A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
Desafio

Pré-visualização | Página 1 de 5

Desafio 
Mariana completou 65 anos de vida tendo contribuído durante 40 anos para a 
previdência. Embora não tenha se aposentado, Mariana tem uma preocupação 
que a inquieta: quer saber se já possui condições para se aposentar. Assim, ela 
procura um advogado, o qual analisa o caso e diz que, mesmo não tendo 
requerido a aposentadoria, Mariana já tem um direito adquirido. 
A partir do caso apresentado, responda à seguinte pergunta: 
O que é direito adquirido? 
 
Padrão de resposta esperado 
Consideram-se adquiridos os direitos que o seu titular, ou alguém por ele, possa exercer, 
como aqueles cujo começo do exercício tenha termo prefixo, ou condição preestabelecida, 
inalterável a arbítrio de outrem. Por exemplo, se Maria Mascarenhas adquire o direito de 
se aposentar aos 65 anos de idade e ela já tenha essa idade, mesmo que haja uma 
alteração da lei aumentando a idade mínima para aposentadoria para 70 anos, essa lei 
não prejudicará Maria Mascarenhas. Isso pelo fato de que ela preencheu a condição de 65 
anos de idade ao tempo da lei anterior. 
 
As fontes do Direito são, de modo geral, de onde nasce, brota o direito. Essas fontes 
podem ser primárias ou secundárias. As fontes formais são normas emanadas do 
Poder Legislativo. De acordo com as fontes do Direito, NÃO podemos afirmar: 
Os usos e costumes nada acrescentam ao Direito. 
Por que esta resposta é a correta? 
São fontes secundárias os usos e costumes, que muito contribuem para a evolução do 
direito. 
A hora extra, que deve ser paga apenas quando houver trabalho extra, não se 
incorpora ao salário. Contudo, se o cumprimento da hora extra pelo empregado for 
rotineiro, os valores devidos a esse título serão incorporados ao salário do 
empregado. Trata-se de usos e costumes que geram direitos. NÃO está de acordo 
com a ideia de fontes do Direito: 
As fontes do Direito são exclusivamente as leis. 
Por que esta resposta é a correta? 
As fontes do direito são múltiplas, podendo ser os costumes, a doutrina, a jurisprudência e, 
também, as leis. 
O Direito pode ser entendido como o conjunto de regras que regulamenta a vida em 
sociedade em um dado momento da história de um povo. Sobre o tema, pode-se 
afirmar CORRETAMENTE que: 
As regras podem ser criadas pela vontade das partes. 
Por que esta resposta é a correta? 
As regras podem ser criadas pela vontade das partes, por exemplo, por meio de um contrato. 
Neste caso, as pessoas estipulam regras entre si para serem por elas cumpridas. Por 
exemplo, um contrato de prestação de serviços de pintura de uma casa. De um lado alguém 
se obriga a pintar a casa e, de outro, alguém se obriga a pagar o preço estipulado. 
O poder é dividido em funções, a saber: executiva, legislativa e judiciária. Ao 
Executivo, cabe administrar o governo. Ao Legislativo, compete criar e elaborar as 
leis que disciplinam a vida em sociedade. Ao Judiciário, compete julgar os conflitos 
havidos na sociedade segundo as leis. Sobre o tema, NÃO se pode afirmar: 
As regras, desde que surgiram, foram escritas em papel ou mesmo em papiro, unicamente. 
Por que esta resposta é a correta? 
As regras, em épocas muito remotas, eram redigidas em rochas, foram sendo aperfeiçoados 
e, atualmente, são os Códigos que possuímos, tais como o Código Penal e o Código Civil. 
 
