A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
AULA - MEDIADORES DA INFLAMAÇÃO

Pré-visualização | Página 1 de 3

INTRODUÇÃO 
⎯ Já estudamos como funcionam as alterações 
vasculares e eventos celulares da inflamação 
aguda, além do padrão morfológico que elas 
podem se manifestar em nosso organismo. 
⎯ Por fim, resta entendermos quais sãos os 
principais mediadores químicos, moléculas 
responsáveis por esses processos 
inflamatórios. 
DEFINIÇÃO: 
 Os mediadores são produzidos tanto no local da 
inflamação pelas células defensoras ou por 
proteínas plasmáticas lançadas na corrente 
sanguínea (Ou seja: ficam circulando). 
 Esses mediadores circulantes geralmente são 
inativos → e são ativados no local da inflamação. 
 Uma vez ativados → essas substâncias atuam 
por um curto espaço de tempo, diante a sua 
pequena meia-vida → podendo ativar a 
estimulação de outro mediador. 
 EM SUMA: os mediadores inflamatórios atuam a 
fim de induzir efeitos inflamatórios por meio de 
suas ligações a receptores específicos. 
PRINCIPAIS MEDIADORES QUÍMICOS 
 
 
 
 
 
 
 
 Dentre os tipos de mediadores químicos, temos 
2 GRUPOS: 
✓ DERIVADOS DE CÉLULAS: Subdividindo em → 
▪ Mediadores Pré-formados em grânulos 
secretores (como histamina e serotonina). 
▪ Mediadores recém-sintetizados, ou seja, são 
sintetizados imediatamente após uma 
necessidade (como as prostaglandinas 
patológicas, leucotrienos, fator ativador de 
 
 
 
 
 
plaqueta, espécies reativas do oxigênio, óxido 
nítrico, citocinas e neuropeptídeos). 
✓ DERIVADOS DE PROTEÍNAS PLASMÁTICAS, são os 
que circulam de forma inativa na corrente 
sanguínea e quando há necessidade eles são 
ativados por reações químicas. São eles: 
▪ Sistema complemento; 
▪ Sistema da coagulação; 
▪ Sistema das cininas (ambos ativados pelo 
fator XII da coagulação); 
AÇÃO DOS MEDIADORES 
o A maioria dos mediadores induz seus efeitos 
através da ligação a receptores específicos nas 
células-alvo. Ex: A Histamina, é vasodilatadora 
nos vasos, enquanto nos brônquios ela faz 
bronquiconstrição → visto que existem 
receptores diferentes reagindo de forma 
distinta a um mesmo mensageiro. 
o A ação da maioria dos mediadores é 
estreitamente regulada e de curta duração. 
Ex: os anti-inflamatórios usado na clínica 
médica são inibitórios dos mediadores 
inflamatórios. 
o Ex1: por que ao tomar um dorflex, demora cerca 
de 1 hora p/ fazer efeito? Pois o mediador 
inflamatório já foi liberado → gerando a dor, e 
o fármaco só vai inibir a liberação de novos 
mensageiros. 
o Ex2: A Dipirona, passa mais rápido a dor, por 
quê? Pois ela não atua só inibindo os 
mediadores inflamatórios → ela também 
deprime o nociceptor. Logo: mesmo com a 
presença do mediador já produzido → a 
dipirona consegue atuar na ação de inibição da 
nocicepção da dor. 
APROFUNDANDO: 
MEDIADORES DERIVADOS DE CÉLULAS 
 As aminas vasoativas, que são derivadas de 
células → são armazenadas como moléculas pré-
formadas nas células em forma de grânulos. 
 
SÃO EM NÚMERO DE DUAS PRINCIPAIS: 
HISTAMINA: 
Patologia 
• É liberada a partir da degranulação de 
mastócitos em resposta a uma variedade de 
estímulos, como lesão física {trauma ou calor}. 
DENISE GUERRA 
• Ela causa vasodilatação (objetivo: para chegar 
mais sangue e consequentemente mais células 
de defesa, a fim de conseguir combater o 
agente agressor), além disso, aumenta a 
permeabilidade vascular (objetivo: favorecer a 
diapedese). 
• A Histamina está muito relacionado a resposta 
inflamatória e mais ainda a situações alérgicas, 
ou seja: respostas de hipersensibilidade. 
• Nessa situação alérgica, há o envolvimento da 
imunoglobulina IgE → que é a principal das 
hipersensibilidades. 
• Além disso, outros mediadores podem induzir a 
liberação de histamina, como: 
✓ Os fragmentos do sistema complemento {C3a e 
C5a – que são substâncias anafilotoxinas}. 
✓ A histamina pode ser liberada também 
mediante proteínas derivas dos leucócitos, ou 
seja: a presença do leucócito no tecido faz com 
que ocorra síntese de algumas proteínas que 
vão sinalizar a necessidade da chegada de 
mais histamina → p/ fazer o efeito de 
vasodilatação e aumento da permeabilidade. 
✓ Outra substância indutora de histamina é o 
neuropeptídeo P → importante principalmente 
na modulação da dor. 
✓ E por fim, certas citocinas {como, IL-1 e IL-8}, 
que também induz sua liberação. 
E QUAIS SEUS EFEITOS NO CORPO? 
Como já foi mencionado → o mediador pode ter 
efeitos diferentes de acordo com o local que ele 
está se ligando. Por ex: na mucosa gástrica, a 
histamina faz aumento da secreção gástrica, ou 
seja o suco gástrico é estimulado. No vaso 
sanguíneo → a histamina faz vasodilatação, No 
brônquio ela faz bronquiconstrição. E na pele gera 
urticária (coceira). 
OBS: Medicamento antialérgicos são inibidores da 
histamina. 
 
