A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
APOSTILA BÁSICA DE BIOSSEGURANÇA

Pré-visualização | Página 1 de 1

APOSTILA BÁSICA DE BIOSSEGURANÇA 
 
RESUMO PARA AVALIAÇÃO 
 
 
 
 
 
PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISES CLÍNICAS 
DOCENTE: RODRIGO P. DE CARVALHO 
MÓDULO: BIOSSEGURANÇA 
 
 
 
DEFINIÇÕES 
 
1 - BIOSSEGURANÇA 
 Conjunto de normas e procedimentos considerados seguros e adequados à 
manutenção da saúde em atividades de risco de aquisição de doenças 
profissionais. (Hoefel & Schneider, 1997) 
É o conjunto de ações voltadas para: prevenção, minimização ou eliminação de 
riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento 
tecnológico e prestação de serviços, as quais possam compromete: a saúde do 
Homem, dos animais, das plantas, do ambiente ou a qualidade dos trabalhos 
desenvolvidos. 
fonte: Comissão de Biossegurança – FIOCRUZ (Texeira & Valle, 1996) 
 
 
 2 – PERIGO - RISCO 
 
Perigo 
É a fonte, não varia, é estático. 
Uma ou mais condições, físicas ou químicas, com potencial para causar danos às 
pessoas, à propriedade, ao meio ambiente ou à combinação desses. 
Quanto maior é a exposição ao perigo, o risco sempre aumenta. 
Risco 
O risco é dinâmico, variável, móvel. 
Probabilidade de ocorrer um evento bem definido no espaço e no tempo, que 
causa dano à saúde, às unidades operacionais, ou dano econômico/financeiro. 
Não existe risco zero, mas a possibilidade de minimizá-lo ou alterá-lo para níveis 
considerados aceitáveis e seguros. 
 
 
 
 
3 - IMPRUDÊNCIA – IMPERÍCIA – NEGLIGÊNCIA 
IMPRUDÊNCIA 
Ocorre quando se deixa de respeitar qualquer norma, procedimento ou técnica que 
lhe ofereça segurança. 
É a atitude precipitada do agente, que age com afoiteza, sem cautelas, não usando 
de seus poderes inibidores, criação desnecessária de um perigo. Veja art. 18, II do 
Código Penal. 
NEGLIGÊNCIA 
Ocorre quando se age com desleixo, podendo prejudicar o próprio bem estar. 
É a inércia psíquica, a indiferença do agente que, podendo tomar as devidas 
cautelas exigíveis, não o faz por displicência, relaxamento ou preguiça mental. Veja 
art. 18, II, do Código Penal. 
IMPERÍCIA 
Ocorre quando se é imperito na prática de uma ação e todos os conceito e 
habilidades que ela envolve. 
É a incapacidade, a falta de habilidade específica para a realização de uma 
atividade técnica ou científica, não levando, o agente, em consideração o que sabe 
ou deveria saber. 
A imperícia se revela pela ignorância, inexperiência ou inabilidade sobre a arte ou 
profissão que pratica. 
IMPRUDÊNCIA - NEGLIGÊNCIA - IMPERÍCIA 
São formas culposas que geram responsabilidade civil e/ou criminal pelos danos 
causados. Ver art. 18, II do Código Penal e arts. 617 e 951 do Código Civil 
 
4 - EFICIÊNCIA - EFICÁCIA 
EFICIÊNCIA 
Produtos e Equipamentos - Atende ao uso 
Pessoas - Consiste em fazer certo as coisas 
 
EFICÁCIA 
Produtos e Equipamentos - Adequado ao uso 
Pessoas - Consiste em fazer as coisas certas 
 
 
5 - ACIDENTE 
É a Concretização de um risco. 
 Todo acidente tem sempre várias causas 
INTERPRETAÇÃO DA BIOSSEGURANÇA 
A Biossegurança não busca um culpado e sim - FALHAS DE PROCESSOS 
 que em conjunto levaram ao ACIDENTE. 
 
 
6 - CLASSES DE RISCO E NÍVEIS DE BIOSSEGURANÇA 
 
CLASSE DE RISCO 
04 Classes 
Grau de risco associado ao agente biológico manipulado. 
 
NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 
04 Níveis 
Consiste na combinação de práticas e técnicas de laboratório, equipamentos de 
segurança e instalações laboratoriais. 
 
7 - CONDUTAS DE BIOSSEGURANÇA E BOAS PRÁTICAS 
LABORATORIAIS – BPL 
Para aplicar as boas práticas de trabalho hospitalares e laboratoriais: 
EVITE 
Utilizar adornos durante procedimentos técnicos. 
RETIRE 
Anéis, Pulseiras, Relógios, Brincos, Cordões, Piercings e Maquiagem. 
IMPORTANTE 
Higienizar as mãos antes e depois de qualquer procedimento. 
 
FINALIDADE 
Remover os microrganismos que colonizam as camadas superficiais da pele, assim 
como o suor, a oleosidade e as células mortas, retirando a sujidade propícia à 
permanência e à proliferação de microrganismos. 
Duração do procedimento: 40 a 60 segundos. 
IMPORTANTE 
• No caso de torneiras com contato manual para fechamento, sempre utilizar 
 papel-toalha. 
• O uso coletivo de toalhas de tecido é contra-indicado, pois estas permanecem 
 úmidas, favorecendo a proliferação bacteriana. 
• Deve-se evitar água muito quente ou muito fria na higienização das mãos, a 
 fim de prevenir o ressecamento da pele. 
 
8 - BARREIRAS DE CONTENÇÃO 
Barreiras primárias são: 
Equipamentos de segurança - EPI e EPC 
Barreiras secundárias são: 
Planejamento e Construção da Instalação 
Instalações de pressão negativa, ventilação controlada, sala limpa etc... 
 
Equipamentos de Proteção Individual 
EPI - aventais, luvas, máscaras, óculos de segurança, touca ou gorro descartável 
etc. 
Equipamentos de Proteção Coletiva 
EPC - proteção contra radiação, cabines de segurança biológica, Capela de 
exaustão química etc. 
 
 
 
9 - GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 
• RESOLUÇÃO RDC Nº. 222, DE 28 DE MARÇO DE 2018. 
Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). 
Regulamenta as Boas Práticas de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de 
Saúde e dá outras providências. 
 
Estipula a elaboração e cumprimento do PGRSS – Plano de Gerenciamento de 
Resíduos de Serviço de Saúde. 
• Resolução n° 358, de 29 de abril de 2005 
Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) 
Dispõe sobre o tratamento e destinação final dos resíduos de serviço de saúde e 
dá outras providências. 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE - RSS 
GRUPO A – Resíduos Biológicos - potencialmente infectante 
(Subdividido em 5 grupos A1, A2, A3, A4, A5) 
GRUPO B - Resíduos Químicos 
GRUPO C – Rejeitos Radioativos 
GRUPO D – Resíduos Comuns - equiparados aos resíduos domiciliares. 
GRUPO E - Perfurocortantes 
 
10 - NORMA REGULAMENTADORA - NR 32 
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE 
32.1 Do objetivo e campo de aplicação 
32.1.1 Esta Norma Regulamentadora – NR tem por finalidade estabelecer as 
diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à 
saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde, bem como daqueles que exercem 
atividades de promoção e assistência à saúde em geral. 
32.2.2 PPRA – NR-09 - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais 
32.2.3 PCMSO - NR-07- Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional