A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
Métodos Imunológicos

Pré-visualização | Página 4 de 4

anticorpo possui ou um componente do 
tipo ponte ou um componente detectável. Mas por que da 
existências deste passo, se estes componentes podem ser 
colocados diretamente nos primeiros anticorpos? Isto está 
principalmente relacionado com a dificuldade de se 
modificar um anticorpo, ou seja, colocar nele algum 
componente. Usando o segundo anticorpo, dispensa a 
modificação do primeiro anticorpo, sendo possível desta 
forma produzir primeiros anticorpos contra vários antígenos 
e modificar somente o segundo anticorpo. A montagem de 
todos os componentes da imunodetecção pode ser vista na 
Figura 7. 
 A detecção pode ser feita de várias formas, como discutido no item 2.3.3. 
3.2.2 Imunocitoquímica 
 A imunocitoquímica usa o mesmo princípio da imunodetecção, isto é, a ligação 
específica do anticorpo detectável ao antígeno. A única diferença está na apresentação do 
antígeno, que em vez de estar sobre uma membrana se encontra no tecido fixado. Este 
método tem uma precisão menor quando comparado com a imunodetecção, mas tem como 
principal vantagem mostrar a localização cito e histológica do antígeno. 
 Os sistemas de detecção nesta técnica geralmente são a peroxidase / DAB 
(diaminobenzidina) + H2O2 ou então os fluoróforos discutidos no item 2.3.3.3. Usando 
diversos fluoróforos ligados a diferentes anticorpos é possível determinar em um mesmo 
tecido a colocalização de dois ou mais antígenos, fato muito importante para a pesquisa em 
biologia celular. 
 
Figura 8. Especificidade da 
imunodetecção. Somente a 
proteína específica é 
reconhecida. 
 
 
13 
 
Figura 9. Imunocitoquímica utilizando dois anticorpos. Foto da esquerda: Imunocitoquímica com um 
anticorpo contra uma cinase (verde) sendo o DNA corado com DAPI (azul); figura do meio: a 
mesma célula, corado com um anticorpo que reconhece γ-tubulina (vermelho), um 
componente do centrosomo. Figura da direita, sobreposição das outras duas imagens, 
mostrando a co-localização no centrosomo. 
3.2.3 Radioimunoensaio 
 Este método usa o antígeno marcado radioativamente e anticorpos para determinar a 
concentração de antígenos com uma precisão bastante elevada, sendo bastante usada para 
a determinação da concentração de hormônios. 
 Este método se baseia basicamente na reação reversível antígeno anticorpo. Como 
podemos ver na Figura 10 o antígeno marcado (At*) 
compete pelo anticorpo (Ac) com o antígeno não marcado 
(At) para formar o complexo AcAt (marcado ou não). 
Quando se adiciona o antígeno não marcado (cuja 
concentração é desconhecida) a reação Ac + At* em 
equilíbrio com AcAt* será deslocada para a esquerda, pois a concentração de um dos 
reagentes, isto é Ac, diminuiu, fazendo com que a concentração de AcAt* também diminua 
(segundo a lei de equilíbrio de Le Chatelier). Assim sendo, isolando-se o complexo AcAt 
(marcado ou não) e medindo-se a radiaoatividade deste complexo (com isso somente 
detectando AcAt*) será possível determinar At, que é justamente a concentração de antígeno 
que se pretende determinar. 
 Como em outros métodos quantitativos, estes métodos também exigem que se faça uma 
curva padrão (usando concentrações conhecidas de At) e comparar estes valores com os 
encontrados nas amostras desconhecidas. 
 Alguns variantes desta técnica podem usar, ao invés do antígeno marcado, anticorpo 
marcado, sendo o procedimento experimental bastante semelhante. 
 
Figura 10. Radioimunoensaio 
 
 
14 
3.2.4 ELISA 
 Esta técnica usa um princípio semelhante à imunodeteção, com a diferença que na 
ELISA o antígeno é preso a uma superfície (geralmente de poliestireno) através de um 
anticorpo. Uma vez o antígeno ligado ao anticorpo imobilizado, este complexo pode ser 
reconhecido por um outro anticorpo, desta vez ligado a uma enzima que possa produzir um 
composto facilmente detectável. 
 A grande vantagem desta técnica é que, como a detecção é uma reação enzimática, 
torna possível a detecção de quantidades muito reduzidas de antígeno pois permitindo que a 
reaão ocorra por um tempo elevado cosegue-se produzir uma quantidade considerável de 
alguma molécula detectável (fluoróforo). Um exemplo é a detecção do hormônio placental 
ganadotrofina corínica, um teste de gravidez bastante confiável. 
4. Conclusão 
 Os métodos imunológicos estão distribuído amplamente tanto na pesquisa como na 
análise bioquímica. Dentre as diversas vantagens destas técnicas, duas parecem ser as mais 
importantes para o grande sucesso destes métodos: A grande especificidade facilmente 
conseguida com os anticorpos e a grande sensibilidade destes métodos além da imensa 
diversidade e maleabilidade destas técnicas, uma vez que praticamente todos os 
componentes usados nestes métodos podem ser interligados, basta utilizar as pontes 
adequadas. 
 Estas características fizeram dos métodos imunológicos de grande utilidade em várias 
áreas das ciências biológicas e médicas, sendo o seu conhecimento fundamental tanto nas 
ciências básicas como nas aplicadas. 
5. Referências 
Alberts, B, Dennis, B., Lewis, J., Raff, M., Roberts, K., Watson, J. D., Molecular Biology of the 
Cell, 3rd Ed. Garland Publ. New York. (1995). 
Voet, D. Voet, J., Biochemistry, 2nd Ed. John Wiley & Sons, New York, (1995). 
Roitt, I., Brostoff, J., Male, D., Immunology, 2nd Ed. Gower Med. Publishing, London, (1989).

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.