A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
457 pág.
Novo CPC (atualiz 09 de abril)

Pré-visualização | Página 1 de 50

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - NCPC
MATERIAL COM QUESTÕES DE CONCURSO e ALGUMAS REFERÊNCIAS À SÚMULAS E JULGADOS DOS TRIBUNAIS SUPERIORES
Material confeccionado por Eduardo B. S. Teixeira.
	Última atualização legislativa: 02/04/2021 - Lei 14010/20 (vide arts. 528, §3º e 611); Lei nº 14.133/21.
Última atualização jurisprudencial: 22/02/21 - Inclusão de julgados: Info 660 (art. 396); Info 661 (art. 982); Info 661 (art. 1.015, VI); Info 676 (art. 495)
Última atualização de Enunciados (FPPC, ENFAM, JDPC, etc.) e Súmulas: (quadros amarelos) – Até art. 15; arts. 102 a 275 (em construção)
Última atualização questões de concurso: 09/04/2021.
Observações quanto à compreensão do material:
1) Cores utilizadas:
· EM VERDE: destaque aos títulos, capítulos, bem como outras informações relevantes, verbos, etc.
· EM ROXO: artigos que já foram cobrados em provas de concurso.
· EM AZUL: Parte importante do dispositivo (ex.: questão cobrou exatamente a informação, especialmente quando a afirmação da questão dizia respeito à situação contrária ao que dispõe no NCPC).
· EM AMARELO: destaques importantes (ex.: critério pessoal)
2) Siglas utilizadas:
· MP (concursos do Ministério Público); TJPR (concursos da Magistratura); BL (base legal, etc).
3) Obs. nº 01: Questões pendentes no site Qconcursos sobre o NCPC: i) 2016 (fiz todas!); ii) 2017 (12 questões); iii) 2018 (527 questões); iv) 2019 (444 questões); v) 2020 (19 questões) vi) 2021 (06 questões)
4) Obs. nº 02: Total de questões realizadas no Qconcursos sobre CPC/2015: 3.928 questões.
5) Obs. nº 03: Alguns artigos estão apenas marcados sem referência a determinado concurso em virtude de sua incidência em bancas desconhecidas ou para evitar o excesso de repetição da mesma informação no material.
LEI Nº 13.105, DE 16 DE MARÇO DE 2015.
	
