A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
154 pág.
3a_disciplina_-_Carcinicultura

Pré-visualização | Página 6 de 31

tal. As estruturas são periodicamente desinfetadas, o acesso só é permitido 
a uma parcela de pessoal devidamente vestido e higienizado. Toda a água 
utilizada em um laboratório deve ser de alta qualidade, passa por filtros (para 
impedir que entrem predadores, doenças, bactérias, protozoários, etc.), po-
dendo ou não ser utilizados tratamentos químicos.
Como você deve ter percebido a reprodução em cativeiro não é algo tão 
simples assim, e requer toda uma infraestrutura física, além de pessoas bem 
treinadas. A produção em grande escala deve ter no mínimo 3 grandes seto-
res bem definidos (maturação, larvicultura e setor de produção de alimento 
vivo), mais estruturas de apoio.
5.2 Maturação
O setor de maturação de um laboratório de produção de pós-larvas de ca-
marões é aquele onde as matrizes são mantidas, onde se consegue as deso-
vas, até o “nascimento” dos náuplios, quando então são transferidos para 
o setor de larvicultura.
Em ambiente natural, o L. vannamei desova quase todo o ano, mas existem 
alguns períodos onde a desova é maior. A maturação e desova são contro-
ladas principalmente pelos hormônios gonadotróficos e repressor. Para a 
reprodução em cativeiro, além da manipulação de fatores ambientais (sali-
nidade, temperatura, oxigênio dissolvido na água, fotoperíodo, intensidade 
luminosa, minerais dissolvidos na água, etc.), é necessário que seja causado 
um desequilíbrio no hormônio supressor através da ablação do pendún-
culo ocular. 
5.3 Estrutura física 
Como estrutura física, o setor de maturação necessita de tanques para a 
manutenção dos reprodutores, geralmente circulares, de 2 a 5 metros de 
diâmetro, e que comportem uma coluna de água de no mínimo 50 cm. Es-
tes tanques são abastecidos com água salgada, com ar, possuem sistema de 
escoamento e aquecedores para manter a 
temperatura ótima de conforto (nas regiões tropicais não é necessário). A al-
tura mínima do tanque e da coluna de água é determinada pelo movimento 
de natação realizado pela espécie em questão (para evitar que os animais 
Maturação sexual – quando o 
indivíduo adulto já tem todos os 
órgãos sexuais desenvolvidos e 
está pronto para procriar.
Hormônio gonadotrófico 
– hormônio que estimula a 
reprodução dos camarões – 
efeito oposto ao gonadotrófico.
Hormônio supressor – 
hormônio que desestimula a 
reprodução – efeito oposto ao 
gonadotrófico.
Ablação – retirada de 1 olho da 
fêmea ou do seu conteúdo.
Carciniculturae-Tec Brasil 352
e-Tec Brasil353Aula 5 - Reprodução em laboratório 
pulem para fora do tanque) e também pelo manejo, sendo que quanto me-
nor a altura, mais fácil o manejo.
Tanques quadrados e retangulares permitem acúmulos de resíduos não de-
sejados nas quinas, sendo que os circulares permitem uma melhor circulação 
interna de água, estimulada pela entrada posicionada diagonalmente em 
relação às paredes do tanque, com uma convergência para o centro onde se 
localiza o dreno. Veja o esquema abaixo:
Figura 5.1 – Desenho Esquemático de um Tanque de Reprodutores
Fonte: autora
Além dos tanques dos reprodutores, são necessários tanques de desova e 
tanques para a incubação dos ovos, sendo que os 2 podem ou não ser inte-
grados. Estes tanques podem ser de diversas formas e volumes. Os cilíndrico-
-cônicos costumam ser mais práticos para a coleta de ovos e náuplios e de-
vem ter um volume adequado para acomodar o número de ovos e náuplios 
previstos (normalmente 90L/desova).
5.4 Indução hormonal
Os camarões normalmente possuem basicamente 2 hormônios que interfe-
rem diretamente na reprodução: o hormônio gonadotrófico, que estimula 
a reprodução; e o hormônio supressor, que reprime o desenvolvimento das 
gônadas (órgãos sexuais). Este último é produzido pelo órgão X, localizado 
na base dos olhos.
