A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Cimento De Fosfato De Zinco

Pré-visualização | Página 1 de 1

Introdução 
Citado 1879 e formulação em 1902 
Cimento para cimentação mais antigo com longo 
registro de sucesso em uso clínico 
 Padrão em comparação a outros 
Química e Reação de Presa 
Constituído de um pó e líquido = serão misturados 
Pó: 
 + de 75% de oxido de zinco 
 máx. 13% de oxido de magnésio 
Os pós são sintetizados acima de 100° C, moídos 
em um pó fino e misturados com componentes 
radiopacos (quanto menor o tamanho da partícula 
+ rápido a presa do cimento) 
No processo de calcinação, os componentes 
utilizados são aquecidos em temperaturas que 
variam de 1.000 a 1.300°C durante um período de 
4 a 8 horas. Esse processo resulta em uma massa 
que é triturada e peneirada para a formação do pó 
Líquido: 
 Ácido fosfórico (38% a 59%) 
 Fosfato de alumínio (2% a 3%) 
 Fosfato de zinco (10%) – alguns casos 
Controla o pH e a taxa de ração ácido-base com o 
pó 
 
Quando misturado = ácido fosfórico dissolve o 
oxido de zinco 
 Esse oxido de zinco dissolvido é o que não 
reage com o fosfato de alumínio, para formar 
um gel de alumíniofosfato de zinco ao redor 
das partículas de oxido de zinco que 
permanecem não dissolvidas. 
A perda de água do líquido aumenta o tempo de 
presa 
A incorporação de água adicional durante a 
mistura acelera o tempo de presa 
O cimento endurecido contém oxido de zinco que 
não reagiu encapsulado numa matriz amorfa de 
aluminofosfato de zinco 
Indicação 
Próteses metaloceramicas: coroas, próteses 
parciais de 3 ou 4 elementos, com a base de 
estrutura de metal e a cobertura estética de 
cerâmica, ou de resina 
Retentores intra-radiculares metálicos 
fundidos: cimentação desses retentores 
Próteses cerâmica com alto conteudo 
cristalino: alguns fabricantes 
Manipulação Clínica 
A reação entre o óxido de zinco e o ácido fosfórico 
é exotérmica (libera calor durante a manipulação) 
= necessidade de cuidado na mistura para 
minimizar o efeito da geração de calor 
 Necessidade de usar grande área da placa, 
espalhando esse cimento para liberar o calor 
na placa de vidro e não na boca do paciente 
Pó de oxido de zinco dispensado numa placa de 
vidro divido em diversas porções 
Instruções pelo fabricante: 
 quantidade de pó e líquido; 
 método de divisão do pó em incrementos; 
 tempo de mistura para cada incremento; 
 tempo total de mistura 
 
o líquido só deve ser dispensado quando o pó já 
estiver dividido e pronto, pois a água na 
composição do líquido tende a evaporar 
 
Mistura do Cimento de Fosfato de Zinco: 
Iniciar pelo Proporcionamento do pó e divisão dele 
– geralmente 6 porções 
 Divide o pó em 4 (25%) 
 1 de ¼ dividido em 2 = 1/8 
 1 de 1/8 dividido em 2 = 1/16 
 3 de ¼ 25%, 1 de 1/8 e 2 de 1/16 = 6p 
Proporcionamento do líquido 
Incorporação da menor porção de pó primeiro 
 espátula fina e movimentos de espatulação 
rápida 
usar grande área da placa visando a dissipação do 
calor provocado pela reação de mistura do oxido 
de zinco + ácido fosfórico 
Boa regra – mistura de cada incremento por 15-
20s antes de adicionar o próximo 
Tempo total de mistura: 1,5 a 2 min 
Incorporação de todo pó e obtenção de mistura 
cremosa = recolher o cimento na placa 
usar espátula para puxar um fio de cimento 
(movimento para cima) 
fio alcança de 12 a 19 mm antes de quebrar = 
fluido o suficiente para usar na cimentação 
 consistência adequada = escoamento 
correto 
Fio > 19 mm: muito viscoso para assentamento 
correto da prótese = fazer outra mistura 
 se for assentado muito viscoso o excesso 
não vai fluir = assentamento incompleto 
Manter o campo operatório seco, durante todo o 
processo de cimentação. 
Retenção 
Não apresenta adesão química as estruturas 
dentárias ou peça protética 
 Adesão mecânica: microscopicamente, as 
superfícies do dente e da prótese são rugosas 
e o cimento irá preencher essas 
irregularidades, levando ao travamento de 
uma superfície contra a outra 
A aplicação de o material para forramento na 
superfície do dente para a proteção pulpar antes 
da aplicação do cimento de fosfato de zinco cria 
uma superfície lisa = redução da retenção da peça 
por ausência de imbricamento mecânico 
Remoção de excessos do Cimento de Fosfato 
de Zinco 
Devem ser removidos da área interproximal 
imediatamente com fio dental depois do 
assentamento 
O Resto dos excessos devem ser removidos após 
a presa 
 
