A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
31 pág.
Psicologia Social I - Aulas EAD

Pré-visualização | Página 21 de 21

tensão na pessoa;
· A quantidade de tensão é diretamente proporcional à extensão da percepção da não equidade;
· A tensão criada na pessoa irá motivá-lo a reduzir esta falta de equidade;
· A força da motivação para reduzir a falta de equidade é diretamente proporcional à percepção dessa falta de equidade.
· Ainda sendo considerada como uma das mais bem desenvolvidas teorias da justiça, a Teoria da Equidade tem recebido diversas objeções por diferentes estudiosos  do conceito e fenômeno da justiça. 
· As críticas à esta teoria são de diversos tipos, envolvendo os processos gerais nos quais se fundamenta como os problemas teóricos que são encontrados na sua formulação.
· Segundo Aroldo, Assmar e Jablonski (1993): "A concepção multidimensional de justiça resultou do movimento crítico surgido entre os psicólogos sociais diante da pressuposição de que a equidade seria o único princípio válido para a solução de problemas de justiça que permeiam a vida social. Ao longo da década de 1970, foi intensa a reação aos postulados teóricos e aos resultados empíricos que até então prevaleciam na literatura especializada, sendo bastante significativa a produção científica que essa abordagem passou a representar como uma via teórica alternativa para o estudo e o conhecimento das questões de justiça que afetam o comportamento social". (p. 288) 
· Um grande representante desta abordagem é o pesquisador M. Deutsch. Segundo este autor, o conceito de justiça está relacionado com a distribuição de condições e bens que influenciam o bem-estar de cada indivíduo. Podemos incluir aqui aspectos psicológicos, filosóficos sociais e econômicos. Desta forma, o conceito de justiça está intimamente ligado, não só ao bem-estar individual, mas também, ao próprio funcionamento da sociedade. 
· A partir dos estudos de Deutsch (1985), sobre a fenomenologia da injustiça, podemos entender melhor as críticas que este autor faz aos teóricos da equidade. 
· Segundo Deutsch, a abordagem da justiça tem sido muito psicológica e insuficientemente sociopsicológica. Em outras palavras, este autor dá foco ao indivíduo ao invés da interação social na qual a justiça emerge. Para Deutsch, a justiça nasce do conflito a partir do qual ela passa a ser negociada. 
· No enfoque multidimensional de justiça são ampliadas as possibilidades de se fazer justiça além do emprego do princípio da equidade. Neste enfoque, partimos da regra de que outras normas de justiça podem construir os fundamentos para a repartição de bens e condições sociais que vão além da norma de equidade. Tudo isto depende também da natureza das relações sociais e dos objetivos que os diferentes grupos sociais pretendem atingir.