A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
30 pág.
Transtornos de Personalidade

Pré-visualização | Página 1 de 16

Transtornos da personalidade
Psiquiatria 9
* Personalidade: refere-se a todas as características de adaptação de formas únicas a ambientes internos e externos em constante modificação.
* Transtornos da personalidade são comuns e crônicos. Eles ocorrem em 10 a 20% da população em geral, e sua duração é expressa em décadas. Aproximadamente 50% de todos os pacientes psiquiátricos apresentam um transtorno da personalidade, com frequência comórbido com outras síndromes clínicas. 
* Transtorno da personalidade também é um fator predisponente para outros transtornos psiquiátricos (p. ex., uso de substância, suicídio, transtornos afetivos, do controle de impulsos, alimentares e de ansiedade), interferindo nos resultados de tratamento de várias síndromes clínicas e aumentando a incapacitação pessoal, a morbidade e a mortalidade desses pacientes.
* Pessoas com transtorno da personalidade têm uma propensão muito maior a recusar auxílio psiquiátrico e a negar seus problemas do que indivíduos com transtornos de ansiedade, depressivos ou obsessivo-compulsivo. 
* Sintomas de Transtosno de Personalidade: de modo geral, são egossintônicos (i.e., aceitáveis ao ego, em contraste com egodistônicos) e aloplásticos (i.e., adaptam-se ao tentar alterar o ambiente externo em vez de a si mesmos). 
* Comportamento mal-adaptativo de pessoas com transtornos da personalidade não lhes causa ansiedade. Uma vez que normalmente não identificam dor a partir do que os outros percebem como seus sintomas, eles costumam não estar interessados em tratamento e são resistentes a recuperação.
classificação
* Transtorno da Personalidade Geral: padrão persistente de experiência interna e comportamento que se desvia acentuadamente das expectativas da cultura do indivíduo; o padrão é inflexível; começa na adolescência ou no início da idade adulta; é estável ao longo do tempo; leva a sofrimento ou prejuízo; e se manifesta em pelos menos duas das quatro áreas seguintes: cognição, afetividade, funcionamento interpessoal ou controle de impulsos. Quando os traços de personalidade são rígidos e mal-adaptativos e produzem prejuízo funcional, ou sofrimento subjetivo, é possível diagnosticar um transtorno da personalidade.
* Subtipos de Transtorno da Personalidade:
· Grupo A: transtornos da personalidade com características estranhas ou de afastamento (paranoide, esquizoide e esquizotípica).
· Grupo B: transtornos com características dramáticas, impulsivas ou erráticas (borderline, antissocial, narcisista e histriônica).
· Grupo C: transtornos que compartilham características de ansiedade e medo (evitativa, dependente e obsessivo-compulsiva).
* Indivíduos frequentemente exibem traços que não se limitam a um único transtorno da personalidade. Quando um paciente satisfaz os critérios para mais de um, o clínico deve diagnosticar cada um deles.
tipos de transtorno da personalidade
* Transtorno da Personalidade Paranoide: padrão de desconfiança e de suspeita tamanhas que as motivações dos outros são interpretadas como malévolas.
* Transtorno da Personalidade Esquizoide: padrão de distanciamento das relações sociais e uma faixa restrita de expressão emocional.
* Transtorno da Personalidade Esquizotípica: padrão de desconforto agudo nas relações íntimas, distorções cognitivas ou perceptivas e excentricidades do comportamento.
* Transtorno da Personalidade Antissocial: padrão de desrespeito e violação dos direitos dos outros.
* Transtorno da Personalidade Borderline: padrão de instabilidade nas relações interpessoais, na autoimagem e nos afetos, com impulsividade acentuada.
* Transtorno da Personalidade Histriônica: padrão de emocionalidade e busca de atenção em excesso.
* Transtorno da Personalidade Narcisista: padrão de grandiosidade, necessidade de admiração e falta de empatia.
* Transtorno da Personalidade Evitativa: padrão de inibição social, sentimentos de inadequação e hipersensibilidade a avaliação negativa.
