A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
Neurotransmissores - P1

Pré-visualização | Página 3 de 4

abrem em 
resposta a forças físicas, como pressão 
• Os canais iônicos dependentes de ligante 
da maioria dos neurônios respondem a uma 
grande variedade de ligantes, como 
neurotransmissores e neuromoduladores 
extracelulares ou moléculas sinalizadoras 
intracelulares. 
• Os canais iônicos dependentes de 
voltagem respondem a mudanças no 
potencial de membrana da célula. Os 
canais de Na+ e K+ dependentes de 
voltagem possuem um importante papel na 
inicialização e na condução dos sinais 
elétricos ao longo do axônio 
• Canais de vazamento são canais com 
portão dependentes de voltagem que 
permanecem abertos na faixa de voltagem 
do potencial de membrana em repouso, ou 
seja, na maioria do tempo estão abertos 
Muitos canais que abrem em resposta à 
despolarização se fecham somente quando 
a célula repolariza. 
POTENCIAL DA MEMBRANA EM 
REPOUSO: 
-70Mv 
Lídia M Negrão – Med 4 
 
 
A CÉLULA QUE APRESENTA 
POTENCIAL DE MEMBRANA é 
considerada POLARIZADA. 
• Existe em razão de um pequeno 
acúmulo de íons negativos no citosol 
e um acúmulo igual de íons 
positivos no liquido extracelular. 
• Esse acúmulo de carga acontece 
apenas muito próximo da 
membrana, em outras partes do 
citosol e do líquido e extracelular, o 
acúmulo de cargas é igual 
É mantido pela bomba de sódio e potássio, 
bombeiam o Na+ para fora com a 
mesma rapidez com que entra. Ao 
mesmo tempo, trazem K+ para dentro. 
Expulsam três íons Na+ para cada dois 
íons K+ importados 
Permeabilidade da membrana é menor ao 
Na+ que ao K+ quando a célula está em 
repouso; isso produz uma carga negativa 
no interior da membrana celular 
POTENCIAL GRADUADO: 
Os potenciais graduados nos neurônios são 
despolarizações (MAIS POSITIVO) ou 
hiperpolarizações (MAIS NEGATIVO) 
que ocorrem nos dendritos e no corpo 
celular. 
Essas mudanças no potencial de membrana 
são denominadas “graduadas” devido ao 
fato de que seu tamanho, ou amplitude, é 
diretamente proporcional à força do 
estímulo. Um grande estímulo causa um 
grande potencial graduado, e um 
estímulo pequeno vai resultar em um 
potencial graduado fraco 
Podem ser inibitórios ou estimulatórios 
Potenciais graduados perdem força à 
medida que se movem através do 
citoplasma devido ao vazamento de 
corrente e da resistência 
citoplasmática→“condução decrescente” 
Podem ser sublimiar→ Um potencial 
graduado começa acima do limiar (T) no 
seu ponto de iniciação, mas diminui sua 
força enquanto percorre o corpo celular. 
Na zona de gatilho (cone de implantação), 
ele está abaixo do limiar e, portanto, não 
inicia um potencial de ação. OU 
supralimiar→ Um estímulo mais forte no 
mesmo ponto do corpo celular gera um 
potencial graduado que ainda está acima 
do limiar no momento em que ele chega à 
zona de gatilho, resultando em um 
potencial de ação 
Somação pode ser temporal ou espacial, e 
ela diz respeito sobre a geração de um 
potencial de ação ou não, devido a 
agregação de potenciais graduados 
A somação espacial nem sempre é 
excitatória. Se a somação evitar um 
potencial de ação na célula pós-sináptica, 
essa somação é denominada inibição pós-
sináptica 
A somação de potenciais graduados 
demonstra uma característica-chave dos 
neurônios: a integração pós-sináptica. 
• Quando múltiplos sinais atingem um 
neurônio, a integração pós-sináptica 
gera um sinal com base na força e na 
duração relativa dos sinais. Se o 
sinal integrado está acima do limiar, 
o neurônio dispara um potencial de 
ação. Se o sinal integrado esta 
Lídia M Negrão – Med 4 
 
