A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Farmacologia do Sistema Nervoso Periférico

Pré-visualização | Página 2 de 2

aos não seletivos é a ausência de efeitos 
indesejáveis como taquicardia no tratamento de doenças pulmonares, como asma e 
bronquite; 
• A seletividade é correspondente a dose, ou seja, doses muito elevadas diminui tal 
seletividade; 
• Metoproterenol e fenoterol; 
• Salbutamol; 
 
 
 
5 
 
 
Agonistas alfa1-seletivos 
 
• Exercem sua ação farmacológica por mimetizar a noradrenalina na ativação dos 
receptores alfa1 presentes principalmente nos vasos sanguíneos; 
• São utilizados normalmente no choque e na hipotensão, mas estão presentes em 
diversas associações para aliviar sintomas da gripe e do resfriado; 
• Fenilefrina: Provoca vasoconstrição direta e aumenta a resistência vascular 
periférica, elevando a pressão arterial sistêmica. É muito utilizada em 
descongestionantes nasais pelo seu efeito vasoconstritor direto. 
 
Agonistas alfa2-seletivos 
 
• São muito utilizados no tratamento da hipertensão arterial; 
• Agem principalmente ativando os receptores alfa2 pré-sinápticos localizados no 
centro do controle cardíaco no SNC. Essa ativação provoca hiperpolarização dos 
neurônios adrenérgicos, diminuindo a descarga simpática proveniente do SNC; 
• O principal fármaco dessa classe é a clonidina; 
• Clonidina: seus principais efeitos farmacológicos são as alterações da pressão 
arterial e da FC, provocados, principalmente, pela inibição da ação simpática nos 
tecidos periféricos. 
Outros agonistas adrenérgicos 
• Anfetamina: é uma substância muito utilizada devido aos seus efeitos estimulantes 
no SNC. A anfetamina parece exercer seus efeitos no SNC através da estimulação 
da liberação das aminas biogênicas, principalmente NA e dopamina; 
• Efedrina: além de ser um agonista alfa e beta adrenérgico, promove a liberação de 
NA das vesículas sinápticas dos neurônios simpáticos. Exerce efeito cronotrópico 
positivo e aumenta o débito cardíaco, além de exacerbar a resistência vascular 
periférica, resultando em elevação considerável da pressão arterial sistêmica. Após 
sua administração, ocorre um aumento da estimulação do SNC. É eliminada 
predominantemente sob a forma inalterada pela urina. 
Antagonistas adrenérgicos 
• São fármacos amplamente utilizados principalmente no tratamento dos distúrbios 
cardiovasculares; 
6 
 
 
• Inibem, de forma competitiva e reversível, a interação da NA, adrenalina e 
compostos relacionados com os receptores alfa e beta; 
Antagonistas dos receptores alfa-adrenérgicos 
• Fenoxibenzamina: é um antagonista alfa 1 e alfa 2 irreversível. Seus efeitos 
farmacológicos resultam do bloqueio dos receptores alfa na musculatura lisa. 
Provoca diminuição da RPT e eleva o DC devido, provavelmente, à estimulação 
simpática reflexa; 
• Prazosina: é bastante utilizado no tratamento da hipertensão e angina pectoris. 
Seus efeitos resultam no bloqueio dos receptores alfa1 nas veias e arteríolas, 
provocando uma queda da resistência vascular periférica e diminuição do retorno 
venoso e ao coração. 
 
Antagonistas dos receptores beta-adrenérgicos 
 
• Diminui a resposta simpática, reduzindo a ação da NA e adrenalina em seus 
receptores beta; 
• Exercem seus principais efeitos no sistema cardiovascular, diminuindo a FC e a força 
de contração cardíaca; 
• Os beta bloqueadores não seletivos bloqueiam os receptores beta2 localizados na 
musculatura brônquica, levando a uma broncoconstrição; 
Beta bloqueadores não seletivos 
• Propranolol: penetra facilmente na barreira hematoencefálica, atingindo o SNC. Seu 
uso temporário é particularmente cardiovascular, sendo utilizado no tratamento da 
hipertensão arterial sistêmica, ICC, cardiopatias e arritmias cardíacas; 
• Nadolol: suas concentrações no SNC são baixas devido à relativa incapacidade de 
atravessar a barreira hematoencefálica. É altamente metabolizado e é excretado 
pelos rins; 
• Caverdilol: bloqueia receptores alfa1. Metabolismo de primeira passagem. É 
excretado principalmente pela urina. 
Antagonistas beta1-seletivos 
• Metaprolol: possui metabolismo hepático e excreção renal. É utilizado 
principalmente no tratamento da hipertensão arterial sistêmica. Porém, também é 
utilizado no tratamento de cardiopatias isquêmicas e ICC; 
7 
 
 
• Atenolol; 
• Os efeitos adversos dos beta-bloqueadores são decorrentes do bloqueio desses 
receptores em diversos tecidos corporais