	Código de Processo Civil.
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
PARTE GERAL
LIVRO I
DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS
TÍTULO ÚNICO
DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS
CAPÍTULO I
DAS NORMAS FUNDAMENTAIS DO PROCESSO CIVIL
Art. 1o O processo civil será ordenado, disciplinado e interpretado conforme os valores e as normas fundamentais estabelecidos na Constituição da República Federativa do Brasil, observando-se as disposições deste Código. (MPPR-2016) (DPU-2017) (Cartórios/TJMG-2017)
	FPPC nº 369. (arts. 1º a 12) O rol de normas fundamentais previsto no Capítulo I do Título Único do Livro I da Parte Geral do CPC não é exaustivo. (DPU-2017)
FPPC nº 370. (arts. 1º a 12) Norma processual fundamental pode ser regra ou princípio.
Art. 2o O processo começa por iniciativa da parte e se desenvolve por impulso oficial, salvo as exceções previstas em lei. (TJPA-2019) (PGM-Cerquilho/SP-2019)
	(Cartórios/TJMG-2019-Consulplan): A instauração do processo depende de provocação das partes e seu desenvolvimento se dá por impulso oficial, salvo as exceções previstas em lei. BL: art. 2º, NCPC
(TCEPE-2017-CESPE): Dado o princípio da demanda, o juiz não pode agir sem ser provocado pelo interessado, salvo no caso das exceções previstas em lei. BL: art. 2º, NCPC.
##Atenção: Princípio dispositivo (inércia da jurisdição; da demanda; da ação) / Princípio do impulso oficial.
(PGM-Mogi das Cruzes/SP-2016-VUNESP): O princípio da demanda e impulso oficial tem relação com a imparcialidade do juiz.
##Atenção: Quanto ao art. 2º do NCPC, denominada de ´princípio dispositivo (ou princípio da demanda), explica a doutrina: "O artigo trata do princípio dispositivo - também denominado de princípio da inércia ou da demanda. O processo não pode ser iniciado de ofício pelo juiz (ne procedat iudex ex officio). Cabe às partes, com exclusividade, a iniciativa para movimentar a máquina judiciária e delimitar o objeto do litígio. (...) Pois bem, constitui direito fundamental do cidadão postular em juízo. Como contrapartida, tem-se o dever do Estado de só prestar jurisdição quando solicitado; esta previsão, aliás, é corolário da impossibilidade de fazer justiça com as próprias mãos. Assim, a partir do momento em que o cidadão socorre-se do Judiciário, compete ao Estado colocar em marcha o processo. O princípio dispositivo é importante para assegurar a imparcialidade do juiz. Se ele pudesse iniciar a ação de ofício, teria que fazer um juízo de valor sobre o caso concreto, tornando-se praticamente coautor desta ação. Situação tal vulneraria o próprio princípio da igualdade, também expressamente previsto no novo Código..." (CARNEIRO, Paulo Cezar Pinheiro. In: WAMBIER, Teresa Arruda Alvim; e outros. Breves comentários ao novo Código de Processo Civil. 2 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016, p. 71/72).
Art. 3o Não se excluirá da apreciação jurisdicional ameaça ou lesão a direito. (MPPR-2016) (TCEPE-2017) (TRF2-2018) (TJPA-2019) (TJAL-2019) (TJMS-2020)
	(DPEAP-2018-FCC): “Não se excluirá da apreciação jurisdicional ameaça ou lesão a direito”. Esse é o princípio da inafastabilidade ou obrigatoriedade da jurisdição e é, a um só tempo, princípio constitucional e infraconstitucional do processo civil. BL: art. 5º, XXXV da CF/88 e art. 3º, NCPC.
##Atenção: ##TJPA-2019: ##CESPE: ##TJAL-2019: ##TJMS-2020: ##FCC: O princípio da inafastabilidade da jurisdição está previsto no art. 5º, XXXV, da CF/88 e no art. 3º do NCPC. A compreensão de tal princípio parte da ideia de que a lei não excluirá da apreciação jurisdicional ameaça ou lesão a direito, sendo certo que a exigência de exaurimento da via administrativa como condição de ingresso ao Judiciário violará este princípio, mas tal regra não é absoluta, havendo exceções previstas no próprio texto constitucional, como, por exemplo, no que se refere à Justiça Desportiva, nos termos do §1º do art. 217, §1º da CF.[footnoteRef:1] [1: Art. 217. (...) § 1º O Poder Judiciário só admitirá ações relativas à disciplina e às competições desportivas após esgotarem-se as instâncias da justiça desportiva, regulada em lei.] 
##Atenção: ##TJAL-2019: ##TJMS-2020: ##FCC: Por outro lado, pelo princípio da indelegabilidade significa dizer que a jurisdição não pode ser delegada/atribuída a outro Poder (aspecto externo) ou a outro órgão jurisdicional (aspecto interno). Tal princípio decorre do princípio da indeclinabilidade, segundo o qual o órgão jurisdicional, uma vez provocado, não pode recusar-se, tampouco delegar a função de dirimir os litígios, mesmo se houver lacunas na lei, caso em que poderá o juiz valer-se de outras fontes do direito, como a analogia, os costumes e os princípios gerais, nos termos do art. 4º da LINDB. Portanto, não poderá o juiz delegar sua jurisdição a outro órgão, pois, se assim o fizesse, violaria, pela via oblíqua, o princípio da inafastabilidade e a garantia constitucionalmente assegurada do juiz natural.
##Atenção: Vide art. 5º, XXXV da CF/88: “A lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito”. Tal princípio também passou a ser positivado no CPC/15, em seu art. 3º. Entretanto, quando o CPC/15 coloca antes “ameaça”, ao contrário do que consta na CF/88, é em razão do tema da “tutela provisória”.
§ 1o É permitida a arbitragem, na forma da lei. (PGESE-2017) (TCEPE-2017)
	Súmula 485-STJ: A Lei de Arbitragem aplica-se aos contratos que contenham cláusula arbitral, ainda que celebrados antes da sua edição.
	(MPGO-2019): O novo CPC trouxe medidas alternativas de resolução de conflitos, proporcionando ao ordenamento jurídico uma maior efetividade das normas constitucionais, em especial ao princípio da razoável duração do processo, determinando, expressamente, no seu art. 3° e respectivos parágrafos, que o Estado promoverá, sempre que possível, a solução consensual dos conflitos, por meio da conciliação, da mediação e de outros métodos, os quais deverão ser estimulados por juízes, advogados, defensores públicos e membros do Ministério Público, inclusive no curso do processo judicial. Acerca desta temática, assinale a alternativa correta: Tem-se a partir desse novo modelo de solução consensual de conflitos