A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
PELE ANEXO

Pré-visualização | Página 3 de 5

com um ciclo celular acelerado.
As verrugas são hiperplasias epidérmicas resultantes de uma infecção dos
queratinócitos pelo papilomavírus.
O carcinoma de células basais se origina das células do estrato basal da epiderme, en
quanto o carcinoma de células escamosas se origina dos queratinócitos da epiderme.
O melanoma, por fim, se origina em melanócitos modificados.
PELE E ANEXOS 23
CAMADA DA PELE CARACTERÍSTICAS HISTOLÓGICAS
Epiderme Epitélio estratificado queratinizado (queratinócitos).
Estrato córneo Diversas camadas de queratinócitos, células mortas, anucleadas ou sem
organelas. Descamação intensa.
Estrato lúcido Camada delgada e intensamente corada, células já anucleadas e sem organelas.
Estrato granuloso Três a cinco camadas de células, os queratinócitos ainda mantém o núcleo.
Presença de grânulos de querato-hialina e grânulos lamelares.
Estrato Espinhoso Camada mais espessa da epiderme, cujos queratinócitos se associam através de
pon tes intercelulares e uma quantidade grande de desmossomos. Presença de
numerosos tonofilamentos e grânulos lamelares. Observam-se células de
Langerhans
Estrato Basal
(Germinativo)
Células cuboides a colunares baixas, mitoticamente ativas. Células de Merkel e
melanó citos presentes.
Derme Colágeno do tipo I e fibras elásticas, subdividida em duas camadas, a papilar e
a reticular.
Camada Papilar Interdigita-se com a epiderme, formando papilas dérmicas que compõem parte
do aparelho em rede. Realiza a interface derme-epiderme. Presença de leitos
capilares, mecanorreceptores e melanócitos ocasionalmente.
Camada Reticular Camada mais profunda da pele, caracterizada pela presença de fibras elásticas.
Con tém glândulas sudoríparas e sebáceas, folículos pilosos e mecanorreceptores.
Tabela 2. Resumo de estratos da pele espessa e características histológicas de cada um
deles. Fonte: Tratado de histologia em cores, 3ª Ed., 2007.
5. SISTEMA VASCULAR
O sistema vascular da pele pode ser
dividido em 3 partes: sistema ar
terial, sistema venoso e sistema
linfático.
O sistema arterial é formado por 2
plexos. O primeiro plexo se localiza
entre a derme e a hipoderme (teci
do celular subcutâneo), já o segundo
plexo se localiza entre as camadas
reticular e papilar da derme, emi
tindo ramos para as papilas dérmi
cas, possibilitando a irrigação da re
gião epidérmica.
O sistema venoso é formado por 3
plexos. Semelhante ao sistema
arterial, o primeiro plexo se encontra
entre a derme e a hipoderme, bem
como o segundo plexo se localiza en
tre as camadas reticular e papilar
da derme, recebendo drenagem ve
nosa das papilas dérmicas. O
terceiro plexo, diferentemente, se
localiza na região média da derme.
SE LIGA! É muito comum o achado de
anastomoses arteriovenosas na pele,
estruturas que possuem importan te
papel na termorregulação do corpo
humano.
PELE E ANEXOS 24
Figura 18. Sistema vascular da pele. Pode-se observar a presença de 2 plexos arteriais, 3 plexos venosos e
anastomo ses arteriovenosas, estruturas importantes para a termorregulação. Fonte: Histologia e Biologia
Celular, 2ª Ed., 2008.
O sistema linfático de drenagem da
pele se inicia em capilares em fundo
cego localizados nas papilas dér
micas, que confluem para um plexo
linfático presente entre as camadas
papilar e reticular da derme, se
guindo por fim para um plexo entre
a derme e a hipoderme.
SISTEMA VASCULAR
Arterial Venoso Linfático
2 plexos 3 plexos 2 plexos
Primeiro plexo: entre a derme e a
hi poderme (tecido celular
subcutâneo)
Primeiro plexo: entre a derme
e a hipoderme
Capilares em fundo cego
localizados nas papilas dérmicas
Segundo plexo: entre as
camadas reticular e papilar da
derme, emitin do ramos para as
papilas dérmicas
Segundo plexo: entre as
camadas reticular e papilar da
derme, re cebendo a drenagem
venosa das papilas dérmicas
Primeiro plexo: entre as
camadas papilar e reticular da
derme
- Terceiro plexo: região média
da derme
Segundo plexo: entre a derme
e a hipoderme
Tabela 3. Resumo do Sistema Vascular da pele. Fonte: Aula Sanarflix.