Para se obter maior número de desova, realiza-se em todo o mundo o pro-
cesso chamado de ablação. Consiste na retirada total ou apenas do conteú-
do de 1 dos olhos da fêmea para extração do órgão X. Desta forma há um 
desequilíbrio que permite as fêmeas desovarem a cada 3 ou 4 dias. Diz-se 
que a desova em cativeiro também é possível sem que seja feita a ablação, 
mas estas são bem menos frequentes.
Dreno
Entrada de água
Vista superior dos tanques de Reprodutores
Nível de água
Dreno
Entrada de água
Vista em corte dos tanques de Reprodutores
No processo de ablação, alguns laboratórios usam um anestésico local antes 
do procedimento para reduzir o sofrimento das matrizes. Esta técnica reduz 
a mortalidade e o tempo de recuperação, voltando a se alimentar e a nadar 
normalmente bem mais rápido.
Voce sabia?
Quando o camarão está em processo de ecdise (troca de “casca”), ele 
não consegue se reproduzir porque os hormônios da ecdise e da matu-
ração atuam de forma contrária no animal. 
5.5 Manipulação de fatores ambientais 
Para a maturação dos órgãos sexuais é necessário que seja feita a manipula-
ção de vários itens, listados abaixo:
•	 Fotoperíodo e intensidade luminosa: os reprodutores costumeira-
mente são expostos à iluminação natural ou artificial (usando lâmpadas) 
de 13 a 14 horas, com uma determinada intensidade luminosa, e 10 a 11 
horas de escuro. Se a iluminação for artificial, deve-se intercalar “perío-
dos de pôr do sol e nascer do sol” com lâmpadas coloridas. 
•	 Temperatura: da água deve ser mantida entre 29 e 30 graus.
•	 Densidade demográfica: a densidade varia, mas normalmente fica em 
torno de 1 camarão por m². Normalmente, a proporção é de 1 macho 
para cada fêmea, sendo que pode variar de acordo com o laboratório e 
a espécie utilizada.
•	 Renovação de água: normalmente fica entre 150 a 200%
•	 Renovação do plantel: devido ao enorme desgaste das fêmeas (deso-
vas muito frequentes), os reprodutores costumam ser renovados a cada 
60 dias.
•	 Oxigênio dissolvido: a quantidade de oxigênio dissolvido deve ser 
mantida sempre alta, pois a renovação de água, a matéria orgânica e os 
aeradores no tanque têm influência direta.
•	 Salinidade: ao contrário da engorda que pode ser feita em água salo-
bra, os reprodutores precisam de água salgada.
Fotoperíodo - a relação 
entre horas de luz e horas de 
escuridão.
Carciniculturae-Tec Brasil 354
e-Tec Brasil355Aula 5 - Reprodução em laboratório 
Lembrar!!! 
Os camarões se reproduzem no oceano, então precisam de condições 
semelhantes para produzir bons resultados!!
5.6 Alimentação
Os reprodutores necessitam de uma alimentação especial e balanceada para 
suprirem o grande gasto de energia utilizado no processo de maturação das 
gônadas. Além de muitas calorias, é necessário que a alimentação seja rica 
em vitaminas, em minerais, em gorduras, em proteínas de alta qualidade. 
Os ácidos graxos devem ser do tipo ômega 3 e 6, pois serão as “matérias 
primas” dos ovos e dos espermatozoides.
Para garantir que todas as necessidades nutricionais sejam supridas, costu-
ma-se oferecer uma grande diversidade de alimentos, dentre os quais cita-
mos: biomassa de artêmia salina, marisco, lula, ova, poliqueta marinho, 
minhocas, ração, etc. Todos estes ingredientes devem ser crus, para manter 
os níveis de vitamina e proteínas. Existe a preferência por alimentos frescos 
(o processo de congelamento rancidifica parte das gorduras e diminui a qua-
lidade das mesmas, e cria cristais de gelo que rompem as células e derramam 
parte do conteúdo), e por peixes/lulas de águas mais frias e profundas, por-
que os níveis de ômega 3 e 6 são consideravelmente maiores nestes.
Principalmente as fêmeas de L. vannamei alimentam-se ao longo das 24 
horas do dia para repor toda a energia gasta de uma desova para a outra, o 
que implica em várias refeições ao longo do dia.
5.7 Manejo/procedimentos
As fêmeas de camarão branco copulam no final da tarde, sendo que a deso-
va normalmente acontece no período da noite, entre as 20 e 24h, quando 
todo o conteúdo de óvulos é liberado pelo orifício genital. A fertilização 
acontece neste momento, com a fêmea escarificando o espermatóforo.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.