A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
1 Sangramento 1 trimestre

Pré-visualização | Página 1 de 2

LARISSA MENEZES – AISM II 
 
:
ª
 
IMPORTÂNCIA 
 
 Causas diretas de óbito materno: hipertensão, 
hemorragia, infecção puerperal, aborto 
 67% de causas obstétricas diretas 
 29% de causas obstétricas indiretas 
 
ABORTAMENTOS 
 
 Aborto é a interrupção da gravidez até a 20 ou 
22ª semana ou quando o feto pese até 500 
grama ou quando o feto mede 16,5/22cm 
 80% das gestações normais evoluem com 
abortamento até a 12ª semana 
 Até 20% das gestações sofrem abortamento 
 
CLASSIFICAÇÃO 
o Cronológica: 
▪ Precoce: 12 semanas 
▪ Tardia: 13-20 semanas 
o Intenção: 
▪ Induzido (provocado) 
▪ Espontâneo 
o Periodicidade: 
▪ Habitual: >3x 
▪ Esporádico 
NOTA: OMS classifica em aborto seguro X 
inseguro (realizado em clinicas clandestinas) 
 
ETIOLOGIAS 
o Alterações cromossômicas: 
▪ 50-60% 
▪ Aborto precoce 
▪ Trissomias: 13, 16, 18, 21 e 22 
▪ Monossomia 
▪ Triploidia 
▪ Tetraploidia (raro) 
o Alterações endócrinas: 
▪ Defeitos de fase lútea 
▪ Diabetes tipo 1 mal controlada 
▪ Hipotireoidismos e anticorpos 
antitireoidianos 
▪ SOP: hiperinsulinemia, elevação de LH e 
androginismo 
o Alterações anatômicas: 
▪ Incompetência istmo cervical: 
abortamento tardio ou parto prematuro 
extremo 
▪ Miomas: principalmente submucosos e 
intramurais, depende do tamanho e da 
quantidade de miomas 
▪ Útero bicorno: didelfo ou septado 
 
 
o Alterações imunológicas (habitual): Síndrome 
do Anticorpo Antifosfolipídeo (SAAF) 
▪ Trombofilia autoimune associada a 
tromboses arteriais e venosas 
▪ Perda fetal 
▪ Risco aumentado de hipertensão, pré-
eclampsia, prematuridade e trombose 
NOTA: Diagnóstico (1 clinico + 1 laboratorial): 
➢ 1 ou + episódios de trombose 
➢ 1 ou + morte intrauterina (>10s) 
➢ 1 ou + partos prematuros: eclampsia, PE 
➢ 3 ou + abortamentos consecutivos <10s 
➢ Anticorpo anticardiolipina 
➢ Anticorpo anticoagulante lupico 
➢ Anticorpo anti-beta-2-glicoproteína 
LARISSA MENEZES – AISM II 
 
 
NOTA: Tratamento 
➢ Sem evento trombótico: AAS e heparina de 
baixo peso profilático 
➢ Com evento trombótico: AAS e heparina de 
baixo peso terapêutica 
o Outras causas: 
▪ Trombofilias hereditárias: deficiência de 
antitrombina, proteínas C e S 
▪ Tabagismo 
▪ Álcool 
▪ Cafeína 
▪ Traumas 
 
FATORES DE RISCO 
o Idade materna avançada 
o Tabaco e álcool 
o Café em excesso 
o Cocaína e outras drogas 
o Sobrepeso 
o Usos de gases inalatórios e anestésicos 
 
FORMAS CLÍNICAS E CONDUTAS 
• 50% evoluem para aborto espontâneo 
• Não é o abortamento em si, não está 
evoluindo para o abortamento 
• Sangramento discreto, dor leve ou indolor, 
colo uterino fechado, altura de fundo 
compatível com a idade gestacional, beta 
positivo 
• USG: saco gestacional regular, embrião com 
atividade subcoriônico, BCF+ 
 
• Conduta: repouso relativo, abstinência 
sexual, antiespasmódico (buscopan 
composto, Atroveran), apoio psicológico, 
progesterona (uso controverso, porque atua 
bem se for incompetência do corpo luteo) 
• Seguimento da gestação a depender da sua 
evolução 
• Não consegue segurar mais com medida 
expectante, é aguardar a resolução 
• Sangramento intenso, doloroso, colo uterino 
aberto, AFU não compatível com IG, beta 
positivo 
• USG: descolamento ovular > 40%, saco 
gestacional na região do istmo ou colo/vagina 
 
• 70% resolução espontânea 
• Conduta: internamento, hidratação, 
esvaziamento (quando não ocorrer resolução 
espontânea), isoimunização Rh (se for Rh-) 
• Sangramento discreto, indolor, colo uterino 
fechado, AFU < IG, beta descendente ou 
negativo 
• USG: embrião ausente, cavidade uterina 
homogênea, hematométrio discreto, 
espessamento endometrial de até 1,5cm 
 
LARISSA MENEZES – AISM II 
 
• Conduta: acompanhamento ambulatorial, 
sintomáticos para dor, se for Rh- faz 
imunoglobulina Rh 
NOTA: O beta demora 15 a 20 dias diminuindo! 
• Sangramento variável, dor 
intensa/moderada, colo uterino fechado ou 
aberto, AFU < IG, beta decrescente ou 
negativo 
• O que diferencia do abortamento completo é 
o espessamento endometrial na USG 
• USG: embrião ausente, material ecogênico na 
cavidade uterina, hematométrio, endométrio 
irregular e espessado (>1,5cm) 
 
