A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Diagnóstico da cárie dentária

Pré-visualização | Página 1 de 1

Introdução 
O diagnóstico de cárie dentária não deve apenas se basear nos sinais e sintomas observados nas 
superfícies dentárias examinadas; 
 O paciente deve ser visto como parte de um contexto multifatorial. 
A cárie dentária é entendida como uma doença multifatorial causada pelo desequilíbrio do processo 
fisiológico de dês/remineralização que ocorre entre o dente e o biofilme 
 Fatores etiológicos e modificadores 
 o diagnóstico da doença está baseada na detecção deste desequilíbrio , observado pela presença 
de perda mineral atual, ou seja, na presença de lesão ativa de carie (diagnóstico clínico da doença) 
Objetivo 
Determinar a presença da doença e sua extensão; permitir a escolha do tratamento mais indicado para 
obtenção do melhor prognóstico; monitorar o curso da doença e avaliar a eficiência do tratamento. 
Conceitos 
Validade: Capaz de medir o que se está pretendo medir. Um teste válido oferece uma representação 
precisa do estado da doença. 
Sensibilidade: Capacidade do método detectar a doença; 
Especificidade: Capacidade do método detectar a saúde 
Confiabilidade: Pode ser aplicado repetidamente, com a mesma consistência de resultados. -- Intra ou 
Inter-examinador – 
 Estatística de Kappa (0 a 1) 
 Coeficiente de correlação 
Matriz De Decisão 
 
Resultados dicotômicos 
Presença X Ausência 
Cálculos muito utilizados 
em pesquisas! 
Métodos de Diagnóstico 
Métodos convencionais: Exame clínico com ou sem sondagem (exame tátil e inspeção visual); Exame 
radiográfico (complementar); Separação dentária (auxiliar) 
Novas tecnologias: Radiografia digital; Dispersão luminosa (transluminação; fluorescencia por laser); 
Medida de resistência elétrica 
Tátil-visual: 
Exame tátil com sonda de ponta romba: Remoção de restos alimentares e 
biofilme da superfície dental 
 Exame tátil sem pensar em retenção e ter cuidado com a pressão exercida: evitar sonda 
exploradora de ponta fina 
Exame visual: Alterações na superfície dentária (cor, configuração anatômica) 
Exame radiográfico: 
Método complementar/auxiliar; Detalhes da presença e extensão da lesão – radiolucidez; Mais dequado 
para diagnóstico de cáries oclusais, proximais posteriores e lesões secundárias; 
Lesões iniciais – subestimam a extensão da desmineralização (FN); Apresentam maior sensibilidade na 
detecção de lesões em dentina; (cáries ocultas) 
 Imagem radiolúcida em dentina: evidencia a progressão da lesão e dentina mesmo antes da 
presença clínica de cavidade tanto a lesões de superfície proximal como lesões de superfície 
oclusal 
Radiografia digital: O sinal eletrônico analógico produzido no sensor é transmitido para um computador, no 
qual é convertido em um sinal digital. 
Utilizado no diagnóstico e controle de lesões de cárie incipientes. 
Separação dentária: Facilita o exame visual direto das superfícies proximais; 
separador elastomérico colocado com auxílio de fio dental; permanência de 24-
48horas 
 Não substitui o exame radiográfico 
Transiluminação por fibra óptica: Luz visível é transmitida através do dente a partir de uma fonte de luz 
intensa; 
Revela uma sombra quando o dente é observado, essa sombra pode ser associada à existência de uma 
lesão de cárie; Método de sensibilidade baixa. 
 Não substitui o exame radiográfico 
Exame Videoscópico: Microcâmera intrabucal: armazena imagens para posterior exame; Aumento da 
imagem, facilitando a visão da superfície oclusal, principalmente. 
Fluorescência por laser - DIAGNOdent ®: Incidência de luz sobre as alterações da superfície dentária que 
estimula a emissão de luz fluorescente de comprimento de onda diferente; 
O tecido cariado fluoresce com maior intensidade que o tecido hígido. 
 Estágios iniciais de desmineralização não são capturados 
O software específico filtra e quantifica a fluorescência emitida pelos tecidos e converte a fluorescência 
verde e vermelha em valores numéricos; 
Importante que os dentes estejam 
limpos, secos e bem iluminados 
Eletrocondutividade: Cada tipo de tecido dentário possui uma condutividade específica e, quanto mais 
poroso o tecido, maior sua condutividade; 
 Quando se aplica uma corrente através um dente saudável, a condutância é baixa e a resistência é alta; 
 Em uma lesão de cárie, a condutância está aumentada e a resistência reduzida 
Apresenta maior acurácia para diagnóstico de superfícies hígidas e de lesões profundas de cárie (metade 
interna de dentina ) 
CarieScan Pro: Tecnologia usada: impedância elétrica; Detecta alterações na densidade mineral dos 
dentes; Indica a localização da “lesão”; Precisão na detecção "precoce" de lesões de cárie, que não são 
claramente visíveis para o olho humano. 
 92,5% de acurácia 
Caracterização de Lesões 
Lesão ativa sem cavidade: 
Inspeção visual: ocorre com a reflexão da luz, visualizando-se uma superfície 
fosca ou opaca; 
Inspeção tátil: passando a sonda suavemente, é possível sentir a rugosidade da 
superfície da lesão 
 
