A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
51 pág.
CELULA

Pré-visualização | Página 2 de 9

• Flagelos: possuem formato de chi
cote e atuam como motores rota
tivos para ajudar as bactérias a se
moverem,
• Fímbrias: Aparecem sempre em
grandes quantidades, são pareci
das com pelos e auxiliam na fixa
ção nas células hospedeiras e a
outras superfícies
• Pilis: Possuem forma de haste e
diferentes funções. Por exemplo,
alguns tipos de pili permitem que
a bactéria transfira moléculas de
DNA para outras bactérias, en
quanto outros estão envolvidos
com a locomoção da bactéria.
No citoplasma das bactérias existem
ribossomos ligados a moléculas de
RNA mensageiro (mRNA), constituin
do polirribossomos. Encontram-se,
em geral, dois ou mais
cromossomos idênticos, circulares,
não associados a proteínas
histonas, ocupando regi ões
denominadas nucleoides e, mui tas
vezes, presos a pontos diferentes
da membrana plasmática. Em alguns
casos, podem existir invaginações
da membrana plasmática que
penetram no citoplasma, no qual se
enrolam, originando estruturas
denominadas mesossomos.
A CÉLULA 7
Figura 2. Estrutura da célula procariótica. Fonte:
https://pt.khanacademy.org/science/6-ano/vida-e-evolucao-6-ano/
celulas-procariontes-e-eucariontes/a/clulas-procariticas-e-eucariticas
A maioria dos procariotos vive como
um organismo unicelular, embora al
guns se unam para formar cadeias,
grupos ou estruturas multicelulares
organizadas. Na forma e na
estrutura, os procariotos podem
parecer sim ples e limitados, mas
em termos de química, eles são a
classe mais diver sa e criativa de
células. Essas criatu ras exploram
uma enorme amplitude
de hábitats, a partir de poças quen
tes de lama vulcânica até o interior
de outras células vivas, e excedem
muito em número outros
organismos vivos na Terra.
Algumas são aeróbias, utili zando
oxigênio para oxidar moléculas de
alimento; outras são estritamente
anaeróbias e morrem à mínima expo
sição ao oxigênio.
SAIBA MAIS!
Os procariotos atuais, que incluem todos os diversos tipos de bactérias, são divididos em
dois grupos – as arqueobactérias e as eubactérias – que divergiram precocemente na
evolução. Algumas arqueobactérias vivem em ambientes extremos, que atualmente são
raros, mas que poderiam ter sido predominantes na Terra primitiva. Enquanto isso, as
eubactérias incluem as formas comuns das bactérias atuais – um grande grupo de
organismos que vive em uma ampla variedade de ambientes, incluindo solo, água e
outros organismos.
A CÉLULA 8
Figura 3.
Micrografia eletrônica de uma secção longitudinal da bactéria Escherichia coli (E. coli). Fonte: Bruce Alberts, Dennis
Bray, Karen Hopkin, Alexander Johnson, Julian Lewis, Martin Raff, Keith Roberts, Peter Walter. (2017). Funda
mentos da Biologia Celular. 6ª Ed. Editora Artmed, Porto Alegre, 864p.
MAPA MENTAL: CÉLULA PROCARIONTE
Ausência de
envoltório nuclear
Ausência de organelas
membranosas
Ausência de citoesqueleto
Polirribossomos
Material
genético circular
Mesossomos
Envolve a membrana
plasmática
Proteção
CÉLULA
PROCARIONT
E
Componentes
Citoplasma
Membrana
plasmáticaParede
celular
Podem ser
aeróbios ou anaeróbios
Tipos de seres
procariotos
Eubactérias
Arqueobactérias
Vivem em ambientes
extremos
A CÉLULA 9
Já as células eucariontes possuem
en voltório nuclear, formando um
núcleo verdadeiro, o que protege o
DNA do movimento do
citoesqueleto. O cito plasma dos
eucariontes, diferente da quele dos
procariontes, é subdividido
em compartimentos, aumentando a
eficiência metabólica, o que permite
que atinjam maior tamanho sem pre
juízo das suas funções. Essas células
são encontradas nos protozoários,
fungos, plantas e animais.