PELE E ANEXOS 25
6. RECEPTORES
SENSORIAIS DA PELE
Uma das principais funções da pele
é receber estímulos do meio exter
no, exercida através da percepção
sensorial. Para realizar tal função, a
pele dispõe de dois tipos de termi
nações, as terminações nervosas
livres e as terminações nervosas
encapsuladas.
As terminações nervosas livres ge
ralmente assumem uma morfologia
de “cesto”, sendo nesse caso me
canorreceptores, localizadas usual
mente ao redor de folículos pilosos.
Quando essas terminações
assumem uma morfologia de
“bulbo” podem ser tanto mecano
como nocicepto res, localizadas
diferentemente da anterior, de
forma paralela à junção
dermoepidérmica. Com relação às
terminações nervosa encapsuladas,
existem 4 tipos dessas terminações,
sendo eles: corpúsculos de Meiss
ner, corpúsculos de Pacini, corpús
culos de Ruffini e bulbos terminais
de Krause.
Os corpúsculos de Meissner estão
presentes nas papilas dérmicas de
áreas sem pelos, como lábios, ma
milos, dedos, palma de mãos e plan
ta de pés. São estruturas alongadas
que se organizam sob um axônio
central envolvido por células de
Schwann em espiral, cuja estrutura
é contida em uma cápsula de fibro
blastos modificados contínuos com
o endoneuro da fibra nervosa afe
rente. Normalmente, os corpúsculos
de Meissner são mecanorreceptores
que detectam pequenas deforma
ções da epiderme, ou seja, detectam
a pressão exercida sob a pele, cor
respondendo a receptores táteis.
Os corpúsculos de Pacini podem
ser encontrados na derme
profunda e hi poderme, geralmente
de morfologia esférica a oval. Os
locais onde mais frequentemente
são encontrados os corpúsculos de
Pacini são os dedos, palma de
mãos e planta de pés. Se
organizam de forma semelhante aos
A B
corpúsculos de Meissner, com um
axônio central envolvido por lamelas
concêntricas de células de Schwa
nn e de fibroblastos modificados,
gerando uma estrutura em “casca
de cebola”. Também correspondem
a mecanorreceptores, que captam
estímulos de pressão e vibração.
Figura 20. Corpúsculos de Pacini. A – Morfologia: Esféricos a ovais, lamelas concêntricas de células de Schwann e
fibroblastos modificados, produzindo estrutura em “casca de cebola”. B – Lâmina histológica demonstra
corpúsculo de Pacini na derme profunda e hipoderme. Fonte: Adaptado de Histologia Básica, 12ª Ed., 2013 e
Histologia e Biologia Celular, 2ª Ed., 2008.
SAIBA MAIS!
Além dos corpúsculos de Meissner e de Pacini existem outros mecanorreceptores
encapsu lados, sendo eles os corpúsculos de Ruffini e os bulbos terminais de Krause. As
termina ções ou corpúsculos de Ruffini se localizam na derme da pele, leitos ungueais,
ligamentos periodontais e nas cápsulas articulares. A cápsula de tecido conjuntivo que
envolve esses receptores está ancorada em cada extremidade, aumentando a
sensibilidade à distensão e à pressão nas cápsulas articulares, sendo essa a sua
principal função. O bulbo terminal de Krause, por sua vez, se localizam na região papilar
da derme nas articulações, conjuntiva, peritônio, regiões genitais e no tecido conjuntivo
subendotelial das cavidades oral e nasal. Sua função é desconhecida.Células de Merkel
Células de Langerhans
Camada Papilar (superficial) Camada Reticular (profunda)
7. ANEXOS
A pele possui como anexos os
pelos, as unhas e as glândulas da
pele, sendo que essas podem ser
de 3 ti pos, sudoríparas, sebáceas e
ma márias. As glândulas mamárias
não serão abordadas nesse resumo.
Glândulas da pele
Glândulas sebáceas
As glândulas sebáceas estão situ
adas na derme, se encontram de
forma abundante no couro cabelu
do, porém estão ausentes na palma
das mãos e planta dos pés.
É importante lembrar que as glân
dulas sebáceas estão sempre asso
ciadas a um folículo piloso, onde
usualmente desembocam! Em algu
mas regiões, as glândulas sebáceas
podem desembocar diretamente
na pele, como nos lábios, mamilos,
na glande e vagina. O ducto de sa
ída para os folículos pilosos é carac
teristicamente um ducto curto re
vestido por