 
 
 
 
 
 
SITUAÇÃO CLÍNICA: 
 Paciente chega na emergência da UPA com 
reação alérgica grave, com sintomas de 
hipotensão, edema corporal generalizado, 
dificuldade respiratória e quase evoluindo para 
um choque anafilático. Um anti-alérgico irá 
surtir efeito nesse caso? Não. 
 Deve-se utilizar um que faça efeito contrário, no 
caso um vasoconstritor, como Adrenalina. 
 Obs: o anti-histamínico também é usado para 
inibir a produção de novas partículas → mas 
ele não é suficiente sozinho para salvar o 
paciente, visto que a histamina já foi liberada, e 
o anti-histamínico só vai atuar em novas 
histaminas que forem liberadas, por isso nessa 
situação de urgência usa-se adrenalina. 
OBS: O edema e vermelhidão do processo inflamatório 
é causado pela histamina. 
 
 
 
SEROTONINA: 
▪ Também um mediador derivados de células, ou 
seja: isso significa que já está pré-formado e 
presente nos grânulos de plaquetas e células 
neuroendócrinas. 
▪ Ela é liberada a partir da agregação 
plaquetária que é o componente-chave da 
coagulação → gerando vasoconstrição, a qual 
é importante principalmente numa situação de 
lesão vascular. 
▪ Ex: Alfinetei meu dedo com uma agulha → gera 
sangramento, caso não tenha de imediato 
algum ativo que faça vasoconstrição, eu vou 
sangrar sem conseguir fazer hemostasia (que é 
o processo de coagulação sanguínea). 
COMPONENTES DO ÁCIDO ARAQUIDÔNICO 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
• São as Prostaglandinas, Leucotrienos e Lipoxinas. 
 
LEGENDA: Representação 
esquemática da cascata 
do ácido araquidônico 
desencadeada por 
estímulo fisiológico ou 
inflamatório pela ação da 
COX 1 e COX 2 e 
originando a formação de 
prostaglandinas, 
prostaciclinas e 
tromboxanos. 
DENISE GUERRA - MEDICINA 
ENTENDA A IMAGEM: 
o Os fosfolipídios da membrana quando estão 
integro, por ex, não permitem a ação da enzima 
Fosfolipase A2 → Já na ruptura da célula, 
rapidamente ocorre resposta inflamatória, O 
que acontece? Os fosfolipídios são degradados 
pela Fosfolipase A2 e são liberados. Essa 
enzima converte o fosfolipídio da membrana em 
ácido araquidônico. A partir desse ácido, pode-
se ter 2 vias metabólicas diferentes → 
podendo o ác. araquidônico sofrer 
decomposição pela Cicloxigenase e 5-
Lipoxigenase. 
 
o Na via da Cicloxigenase, tem-se a produção 
das Prostaglandinas I2 (que causa vasodilatação 
e inibe a agregação plaquetária) e Tromboxanos 
(que tem efeito inicial de vasoconstrição → 
promovendo a agregação plaquetária, o qual é 
extremamente importante no dano vascular, 
visto que dar condição ao vaso de se recuperar 
p/ que posteriormente inicie uma resposta 
inflamatória). Mais importante ainda são as 
Prostaglandinas D2 e E2, as quais são 
extremamente presente na resposta 
inflamatória, causando vasodilatação, aumento 
da permeabilidade vascular, e sensibilidade da 
dor (mediante a prostaglandina E2). Portanto, a 
via da cicloxigenase é a via que forma substâncias 
mais relevantes para a resposta inflamatória. 
 
o O ácido araquidônico pode sofrer 
decomposição também pela via da 5-
Lipoxigenase, onde tem a formação dos 
Leucotrienos (agentes