A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
TECIDO NERVOSO

Pré-visualização | Página 1 de 2

Tecido nervoso Camila Santiago 
 
 
TECIDO NERVOSO | CAMILA SANTIAGO 
Tecido nervoso 
Tecidos que constituem o organismo humano 
 
Introdução 
 
 
Localização do tecido nervoso 
 
 
 
 
Tecido Células Matriz Extracelular Funções Principais 
Epitelial Células poliédricas justapostas 
Pequena quantidade ou 
ausente 
Revestimento da superfície ou de 
cavidades do corpo, secreção 
Conjuntivo 
Vários tipos de células fixas e 
migratórias 
Abundante Apoio e proteção 
Muscular Células alongadas contráteis Quantidade moderada Movimento/Contração 
Nervoso Longos prolongamentos Muito pouca Transmissão de impulsos nervosos 
Células da glia 
Neurônio 
Neurópilo 
sistema nervoso central sistema nervoso periférico 
sistema nervoso 
Tecido nervoso Camila Santiago 
 
 
TECIDO NERVOSO | CAMILA SANTIAGO 
Organização do SNC 
 
 
Organização do tecido nervoso no SNC 
 
 
Neurônio 
 
→ Dimensões e forma da célula nervosa 
Corpo celular pode medir até 150μm 
 
 
→ Classificação de acordo com a morfologia 
 
Categorias de neurônio 
→ Transmitem impulsos do SNC ou dos gânglios para as 
células efetoras 
Substância branca 
Substância cinzenta 
Meninges 
Substância 
cinzenta 
Substância branca Neurônios sensitivos: 
gânglios espinhais e 
cranianos 
Gânglios coclear e 
vestibular, retina e 
mucosa olfatória 
Localização da substância branca e cinzenta no cerebelo 
Tecido nervoso Camila Santiago 
 
 
TECIDO NERVOSO | CAMILA SANTIAGO 
→ Fibras eferentes somática e visceral: impulsos voluntários 
para ME, impulsos involuntários para ML, células de condução 
cardíaca (fibras de Purkinje) e glândulas 
 
→ Transmitem impulsos dos receptores para o SNC; 
→ Fibras aferentes somáticas ou viscerais: sensação de dor, 
temperatura, tato e pressão 
 
 
→ Também denominados neurônios intercalados, formam uma 
rede de comunicação e de integração entre os neurônios 
sensitivos e motores; 
→ Estima-se que mais de 99,9% de todos os neurônios 
pertençam a essa rede de integração. 
 
 
 
Corpo celular ou pericárdio 
RER + ribossomos livres = corpúsculos de Nissl 
Mitocôndria – moderada 
Cone axônio 
Grânulos de lipofuscina 
 
 
 
Acúmulo de lipofuscina 
 
 
Acúmulo de melanina 
 
Substância tigroide 
 Microtúbulos Cone de implantação 
 Sinapse 
Glia 
 Golgi 
 Sinapse 
Glia 
 Sinapse 
 Nissl 
 Nissl 
Tecido nervoso Camila Santiago 
 
 
TECIDO NERVOSO | CAMILA SANTIAGO 
Dendritos: prolongamentos citoplasmáticos que recebem 
estímulos de outros neurônios ou do ambiente externo 
 
→ mais finos a medida que se ramificam 
→ não apresentam Golgi 
→ espinhas ou gêmulas – pequena dilatação (impulsos 
nervosos) 
 
Axônios: prolongamentos efetores que transmitem estímulos a 
outros neurônios ou a células efetoras 
 
Microtúbulos e proteínas motoras são responsáveis pelos fluxos 
axônios 
 
 
 
Caracterização dos neurotransmissores mais comuns 
 
 
Sinapses químicas 
 
→ Neurônios excitadores 
Neurotransmissores: despolarização da membrana pós-
sináptica 
→ Neurônios inibidores 
Neurotransmissores: hiperpolarização da membrana pós-
sináptica 
Não há transmissão do impulso nervoso - inibitórias 
 
 
 
 
 
 
 
Telodendro – porção 
final ramificada 
Segmento inicial 
 Fluxo anterógrado (cinesina) 
 
 
 Fluxo retrógrado (dineína) 
 
Região pós sináptica 
 Terminal pré sináptico 
Tecido nervoso Camila Santiago 
 
 
TECIDO NERVOSO | CAMILA SANTIAGO 
Células da glia (neuroglia) 
 
 
Astrócitos 
 
→ Células estreladas com muitos prolongamentos 
→ Ligam os neurônios aos capilares sanguíneos e a pia-máter 
Funções: sustentação, controle dos constituintes do meio 
extracelular (receptores), participam da barreira 
hematoencefálica 
 
Oligodendrócitos 
 
→ Produzem as bainhas de mielina – SNC 
→ Núcleos redondos 
→ Células de Schwann – SNP 
→ Um único oligodendrócito com seus prolongamentos formam 
as bainhas de mielina para diversas fibras nervosas 
→ Nódulo de Ranvier 
 