* Transtorno da Personalidade Dependente: padrão de comportamento submisso e apegado relacionado a uma necessidade excessiva de ser cuidado.
* Transtorno da Personalidade Obsessivo-Compulsiva: padrão de preocupação com ordem, perfeccionismo e controle.
* Mudança de Personalidade Devido a Outra Condição Médica: perturbação persistente da personalidade entendida como decorrente dos efeitos fisiológicos diretos de uma condição médica (p. ex., lesão no lobo frontal).
* Outro Transtorno da Personalidade Especificado e Transtorno da Personalidade Não Especificado: são categorias utilizadas para duas situações: 
· Padrão da personalidade do indivíduo atende aos critérios gerais para um transtorno da personalidade, estando presentes traços de vários transtornos da personalidade distintos, mas os critérios para qualquer um desses transtornos específicos não são preenchidos; 
· Padrão da personalidade do indivíduo atende aos critérios gerais para um transtorno da personalidade, mas considera-se que ele tenha um transtorno da personalidade que não faz parte da classificação do DSM-5 (p. ex., transtorno da personalidade passivo-agressiva).
etiologia
fatores genéticos
* Transtornos da Personalidade do Grupo A: mais comuns em parentes biológicos de pacientes com esquizofrenia do que em grupos-controle. Há mais parentes com transtorno da personalidade esquizotípica em histórias familiares de pessoas com esquizofrenia do que em grupos-controle. Há uma correlação menor entre esquizofrenia e transtorno de personalidade paranoide ou esquizoide.
* Transtornos da Personalidade do Grupo B: aparentemente têm uma base genética. O da personalidade antissocial está relacionado a transtornos por uso de álcool. Depressão é comum nos antecedentes familiares de indivíduos com transtorno da personalidade borderline. Esses indivíduos têm mais parentes com transtorno do humor do que os grupos-controle, e pessoas com transtorno da personalidade borderline também costumam apresentar um transtorno do humor. Encontra-se uma forte associação entre o transtorno da personalidade histriônica e o de sintomas somáticos (síndrome de Briquet); pacientes com cada um desses transtornos demonstram uma sobreposição de sintomas.
* Transtornos da Personalidade do Grupo C: também podem ter uma base genética. Pacientes com transtorno da personalidade evitativa costumam apresentar níveis elevados de ansiedade. Traços obsessivo-compulsivos são mais comuns em gêmeos monozigóticos do que em dizigóticos, e pacientes com transtorno da personalidade obsessivo-compulsiva mostram alguns sinais associados à depressão – por exemplo, período de latência reduzido do movimento rápido dos olhos (REM) e resultados anormais nos testes de supressão com dexametasona (TSD).
fatores biológicos
* Hormônios: indivíduos que exibem traços impulsivos frequentemente também apresentam níveis elevados de testosterona, 17-estradiol e estrona. Resultados do TSD são anormais em alguns pacientes com transtorno da personalidade borderline que também apresentam sintomas depressivos.
* Monoaminoxidase Plaquetária: baixos níveis plaquetários de monoaminoxidase (MAO) foram associados com atividade e sociabilidade.
* Movimentos Oculares de Seguimento Suave: são sacádicos (i.e., irregulares) em pessoas introvertidas, que têm baixa autoestima e tendência ao retraimento e que apresentam transtorno da personalidade esquizotípica. Esses achados não têm aplicação clínica, mas indicam o papel da hereditariedade.
* Neurotransmissores: Níveis elevados de endorfinas endógenas podem estar associados a indivíduos apáticos. Níveis de ácido 5-hidróxi-indolacético (5-HIAA), um metabólito de serotonina, são baixos em indivíduos que tentam suicídio e naqueles que são impulsivos e agressivos. Níveis crescentes de serotonina com agentes serotonérgicos como fluoxetina podem produzir alterações drásticas em alguns traços de personalidade referentes ao caráter. Em muitas pessoas,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.