Depois que a peça protética recebe uma 
camada de cimento e é assentada, deve 
manter em posição sob pressão até a presa 
do cimento +/- 5 a 6 min 
Depois de retirar os excessos: aplicar uma 
camada de verniz ou outro material impermeável 
à margem da restauração 
 permite que o cimento mature e desenvolva 
alta resistência à dissolução nos fluidos 
orais 
Controle do Tempo de Trabalho 
A extensão do tempo de trabalho pode ser 
controlada até um ponto para se adequar a 
situações clínicas especificas 
 se precisa de um < tempo > 
4 técnicas de extensão do tempo: 
1. redução da relação P/L: produz mistura mais 
fina 
 alteração resulta em um pH inicial mais 
baixo = afeta negativamente as 
propriedades mecânicas 
2. porções menores de pó aglutinadas nos 
primeiros incrementos: menores dissolvidas 
no líquido e retarda a taxa de reação dos 
incrementos subsequentes 
 nesse meio tempo, o calor gerado pela 
reação pode ser dissipado suficientemente 
durante a espatulação 
 se uma porção grande de pó é usada 
inicialmente, a quantidade de calor gerado 
não consegue ser dissipada rápido o 
suficiente para previr a aceleração precoce 
da reação 
3. Maior tempo de espatulação do último 
incremento de pó: a espatulação efetiva 
destrói a matriz em formação. 
 Não é muito recomendável 
4. Temperatura de mistura mais baixa: retarda 
a reação química entre o P/L, porém atrasa a 
formação da matriz 
O uso de placa resfriada: é o melhor método e 
deve ser aplicado sempre que peças protéticas de 
vários elementos estão sendo cimentadas 
 Resulta em cimento com menor 
viscosidade, que facilita no assentamento 
 
Propriedades Mecânicas e Biológicas 
Relativamente resistente e rígido comparado a 
outros cimentos: pois possui 
 Resistência à compressão: até 104 Mpa 
 Resistência diametral: 5,5 Mpa 
 Modulo de elasticidade: 13 Gpa 
Solubilidade relativamente baixa em água 
 Porém, a degradação in vivo ocorre na 
presença de ácidos láctico, acético e cítrico 
Ácido fosfórico: torna a mistura acidica e, 
consequentemente citotóxica quando uma peça é 
cimentada no dente preparado 
 Evolução da presa = acidez parcialmente 
neutralizada 
 Mas o cimento permanece acidico por 24h, 
com o pH aumentando de 
aproximadamente 3 para 6 
Camadas finas de dentina: é recomendado um 
material para forramento (hidróxido de cálcio) 
 Prevenção de reações pulpares adversas 
advindas da pressão de assentamento que 
força acido para o tecido pulpar 
 
A temperatura da placa deve estar acima do 
ponto de orvalho, para evitar que a 
condensação de água do ar atmosférica dilua o 
líquido reduzindo a resistência, compressão e a 
tração 
Pacientes mais jovens são suscetíveis, pois 
seus túbulos dentinarios tem maior diâmetro e 
já os mais velhos com dentina esclerótica 
apresentam túbulos mais tortuosos, que 
restringe a penetração de ácidos em direção 
a polpa