Micróglia 
 
→ Pequenas, alongadas, prolongamentos curtos e irregulares 
→ Núcleos escuros e alongados – identificáveis em HE 
→ Derivam de precursores mononucleares da MO 
 
Micróglias. Coloração por impregnação por prata. Aumento 
grande. 
→ Participam da inflamação e reparação do SNC 
→ Ativas – retraem os prolongamentos, assumem a forma de 
macrófagos 
→ Fagocitárias e apresentadoras de antígenos 
 
 
Tecido nervoso Camila Santiago 
 
 
TECIDO NERVOSO | CAMILA SANTIAGO 
 
 
 
 
 
Sistema nervoso central 
Localização da substância branca (cerebelo e cinzenta no 
cérebro 
 
 
 
 
Cerebelo 
Localização da substância branca e cinzenta no cerebelo 
 
Fotomicrografia que mostra as três camadas da substância 
cinzenta do cerebelo e a substância branca, constituída apenas 
por fibras nervosas e células da glia. HE. 
 
 
Sub. cinzenta 
Sub. branca 
Tecido nervoso Camila Santiago 
 
 
TECIDO NERVOSO | CAMILA SANTIAGO 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Localização da substância branca e cinzenta na medula 
espinhal 
 
 
 
 
 
Método de prata de Bielschowsky. 5X. 
 
 
 
 
 
 
 
Sub. branca 
Sub. cinzenta Camada molecular 
Camada de células de Purkinje 
Camada granular 
Camada molecular 
Camada granular 
Camada 
 de 
células 
de Purkinje 
Tecido nervoso Camila Santiago 
 
 
TECIDO NERVOSO | CAMILA SANTIAGO 
Medula espinhal 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Meninges 
Dura-máter: 
TCD contínuo com periósteo 
Nas vertebras – espaço peridural 
Espaço subdural – entre dura e aracnoide 
Canal ependimário ou 
canal central da medula 
Células ependimárias 
Substância 
branca 
Canal 
ependimário 
Coluna dorsal 
(posterior) 
Substância cinzenta 
Coluna ventral 
(anterior) 
Substância branca 
Tecido nervoso Camila Santiago 
 
 
TECIDO NERVOSO | CAMILA SANTIAGO 
Superfície interna e externa – epitélio simples pavimentoso 
 
Aracnoide 
Membrana de TC e traves que se ligam a pia 
Espaço subaracnóideo – LCR 
Superfície interna e externa – ESP 
Vilosidade da aracnoide 
 
Pia-máter 
Vascularizada e envolvida por prolongamentos de astrócitos 
Superfície externa – células achatadas 
 
 
 
Barreira Hematoencefálica 
Funções – dificultar a passagem de determinadas substâncias, 
como alguns antibióticos, agentes químicos e toxinas, do sangue 
para o tecido nervoso 
 
Componentes: 
Menor permeabilidade dos capilares sanguíneos 
Junções oclusivas – entre células endoteliais 
Participação dos prolongamentos dos astrócitos 
 
Plexos Coroides 
Função – Secretar LCR (importante para o metabolismo do 
SNC e protege contra traumatismos) 
São dobras da pia-máter para o interior dos ventrículos 
3º e 4º ventrículos e parte dos ventrículos laterais 
 
Constituintes: 
TC frouxo da pia-máter revestido por epitélio simples cúbico; 
Capilares fenestrados e dilatados 
 
Características do LCR: 
Líquido claro de baixa densidade com raras células descamadas 
(linfócitos) 
Absorvido pelas vilosidades da aracnoide – seios venosos 
cerebrais – sangue 
 
 
 
 
 
 
Plexo coroide 
Epitélio 
Capilares 
Tecido conjuntivo frouxo 
Tecido nervoso Camila Santiago 
 
 
TECIDO NERVOSO | CAMILA SANTIAGO 
Sistema nervoso periférico 
Fibras nervosas: mielínica e amielínica 
Nervo: 
→ Epineuro: tecido conjuntivo denso 
→ Perineuro: bainha de várias camadas de células achatadas 
justapostas 
→ Unidas por junções oclusivas 
 
 
 
 
 
Nervo em corte longitudinal. Notar: mielina, axônios, nódulos de 
Ranvier e núcleo de células de Schwann. HE. Aumento grande. 
 
Gânglios 
Acúmulo de neurônios fora do SNC 
São esféricos, protegidos por cápsulas conjuntivas e 
associados a nervos 
De acordo com a direção do impulso nervoso: 
Gânglios sensoriais (aferentes) 
Gânglios do sistema nervoso autônomo (eferentes) 
 
Gânglios sensitivos 
Levam impulsos para o SNC 
Gânglios cranianos (nervos cranianos) 
Gânglios espinhais (raízes dorsais dos nervos espinhais) 
São neurônios pseudounipolares 
Estroma e cápsula de TC 
Neurônios circundados por células