 
abaixo do limiar, o neurônio não 
dispara. 
POTENCIAL DE AÇÃO: 
• Exclusivo do axônio 
• Efeito estimulatório 
• Depende do potencial graduado para 
acontecer 
• São causados pela despolarização da 
membrana além do limiar 
• São unidirecionais 
• Faz autoregeneração→ 
retroalimentação positiva 
Ocorre o principio do “tudo ou 
nada” 
O POTENCIAL DE AÇÃO É UMA 
ALTERAÇÃO NO POTENCIAL DE 
MEMBRANA QUE OCORRE QUANDO 
CANAIS IÔNICOS DEPENDENTES DE 
VOLTAGEM SE ABREM, 
INICIALMENTE AUMENTANDO A 
PERMEABILIDADE DA CÉLULA AO 
NA+ (QUE ENTRA) E 
POSTERIORMENTE AO K+ (QUE 
SAI). O INFLUXO (MOVIMENTO 
PARA DENTRO DA CÉLULA) DE NA+ 
DESPOLARIZA A CÉLULA. ESSA 
DESPOLARIZAÇÃO É SEGUIDA PELO 
EFLUXO (MOVIMENTO PARA FORA 
DA CÉLULA) DE K+, QUE 
RESTABELECE O POTENCIAL DE 
MEMBRANA DE REPOUSO DA 
CÉLULA. 
A primeira parte, chamada de FASE 
ASCENDENTE, é caracterizada por uma 
RÁPIDA DESPOLARIZAÇÃO DA 
MEMBRANA. 
Essa alteração no potencial de membrana 
continua até o Vm atingir o valor máximo 
de pico, de aproximadamente 40 mV. 
• A parte do potencial de ação em que 
o lado de dentro do neurônio está 
carregado positivamente em relação 
ao lado externo é chamada de pico 
de ultrapassagem. 
 
• A fase descendente do potencial de 
ação é uma rápida repolarização do 
meio interno da membrana até ele 
ficar, de fato, mais negativo que o 
potencial de repouso. A última parte 
da fase descendente é chamada de 
undershoot, ou hiperpolarização pós-
potencial. Por fim, há uma 
restauração gradual do potencial de 
repouso. 
O potencial de ação não perde força ao se 
distanciar do seu ponto de origem pois são 
“reabastecidos” constantemente 
Lídia M Negrão – Med 4 
 
 
Um potencial de ação inicia quando um 
potencial graduado que atinge a zona de 
gatilho despolariza a membrana até o 
limiar ("55 mV) 
A condução do impulso elétrico ao longo 
do axônio requer apenas alguns tipos de 
canais iônicos: canais Na+ dependentes de 
voltagem e canais de K+ dependentes de 
voltagem mais alguns canais de vazamento 
que auxiliam na manutenção do potencial 
de repouso da membrana. 
• Os potenciais de ação iniciam 
quando os canais iônicos 
dependentes de voltagem se abrem, 
alterando a permeabilidade da 
membrana para Na+ e K+ 
Obs: Canais de Na+ dependentes de 
voltagem possuem não apenas um, mas 
dois portões envolvidos na regulação do 
transporte de íons. Esses dois portões, 
conhecidos como portões de ativação e 
inativação, movem-se para a frente e para 
trás para abrir e fechar o canal de Na+ 
FASES DO PROCESSO: 
àAscendente: 
1. A fase ascendente ocorre devido a 
um aumento súbito e temporário da 
permeabilidade da célula para Na+ 
2. Conforme a célula despolariza, 
canais de Na+ dependentes de 
voltagem abrem-se, tornando a 
membrana muito mais permeável ao 
sódio. Então, Na+ flui para dentro da 
célula, a favor do seu gradiente de 
concentração e atraído pelo 
potencial de membrana negativo 
dentro da célula 
3. O aumento de cargas positivas no 
líquido intracelular despolariza 
ainda mais a célula 
4. Assim que o potencial de membrana 
da célula fica positivo, a força 
elétrica direcionando o Na+ para 
dentro da célula desaparece 
5. O potencial de ação atinge seu pico 
em 30 mV quando os canais de Na+ 
presentes no axônio se fecham e os 
canais de potássio se abrem. 
à Descendente 
1. A fase descendente corresponde ao 
aumento da permeabilidade ao K+ 
2. Contudo, os canais de K+ abrem-
se muito mais lentamente, e o pico 
da permeabilidade ocorre mais tarde 
do que o do sódio 
3. Quando os canais de Na+ se 
fecham durante o pico do potencial 
de ação, os canais de K+ recém se 
abriram, tornando a membrana 
altamente permeável ao potássio. 
Em um potencial de membrana 
positivo, os gradientes de 
concentração e elétrico do K+ 
favorecem a saída do potássio da 
célula. À medida que o K+ se move 
para fora da célula, o potencial de 
membrana rapidamente se torna 
mais negativo, gerando a fase 
descendente do potencial de ação e 
levando a célula em direção ao seu 
potencial de repouso de -70mV 
4. O potássio continua saindo da 
célula tanto pelos canais de K+ 
dependentes de voltagem quanto 
pelos canais de vazamento de 
potássio, e a membrana fica 
hiperpolarizada, aproximando-se do 
EK de " 90 mV 
Lídia M Negrão – Med 4 
 
 
 
DESPOLARIZAÇÃO:caráter excitatório 
que significa a redução de cargas negativas 
no interior da célula. Ocorre quando os 
canais iônicos de Na+ são abertos;