A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Questões fenomenologia

Pré-visualização | Página 1 de 1

Destaque os principais ataques sofridos pelos existencialistas? De exemplos. Os 
existencialistas eram acusados de pregar ideias dissolventes. Sua reflexão filosófica, 
dizia-se, era mórbida, sombria, amarga, preocupada em explorar o lado sórdido da 
existência humana, fixando-se nas exceções da vida. Corruptos, amorais, 
degradadores, perniciosos, pregoeiros do desespero á se comprazerem no tédio e na 
melancolia. Enfim, uma torrente de injurias cobria os existencialistas. 
Mas o que é o homem, o indivíduo, para Kierkegaard? 
Nenhuma abordagem do pensamento de Kierkegaard dispensa a referência a Hegel, 
cujas ideias são totalmente opostas às suas. Sem exagero, pode-se afirmar que a 
doutrina kierkegaardiana surgiu como reação direta ao hegelianismo. 
O homem é espírito, é a síntese de finito e infinito, de temporal e eterno, de liberdade e 
necessidade. 
E como se processa a existência do homem? Explique os 3 estágios. 
Kierkegaard a divide em três estágios: o estético, o ético e o religioso. 
Estético - o homem busca um sentido para sua existência. Enquanto investiga as 
razões de seu viver, permanece sob o total domínio dos sentidos, dos sentimentos. 
Ético - é através do desespero que o homem alcança o estágio seguinte, o ético, pois 
só assim abandonará as experiências dissipadoras e a atitude passiva diante da 
realidade. Vivendo eticamente, sairá do marasmo existencial. 
Religioso - fase culminante do desenvolvimento existencial. Mediante a religiosidade, 
o homem alcança uma relação particular com o Absoluto. Deus torna-se a regra do 
indivíduo, a única fonte capaz de realizá-lo plenamente. A religião reina soberana sobre 
a ética. Só a fé pode resolver a única questão que se apresenta ao homem: a do mal. 
Husserl, inspirado nas distinções entre fenômenos físicos e fenômenos 
psíquicos, partiu de onde para criar o método fenomenológico? 
O ponto de partida de Husserl é a crítica que dirige às teorias científicas, particularmente 
as de inspiração positivista, excessivamente apegadas à objetividade, à crença de que 
a realidade se reduz àquilo que percebemos pelos sentidos. Tamanho apego aos dados 
objetivos fez com que a ciência fosse encarada como o único conhecimento possível, 
enraizando-se a convicção de que só mediante seu auxílio poderia o homem dominar 
totalmente a natureza e descobrir o sentido de sua existência. A fenomenologia surge 
no processo de revisão de verdades tidas como cientificamente inabaláveis, no 
momento em que as ciências, ao nível da investigação, assumem um significado 
humano. 
Comente a noção de intencionalidade introduzida por Husserl. 
A intencionalidade, é o postulado básico da fenomenologia, é a característica 
fundamental da consciência, pois é através dela que aquilo que um objeto é se constitui 
espontaneamente na consciência. A intencionalidade estabelece uma nova relação 
entre o sujeito e o objeto, o homem e o mundo, o pensamento e o ser, ambos 
inseparavelmente ligados. 
Husserl celebrizou: toda consciência é consciência de alguma coisa. Quer isso dizer 
que todos os atos psíquicos, tudo o que se passa em nossa mente, visa a um objeto, 
logo, não ocorre no vazio. 
Qual a importância do tema da morte para Heidegger? Explique. 
A morte, assim a concebe Heidegger, é a última situação-limite do homem. O Dasein é 
um “Ser-para o-fim", fundamentalmente um “Ser-para-a-morte". Se a morte, como termo 
da vida, só ocorre uma vez, o sentimento de “sermos-para-a-morte", contudo, o 
experimentamos permanentemente, diariamente, minuto a minuto. É na morte, diz 
Heidegger, como possibilidade derradeira da existência, como fim para o qual o Dasein 
se dirige, que o homem se totaliza.