Dada a necessidade de que todo cidadão entenda razoavelmente bem das normas que 
regulamentam a sua vida em sociedade, a sua profissão, o seu patrimônio, entre 
outros, diversos cursos superiores ou mesmo do ensino médio dão noções gerais de 
Direito para que todos consigam compreender os limites, as responsabilidades, os 
deveres e os direitos que possuímos. Sobre o tema, NÃO se pode afirmar: 
Consideram-se adquiridos os direitos antes do preenchimento dos seus requisitos. 
Por que esta resposta é a correta? 
Consideram-se adquiridos assim os direitos que o seu titular, ou alguém por ele, possa 
exercer, como aqueles cujo começo do exercício tenha termo pré-fixo ou condição 
preestabelecida inalterável, a arbítrio de outrem. Por exemplo, se Maria Mascarenhas 
adquire o direito de se aposentar aos 65 anos de idade e ela já tenha essa idade, mesmo 
que haja uma alteração da lei aumentando a idade mínima para aposentadoria para 70 anos, 
essa lei não prejudicará Maria Mascarenhas. Isso pelo fato de que ela preencheu a condição 
de 65 anos ao tempo da lei anterior. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Desafio 
O Município de Sucupira, por meio da Câmara Municipal, criou uma lei para 
criminalizar a conduta de homicídio e atribuir a pena, que pode ser de 20 anos 
de reclusão até a prisão perpétua. O prefeito municipal alertou o presidente da 
câmara que essa lei não prosperaria, pois não estaria de acordo com a 
Constituição da República. Não obstante, o presidente da câmara, medindo 
forças com o prefeito, decidiu que assim seria. 
A partir do caso apresentado, responda: 
- O Município pode criar um crime e atribuir pena àqueles que o praticarem? Para 
responder, considere que há uma divisão de competência por assuntos, fixada 
na Constituição da República. 
 
A Constituição da República reparte a competência entre os entes da federação e divide 
os assuntos que competem a cada um desses entes. Assim, compete privativamente à 
União legislar sobre Direito Penal. Portanto, não caberia ao município criar um crime e 
atribuir pena àqueles que o praticarem. 
 
É comum afirmar que o Direito é uno. Isto é, não se admite a existência de dois 
ordenamentos ou sistemas jurídicos dentro de um mesmo estado/país. NÃO se pode 
afirmar: 
A primeira norma, considerada como fundamental, é a Constituição da República. No Brasil, 
a Constituição vigente é de 1964. 
Por que esta resposta é a correta? 
No Brasil, a Constituição vigente é de 1988. Em 1964 tivemos um Golpe Militar no país e 
diversos direitos civis foram suspensos. 
 
As normas definidas na Constituição devem ser observadas por todos. Além disso, 
não pode haver qualquer outra norma dentro do nosso país que vá contra as normas 
previstas na Constituição. Assim, NÃO se pode afirmar que: 
Os contratos e acordos particulares podem dispor regras diferentes daquelas definidas pela 
lei, mesmo que contrarie a ordem pública definida pela legislação. 
Por que esta resposta é a correta? 
Os contratos e acordos particulares podem ser criados pela vontade das partes para reger 
a vida dos contratantes, mas não podem contrariar matérias de ordem pública definidas por 
lei ou pela Constituição. 
O direito é uno. Contudo, é feita uma divisão, ou seja, uma "dicotomia" em ramos. 
Isso facilita tanto o tratamento das matérias de cada ramo — pois obedecem a um 
mesmo regramento — quanto facilita o aprendizado do Direito. Assim, NÃO se pode 
afirmar: 
Foi abandonada pela doutrina a divisão Direito Público e Direito Privado. 
Por que esta resposta é a correta? 
A rigor, para fins didáticos, ainda é utilizada a divisão Direito Público e Direito Privado. 
Contudo, dentro de cada um desses grandes ramos, têm-se novas subdivisões. 
O Direito Público refere-se ao conjunto das normas jurídicas de natureza pública, 
compreendendo tanto o conjunto de normas jurídicas que regulam a relação entre o 
particular e o Estado, como o conjunto de normas jurídicas que regulam as 
atividades, as funções e organizações de poderes do estado e dos seus servidores. 
É considerado sub-ramo do Direito Público Interno: 
Direito Constitucional 
Por que esta resposta é a correta? 
É considerado sub-ramo do Direito Público Interno que estrutura o sistema constitucional 
brasileiro. 
O Direito Privado tem a função de regular as relações entre os particulares, 
levantadas em seu nome pessoal e proveito. Trata-se de um ramo do Direito 
constituído pelo Direito Civil e pelo Direito Comercial, entre outros. É considerado 
sub-ramo do Direito Privado: 
Direito Comercial 
Por que esta resposta é a correta? 
Trata-se de sub-ramo do Direito Privado, também chamado de Direito Empresarial, que 
cuida da regulamentação