O aspecto branco opaco resulta da diferença da refração da luz entre o esmalte sadio e o esmalte cariado. 
Após secagem, a água é substituída por ar (índice de refração menor), tornando a lesões de esmalte mais 
visíveis. 
Lesão inativa sem cavidade: 
 
Inspeção visual: superfície lisa e brilhante; 
Inspeção tátil: superfície lisa, sem rugosidades comparando à superfície hígida; 
 
Lesão ativa em dentina com cavidade: 
Observa-se o tecido com coloração amarelada, amolecido e úmido; 
Ao redor da cavidade, em geral, o esmalte também apresenta características de lesão 
ativa. 
 
Carie oculta: 
A atividade de doença está controlada, mas não se consegue 
remover o biofilme no interior da cavidade. 
A lesão continua a progredir, mas o esmalte ao redor da lesão 
pode 
apresentar característica de lesão inativa. 
Lesão inativa com cavidade em dentina: 
A dentina se encontra endurecida e seca e, na maioria das vezes, escurecida; 
O esmalte em torno da lesão também apresenta características de lesão inativa. 
O fato de a sonda ficar ou não retida não indica a presença ou ausência de lesão 
de cárie 
Se não há cavitação a sondagem deve ser feita com cuidado para não romper a 
superfície da lesão 
 
 
Lesão de cárie radicular: 
 
Tátil-visual: Quanto maior a extensão/ profundidade da perda mineral em esmalte (sem cavidade), mais 
facilmente identificada a lesão; 
Lesões iniciais, requerem maior tempo de secagem para que a diferença dos índices de refração seja 
percebida visualmente 
A cor não pode ser critério definitivo, sendo apenas um indicador, já extura e brilho são critérios mais 
determinantes, portanto é importante analisar criteriosamente. 
Diagnóstico Diferencial 
Fluorose dentária: Distribuição simétrica em dentes homólogos (período da amelogênese); Regiões com 
fluoretação, histórico de fluorose.. 
Cárie dentaria: Regiões onde há acúmulo de biofilme; 
Hipoplasias: Raramente representam um problema de diagnóstico diferencial; Formato redondo ou oval 
com delimitação clara em relação ao esmalte adjacente; Dentes únicos, principalmente incisivos, e 
predominantemente nos 2/3 incisais da coroa. 
Hipomineralização molar-incisivo – HMI: Dependendo da gravidade da hipomineralização, pode 
exibir uma superfície amolecida; Em geral, é fácil diferenciar quando elas ocorrem nas áreas 
do dente normalmente não afetadas por cáries 
.