A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
#OK SIGMUND FREUD CAP II - PSICOLOGIA

Pré-visualização | Página 1 de 1

Capítulo II – Sigmund Freud
 	Sua característica é uma espécie de tendência psicológica, buscando a base oculta do comportamento e do processo psicológico, com o objetivo de descobrir e resolver conflitos psicológicos internos que produzem dor psicológica. É uma disciplina científica cujo propósito é descobrir e mapear a estrutura psicológica e os métodos de tratamento no relacionamento profundo entre o terapeuta e o paciente.
	Freud construiu um método de psicanálise, mas foi influenciado por Charcot e Brewer. Ele acredita que este é um tipo de comportamento sexual infantil. A psicologia humana é formada pelo conflito e tem enfrentado o instinto sexual e a realidade desde o nascimento.
	Nossa mente consciente não pode controlar todas as nossas ações, e esse foi outra descoberta de Freud. Até nossas ações voluntárias dependem de motivos inconscientes. A descoberta do subconsciente revolucionou a psicologia e sua percepção dos humanos.
	A inconsciência corresponde ao conteúdo instintivo, genético, ideológico e repressivo em toda a história da vida pessoal. O inconsciente não se esquecerá de nada, todos os acontecimentos da história pessoal serão preservados e reterão a mesma força e vitalidade que experimentaram.
Estruturada Psique: 
	A consciência corresponde à dimensão racional da alma. No nível consciente, estamos cientes da realidade externa e também percebemos que nosso conteúdo espiritual não é suprimido no nível inconsciente. Freud acreditava que a consciência contém apenas uma dimensão da alma. Portanto, o inconsciente é a instância mais importante da alma e a instância mais extensa. Esta é a chave para explicar o significado de todos os nossos comportamentos e até mesmo de toda a vida psicológica.
	Entre o consciente e o inconsciente, existe um antecedente, o pré-consciente, que permite que determinado conteúdo do inconsciente acesse a consciência, mas deve ser "disfarçado" e "disfarçado" para evitar a interferência do consciente. Portanto, o conteúdo da origem do desejo sexual relacionado ao instinto sexual pode ser inserido simbolicamente na consciência sem causar tensão.
	No entanto, existe um mecanismo de segurança para evitar que ganhem consciência conteúdos que ameacem a saúde mental e a sobrevivência física ou social: é a obstrução do sistema de censura que impede esses conteúdos perigosos. Quando Freud desenvolveu sua teoria psicanalítica, essa situação desencadearia um mecanismo de autodefesa.
ID: É formado pelo instinto, impulso orgânico e desejo inconsciente e é regido pelo princípio hedônico, que requer satisfação imediata. É a energia do instinto e do desejo, é o processo de buscar realizar este princípio de prazer.
 EGO: O Ego é a soma de pensamentos, sentimentos, entre outros. É a parte mais superficial do indivíduo, e tem a função de verificar e aceitar parte dos desejos e necessidades.
 SUPEREGO: Isso é inconsciente, é uma censura às forças motrizes que a sociedade e a cultura lhe impõem, impedindo-a de satisfazer plenamente seus instintos e desejos. É supressão, especialmente supressão sexual. É expressa de forma consciente e indireta como uma série de tabus e obrigações na forma de moralidade, e por meio da educação, por meio da produção do "eu ideal", isto é, pessoas morais, gentis e morais.
Teoria da motivação: 
· Todas as nossas motivações são dirigidas; 
· Pulsão é um tipo de força ou energia que usa a tensão orgânica contínua como fonte e visa liberar a tensão acumulada;
· O desejo sexual é a principal manifestação da energia motriz e, portanto, desempenha um papel importante em nosso comportamento.
· A falha em liberar a energia motriz acumulada pode levar a conflitos psicológicos, que podem levar à ansiedade e neurose.
· Se a saída normal estiver bloqueada, a libertação tenderá a realizar-se por outras vias.
· Existe uma série de mecanismos de autodefesa que podem resolver conflitos dentro da mente, garantindo assim o equilíbrio psicológico individual.
 Mecanismos de defesa do Ego: 
São estratégias inconscientes para resolver conflitos internos e reduzir a força motriz de suas origens.
Desenvolvimento da Personalidade: 
	Freud descobriu as duas premissas básicas da psicanálise, assumindo a existência do subconsciente e do comportamento sexual como certos. Com base nessas premissas, ele elaborou sobre o estágio do sexo:
· Fase oral (0-2 anos): A área dos lábios das bochechas é a zona da libido neste estágio e consiste em duas atividades, sugar e morder. Nos estágios mais avançados da cavidade oral, devido ao aspecto dos dentes, a sucção se tornará mordida.
· Fase anal (2-3 anos):	Entre as fases oral e anal, ocorre um deslocamento da zona sexual. Agora, a principal área de função sexual é a região anal, que está associada a essas duas atividades: retenção e excreção de fezes.
· Fase fálica (3-5 anos): Nesse estágio, os órgãos genitais são erógenos. No pênis dos meninos e no clitóris das meninas. As experiências genitais, como a masturbação, são frequentes.
	A resolução do complexo de Édipo libertará a criança do forte relacionamento com os pais do sexo oposto e estabelecerá novos relacionamentos com outras pessoas. A resolução do complexo de Édipo pode afetar todos os relacionamentos futuros. Nesse estágio, três instâncias de dispositivos psicológicos (Id, Ego e Superego) são formados e podem entrar em conflito.
· Fase de latência (6-13 anos):	Nesta fase, o desenvolvimento sexual está estagnado. As crianças dedicam seus interesses à escola e aos amigos, e estão mais interessadas nos aspectos sociais. 
· Fase genital (13-... anos): A zona sexual é igual ao estado fálico. Nesta fase, a maturidade sexual pessoal é atingida. O ego tenta lutar contra o impulso do Id, e tendências repressivas podem reaparecer, como o complexo de Édipo, levando essas pessoas a serem gays.
	Como resultado da rebelião do ego contra o superego, o ego é separado do superego, então o Id aumenta o risco. Essas resistências tornam-se evidentes nos comportamentos dos adolescentes, que nem sempre são muito “normal”.
	No que diz respeito à psicanálise, é a maneira como o indivíduo tenta resolver os problemas nessas etapas que determinará as características básicas da personalidade, que se estenderão até o fim de sua vida.