A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Direito do Consumidor - Leis Especiais para Concursos - Leonardo Garcia (2019)

Pré-visualização | Página 9 de 50

atividades de produção, montagem, criação, construção, 
t ransformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização 
de produt os ou prestação de serviço." 
- " Produto é qualquer bem, desde que materia l, podendo ser móvel ou 
imóvel." 
"Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, com 
oUJ sem remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de 
crédito e securi tária." 
Gabarito: as três afirmativas estão erradas. 
.. 
.37 
38 
rfuiQ 
/ / / ·~~~ ~,. 
DIREITO DO CONSUMIDOR - Leonardo Garcia ~ 
• TJ/SC-Juiz de Direito Substituto - SC/2013. ~ 
~~~------· 1 
"As empresas seguradoras, 1~m razão da natureza do contrato de seguro, 
disciplinado pelo Código Civil (arts. 757 a 802), estão regidas apenas por 
este último, protegidas da inicidência das normas do Código de Defesa do ~ , 
Consumidor." ~ 
Gabarito: A afirmativa está errada. Os seguras, de acordo com o parágrafo ;;! • :::~:~i::::: :·~;:::.bmetem oo coe. ~. 
"Para os efeitos do coe, não se considera fornecedor a pessoa jurídica 
pública que desenvolva atividade de produção e comercialização de pro- ~1 
dutos ou prestação de serviços." ~ 
Gabarito: A afirmativo está euado. A pessoa jurídica pública também pode 
ser fornecedora. 
• Juiz Federal - TRF 2!! Região - CESPE - 2009. 
- "Bens imateriais não são objeto de proteção das normas consumeristas." 
Gabarito: A afirmativo está errada. 
- "O conceito de fornecedor de bens e serviços de consumo abrange os 
entes despersonalizados." 
Gabarito: A afirmativa está correta. 
- "Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, seja 
remunerada ou não." 
Gabarito: A afirmativa está errada. 
• MP/RN (CESPE) 2009. 
- "Bem imateria l não pode s,er considerado produto." 
Gabarito: A afirmativa está errada. Bem imaterial pode ser produto. 
- "Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, inde-
pendentemente de remuneração, com exceção da atividade de natureza 
securitária, salvo se for decorrente de relação de caráter trabalhista." 
Gabarito: A afirmativa está errada. Precisa ser remunerado o serviço e a 
atividade de natureza securitória é abrangida pelo coe, pois consto expres-
samente do parágrafo 2!! do rart. 3º. 
• MP/AMAPÁ (CESPE) 2006. 
"Considera-se serviço, para fiins do Código de Defesa do Consumidor, toda 
atividade fornecida no mercado de consumo, independentemente de 
remuneração, salvo as decorrentes da relação trabalhista." 
Gabarito: A afirmativa está e,rrado. O serviço preciso ser remunerada para 
ser tratado pelo coe. 
3§) 
~ 
~ -... .. 
~ 
~ 
~ 
-
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
/0-. 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
-:::--' 
1 -
Código de Defesa do Consumidor - Lei nº 8.078 de 11.09.1990 Mil 
A chave para se encontrar a figura do fornecedor. está na expressão 
"desenvolvem atividade". Ou seja, somente será fornecedor o agente 
que pratica determinada atividade com habitualidade. 
Como exemplo, o STJ já decidiu que agência de viagem, quando vende 
veículo próprio, não atua como fornecedor, já que compra e venda de 
veículos não faz parte da atividade comercial da empresa. 
"As normas do Código de Defesa do Consumidor não se aplicam às 
relações de compra e venda de objeto totalmente diferente daquele 
que não se reveste da natureza do comércio exercido pelo vendedor. 
No caso, uma agência de viagem. Assim, quem vendeu o veículo não 
pode ser considerado fornecedor à luz do CDC."(STJ, AGA 150829/DF, 
Rei. Min. Waldemar Zveiter, DJ 11/05/1998) 
A-
JY Aplicação em concurso 
• TJ/BA - Juiz de Direito Substituto-BA/2012 - CESPE. 
"Para que determinada relação seja considerada de consumo, não é neces-
sária a habitualidade quanto ao fornecedor do produto." 
Gabarito: A afirmativa está errada. 
• Juiz Federal - TRF 5!! Região (CESPE) 2009. 
"A habitualidade insere-se tanto no conceito de fornecedor de serviços 
quanto no de produtos, para fins de incidência do CDC." 
Gabarito: A afirmativa está correta. 
• (FGV - Sefaz/RJ/Fiscal/2009). 