4. COMPONENTES DAS
CÉLULAS EUCARIONTES
As células podem ser divididas em
dois compartimentos principais: o ci
toplasma e o núcleo. Em geral, o ci
toplasma é toda a parte da célula
localizada fora do núcleo. O citoplas
ma contém organelas (“pequenos ór
gãos”), um citoesqueleto – sistema
de túbulos e filamentos que
determina o formato da célula, sua
habilidade de
se mover e suas vias intracelulares –
e inclusões – consistem em subpro
dutos do metabolismo e formas de
armazenamento de vários nutrientes
– suspensas em um gel aquoso de
nominada matriz citoplasmática ou
citosol. A matriz consiste em uma
variedade de solutos, incluindo íons
orgânicos (Na+, K+, Ca2+) e molécu
las orgânicas, tais como metabólitos
intermediários, carboidratos, lipíde
os, proteínas e RNA. São exemplos
de organelas as mitocôndrias, o
retículo endoplasmático, o complexo
ou aparelho de Golgi, os lisossomos
e os peroxissomos.
O núcleo é a maior organela dentro
da célula e contém o material
genético,
Célula animal
juntamente com as enzimas neces
sárias para a replicação do DNA e a
transcrição do RNA. O citoplasma e
o núcleo não apenas desempenham
papéis funcionais distintos, mas tam
bém trabalham em conjunto para
manter a viabilidade celular.
SE LIGA! Nos preparados histológicos
comuns, corados pela
hematoxilina-eosina, os diver sos
componentes do citoplasma
geralmente não são vistos, de modo
que o citoplasma como um todo
aparece róseo e o núcleo fortemente
tingido em azul-escuro.
A CÉLULA 12
As organelas incluem os sistemas
de membrana das células e os
compar timentos delimitados por
membrana que realizam as funções
metabólicas e síntese (que exigem
energia) e de ge ração de energia da
célula, bem como componentes
estruturais não mem branosos.
Todas as células eucarióti cas têm o
mesmo conjunto básico de
organelas intracelulares, que podem
ser classificadas em dois grupos: (1)
organelas membranosas, com mem
branas plasmáticas que separam o
ambiente interno da organela do
cito plasma, e (2) organelas não
membra nosas, desprovidas de
membranas plasmáticas. Os
espaços cercados
pelas membranas das organelas
constituem os microcompartimentos
intracelulares, nos quais substratos,
produtos e outras substâncias são
segregados ou concentrados. Além
disso, cada tipo de organela contém
um conjunto de proteínas únicas;
nas organelas membranosas, essas
proteínas são incorporadas às suas
membranas ou sequestradas dentro
de seus lumens. Nas organelas não
membranosas, as proteínas especí
ficas organizam-se geralmente em
polímeros que formam os elementos
estruturais do citoesqueleto.
A CÉLULA 13 MAPA MENTAL: CÉLULA EUCARIONTE
5. MEMBRANA
PLASMÁTICA (OU
MEMBRANA CELULAR)
A membrana plasmática (também
conhecida por membrana celular ou
plasmalema) apresenta, em média,
7,5 a 10nm de espessura e é o com
ponente mais externo do
citoplasma, constituindo o limite
entre o meio in tracelular e o
ambiente extracelular.
SAIBA MAIS!
Ao microscópio óptico, as membranas plasmáticas não são visíveis. Já no microscópio
eletrô nico, a membrana celular aparece como uma estrutura trilaminar – duas camadas
eletroden sas (escuras) e uma camada eletronlúcida (clara) central, denominada unidade
de membrana, assim chamada pois é comum a todas as membranas existentes nas
célula. Aparentemente, esse aspecto trilaminar é devido à deposição de ósmio durante a
preparação do corte sobre esses grupamentos hidrofílicos localizados nas superfícies das
membranas.
Figura 7. Eletromicrografia mostrando uma junção entre duas células que demonstram uma estrutura trilaminar de
duas membranas plasmáticas. Fonte: GARTNER, Leslie P.; HIATT, James. L.. Tratado de Histologia em Cores. 3. ed.
Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.
A CÉLULA 15
Suas funções básicas são:
• Manutenção da integridade estru
tural da célula
• Controle da entrada e saída de
substâncias na célula – permeabi
lidade seletiva
• Regulação de interações
célula-célula
• Reconhecimento, através de re
ceptores, de antígenos e células
estranhas, bem como de células
alteradas
• Interface entre o citoplasma e o
meio externo
• Estabelecimento de sistemas de
transporte para moléculas
específicas
• Transdução de sinais físicos e quí
micos extracelulares em eventos
intracelulares
Composição da membrana
plasmática
A interpretação atual da
organização molecular da
membrana plasmática é designada
como modelo do mosaico fluido. A
membrana consiste princi