionais 
 presença de monômeros resinosos 
Contraindicado: Capeamento de polpas 
 Principalmente pela presença de monômeros 
não-reagidos que são liberados e tem efeito 
citotóxico sobre os tecidos pulpar e gengival 
 
 Citotoxicidade diretamente dependente da 
quantidade de monômero resinoso na 
composição do material e não do pH 
Após ativação, o pH desses materiais eleva (+/- 5 
e 9,8), não deve ser considerado fator agressor 
PROPRIEDADES ESTETICAS 
Apresenta melhores propriedades estéticas 
quando comparado com os ionômeros 
convencionais 
 devido os monômeros resinosos 
 comercialização em maior número de 
cores 
média e tamanho de partículas quase igual aos civ 
convencional 
 esse tamanho = CIVRM mais rugoso em 
comparação as resinas compostas e 
poliácido modificadas 
Descoloração acentuada desse material a 
curto e longo prazo: 
Problemas de aprisionamento de bolhas: pode 
acentuar a descoloração 
Pequenas discrepâncias de proporção pó\líquido 
dificulta a obtenção da mesma cor de uma 
restauração para outra 
 excesso de líquido na manipulação = 
monômeros residuais na restauração podem 
acelerar a descoloração de corpo do 
material, ao entrar em contato com água 
Pincelamento de agente protetor pode diminuir o 
percentual de descoloração ao longo do tempo 
Longa duração: 
Se comportam de forma semelhante ao CIV 
convencional 
textura superficial mais áspera e aspecto 
erosionado 
 percentuais de retenção bons como 
convencional 
Restaurações com Vitremer (CIVMR), após 5 
anos de função. 
textura de 
superfície áspera e 
combinação de cor 
inferior à das 
restaurações com 
a resina poliácido-
modificada Dyract 
 
PROPRIEDADES MECANICAS 
o aumento da resistência está relacionado a maior 
incorporação de matriz polimérica ao material 
(mais resistente) 
 ocorre após a polimerização e mantem ao 
longo do tempo 
Menos resistentes que a resina composta: união 
das partículas de pó com a matriz continua sendo 
fraca mecanicamente 
> propriedade mecânicas com o passar do tempo 
devido à reação ácido base tardia 
Propriedades mecânicas podem ser afetadas 
negativamente caso não haja proteção superficial 
após a polimerização 
 Após 7 dias, o material diminui sua 
sensibilidade às variações de umidade e 
atinge alta resistência 
ALTERAÇÕES DIMENSIONAIS E SORÇÃO DE 
ÁGUA 
inclusão de monômeros resinosos = maior 
concentração de polimerização desses materiais 
em relação aos CIV convencionais 
 Inclusão de monômeros resinosos hidrofílicos 
(HEMA) = alta sorção de água 
Sorção de água possibilita: 
 expansão do material que pode compensar a 
contração e diminuir as fendas entre o dente e 
a restauração 
 
 flexibilidade das ligações intermoleculares 
entre as complexas cadeias formadas entre o 
ácido poliacrilico e HEMA = acelera a 
degradação do material ao longo do tempo, de 
forma semelhante as resinas compostas e 
sistemas adesivos 
Cuidados para evitar a sinérese evitando materiais 
de maior magnitude: 
 material em condições de ressecamento = 
aumento das fendas marginais 
 ressecamento apenas inicial = 
possibilidade de reidratação e fechamento 
das fendas 
Quanto antes o contato água + material = maior 
sorção de água = menor dano a estrutura 
 atenção as propriedades mecânicas e 
estéticas que podem ser comprometidas 
pelo contato precoce = importância do uso 
de proteção superficial 
CUIDADOS DURANTE A MANIPULAÇÃO E 
INSERÇÃO NA CAVIDADE 
Cuidados precisos quanto a proporção, 
manipulação, inserção mesmas dos CIV 
convencionais 
1. Quando o material for utilizado como 
restaurador definitivo ou provisório: 
deve ser protegido com materiais fornecido pelo 
fabricante ou sistemas adesivos 
após a fotoativação, apenas a parte resinosa é 
polimerizada 
a reação ácido-base (formação da matriz de 
polissais) continua ocorrendo por um longo tempo 
(até 1 ano), 
 durante essa fase material sensível a 
sinérese 
proteção = aumento das propriedades mecânicas 
nos períodos iniciais (+/-7 dias) 
 aumento necessário para que o material 
suporte precocemente as tensões 
mastigatórias, e mantenha as suas 
características estéticas ao longo do tempo 
2. utilizado como base: 
Na técnica sanduiche ele já é naturalmente 
protegido pelo sistema adesivo que é empregado 
antes da inserção da resina composta 
Não necessita de condicionamento ácido de sua 
superfície para aumentar a retenção com as 
resinas compostas, pois existem monômeros não-
reagidos disponíveis para adesão química com a 
resina composta 
 condicionamento realizado: erosão 
superficial da matriz sem danos a estrutura 
do material 
Nessa imagem temos uma restauração de uma 
cavidade de classe I . após a abertura oclusal (A) a 
carie foi removida com curetas (B) note em C o fundo 
da cavidade com dentina escurecida . D o ionomero de 
vidro vitrebon com a seringa e , em E, esta Apresentada 
a base concluída após a fotopolimerização. logo a 
seguir (F) foi realizado o condicionamento ácido e a 
restauração foi concluída (G e H) 
Como a adesão inicial dos ionomeros modificados 
ao substratos dentais é maior que a dos seus 
antecessores , a contração de polimerização da 
resina composta que está aderida firmemente aos 
ionomeros modificados deslocamento desses 
materiais das paredes cavitárias , preservando o 
selamento da interface restaurada 
Acabamento e polimento: 
 Postergados em pelo menos 1 dia 
Possibilitando a polimerização e geleificação 
do material 
 lâminas de bisturi instrumentos manuais 
cortantes devem ser a primeira opção 
 realizar acabamento mais grosseiro , quando 
necessario, uso de brocas carbide laminadas 
devem ser preferidas , seguidas de sistemas 
de polimento associados a refrigeração com 
água 
EXISTEM DIFERENÇAS ENTRE IONOMEROS 
MODIFICADOS POR RESINA PARA 
RESTAURAÇÃO E BASE? 
Quando comparados com os materiais 
restauradores, os ionômeros de vidro para base 
possuem maior quantidade de líquido disponível 
para o perfeito molhamento do dente 
 resulta na menor resistência mecânica 
a menor resistência