O Código de Defesa do Consumidor não se aplica às relações entre: 
A) a entidade de previdência privada e seus participantes. 
B) a instituição financeira e seus clientes. 
C) o comprador e o vendedor proprietário de um único imóvel, que lhe serve 
de residência. 
D) o comprador de veículo e a concessionária. 
E) a instituição de ensino e o estudante. 
Gabarito: Letra C. 
4.1. Cuidado com as questões que usam expressões visando limitar o 
conceito de fornecedor: "apenas", "somente", "exclusivamente", etc. 
Como visto, o conceito de fornecedor é bem amplo. O que irá delimitar 
o conceito não é a natureza da pessoa {se física ou jurídica, pública ou 
privada, nacional ou estrangeira). O que irá delimitar o conceito é se 
"desenvolvem atividade". 
39 
r 
40 
liHIA DIREITO DO CONSUMIDOR-Leonardo Garcia @= 
h 
/Y' Aplicação em concurso 
• TJ/SC - Juiz de Direito Substituto - SC/2013. 
Sobre o conceito legal de fornecedor, é correto afirmar: 
A) Fornecedor é exclusivamente a pessoa física ou jurídica, privada, nacional ou 
estrangeira, que desenvolvem atividade de produção, montagem, criação, 
construção, transformação, exportação, distribuição ou comercialização de 
produtos ou prestação de serviços. 
B) Apenas a pessoa física ou jurídica, privada, nacional ou estrangeira, que 
desenvolvem atividade de produção, montagem, criação, construção, 
transformação, importação, exportação e distribuição ou comercialização 
de produtos ou prestação de serviços é considerada fornecedor no Código 
de Defesa do Consumidor. 
Gabarito: ambas as afirmativas estão erradas. 
4.2. Fornecedor equiparado: teoria criada pelo professor Leonardo 
Bessa, sendo "aquele terceiro na relação de consumo, um terceiro apenas 
intermediário ou ajudante da relação principal, mas que atua frente a 
um consumidor[ ... ] como se fornecedor fosse". {MARQUES, Cláudia lima. 
Manual de Direito do Consumidor, p. 103-105) 
Exemplo de fornecedor equiparado são os bancos de dados, o estipulante 
profissional {o empregador} no caso de seguros de vida, etc. Leva-se em 
consideração a atividade desenvolvida pelo sujeito, não necessita, por-
tanto, conformar-se aos requisitos do caput do artigo 3º, bastando que 
a atividade, por si, apresente-se "potencialmente ofensiva a legítimos 
interesses presentes no mercado". 
h 
/Y Aplicação em' cbncur~o 
• FCC. DPE-PR.Defensor Público. 2017 
"O t erceiro intermediário ou ajudante da relação de consumo, como, 
por exemplo, os órgãos de proteção ao crédito, por não fazer parte da 
destinação fina l do produto ou do serviço, não é considerado como 
fornecedor." 
Gabarito: A afirmativa está errada. 
• CESPE. TRF-1. Juiz Federal. 2015 
"O fornecedor equiparado é o terceiro intermediário ou aquele que auxi-
lia na relação de consumo principal, a exemplo dos bancos de dados nos 
serviços de proteção ao crédito". 
Gabarito: A afirmativa está correta. 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
~ 
31& 
~ 
~ 
~ 
:li 
211 
~ 
:!I 
m 
~ 
::li) 
::: ,m) 
Código de Defosíl do Consumidor - Lei nº 8.078 de 11 .09.1990 tifiiQ 
5. O Estatuto do Torcedor, Lei 10.671/2003, no art. 3Q, equipara a fornece-
dor a entidade responsável pela organização da competição, bem como 
a entidade de prática desportiva detentora do mando de jogo. Assim, 
sendo as entidades envolvidas com as atividades esportivas equiparadas a 
fornecedores, os torcedores também serão considerados consumidores. 
A lei 9.615/98, que instit ui normas gerais sobre o desporto (chamada de 
Lei Pelé), preconiza no art . 42, § 3º que "o espectador pagante, por qual-
quer meio, de espetáculo ou evento desportivo equipara -se, para todos 
os efeitos legais, ao consumidor, nos termos do art. 2º da Lei nº 8.078, 
de 11 de setembro de 1990." 
A p Aplicação em concurso 
• MPE-SC. Promotor de Justiça Substituto. 2016 
"Equiparam-se ao fornecedor, nos termos da Lei nº 8.078/90, a entidade 
desportiva detentora do mando de jogo e a entidade responsável pela 
organização da competição,