• Conduta: esvaziamento (para evitar um 
aborto infectado) e imunoglobulina Rh se a 
mãe for Rh- 
• Não tem muitos sintomas, geralmente só 
descobre em uma USG de acompanhamento 
do pré-natal 
• Sem sangramento, indolor/sem sintomas da 
gestação, AFU<IG, colo fechado, beta negativo 
ou decrescente 
• Na maioria das vezes evolui para abortamento 
espontâneo 
NOTA: Se a gestação tiver menos de 7 semanas, 
deve repetir a USG em 15 dias 
NOTA: O BCF é detectado com o CCN > 7mm 
• USG: embrião sem vitalidade, CCN>ou=7mm 
com ausência de atividade cardíaca fetal (BCF 
ausente) 
 
• Conduta: expectante, esvaziamento 
NOTA: Gestação embrionada 
➢ Desenvolveu saco gestacional e vesícula 
vitelínica sem embrião 
➢ SG > 25mm ou >6semanas sem ser visto 
embrião 
 
• Na maioria das vezes é complicação do 
abortamento incompleto + manipulação da 
cavidade uterina 
▪ Infecção polimicrobiana: Endometrite → 
Polimetrite → Sepse → Morte materna 
• Sangramento variável, as vezes com odor 
• Doloroso, sinais de peritonite 
• Colo aberto ou fechado 
• Febre, taquicardia, anemia 
• USAG: variável, com restos ou coleções 
purulentas ou endométrio espessado 
• Beta negativo (20 a 25 dias de abortamento) 
• Conduta: internamento, monitorização, 
exames, antibioticoterapia 24 horas antes e 
após realiza o esvaziamento 
▪ Clindamicina 600mg EV 6/6h + 
Gentamicina 1,5mg/kg EV 24/24h ou 8/8h 
(NÃO ULTRAPASSAR 240mg) → Se não 
houver resposta, associa a Ampicilina 2g EV 
6/6h 
LARISSA MENEZES – AISM II 
 
▪ Ampicilina 2g EV 6/6h + Gentamicina 
1,5mg/kg EV 24/24h ou 8/8h (NÃO 
ULTRAPASSAR 240mg) + Metronidazol 
500mg EV 8/8h 
 
ESVAZIAMENTO 
o Tratamento medicamentoso: 
▪ Cytotec (Misoprostol) 200mcg: uso 
hospitalar restrito → Dose depende da IG 
▪ 1º trimestre, aborto espontâneo, dor leve 
e sem sinais de infecção 
▪ Preparo do colo para esvaziamento 
▪ Repetir USG com 24-48 horas apara avaliar 
endométrio, se o material foi eliminado ou 
não e se vai precisar do tratamento 
cirúrgico 
o Tratamento cirúrgico: 
▪ Esvaziamento uterino é obrigatório em 
gestações mais avançadas 
▪ Curetagem uterina, IG>12 semanas; se feto 
deve usar o misoprostol primeiro! 
 
▪ AMIU (aspiração manual intraútero): 
IG<12 semanas; menor risco de perfuração 
e de sinéquias 
 
 
GESTAÇÃO ECTÓPICA 
 
 Gestação cuja implantação e desenvolvimento 
do ovo ocorrem fora da cavidade corporal do 
útero 
 O local mais comum é na tuba e nessa, na 
região ampular 
 
 Principais causas: lesão tubária e alteração do 
transporte ovular 
 Fatores de risco: DIP, DIU, cirurgia tubaria 
previa, gestação ectópica prévia, reprodução 
assistida, anticoncepção de emergência, início 
precoce da atividade sexual/múltiplos 
parceiros e tabagismo 
 
GESTAÇÕES NORMAIS 
o USG TCG: saco gestacional intraútero em 4-5 
semanas 
o bHCG: 1500-2000 (no mínimo duplica em 48h) 
 
 
DIAGNÓSTICO 
o Dor abdominal (90%) 
o Sangramento 
o Atraso ou irregularidade menstrual 
o A tríade completa acontece em menos de 50% 
dos casos 
LARISSA MENEZES – AISM II 
 
o Suspeita clinica + bHCG 
o USG TVG: 
▪ Imagem sugestiva de GE (sem saco 
gestacional, sem embrião): solicita bHCG 
seriado → Se <2000 repete o bHCG e USG 
TVG em 48h → Se não duplica ou sem saco 
gestacional ou >2000 é gestação ectópica 
▪ Saco gestacional ectópico/embrião com 
BCF 
 
 
TRATAMENTO 
o Cirúrgico X Clínico 
o Salpingectomia: retira a tromba 
 
o Salpingostomia: retira apenas o material e 
mantem a trompa integra 
 
o Expectante 
o Metotrexato (MTX): 
▪ Quimioterápico 
▪ Dose única de 50mg/m² 
▪ Dia um: dosagem de bHCG sérico + MTX 
▪ Dia 4: dosagem de bHCG sérico 
▪ Dia 7: dosagem de