A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
Agressão e Defesa II - 3º SEMESTRE (FMU)

Pré-visualização | Página 3 de 5

alimentar e em seguida
transformam-se em ninfas no
ambiente.
Ninfas alimentam-se de sangue no c
ão e retornam ao ambiente para
transformarem-se em adultos (não
existe diferenciação sexual).
Adultos alimentam-se de sangue no
cão.
Quadro clinico: anemia, alergias,
irritações.
- Diagnóstico:
Clínico e laboratorial.
Importancia: babesia canis, babesia
equi e Ehrlichia canis.
Profilaxia: carrapaticidas, pulverização
ambiental e inspeção semanal!
Rhipicephalus microplus:
● Carrapato de boi.
● Escudo castanho-avermelhado
● Hospedeiros: bovinos e outros
mamíferos
● Monoxenos
● Localização: tegumento
Ciclo evolutivo: macho fixo sobre a
fêmea. Após a fertilização, teleóginas
ingurgitadas caem ao solo, com
postura de 4000 ovos.
Teleógina fêmea ingurgitada no
ambiente, quenógina está presente no
ambiente e faz oviposição. Incubação e
eclosão entre 7 e 13 dias. Larvas são
liberadas e sobem no animal
infestando fazendo o repasso
sanguíneo de 60 a 200 dias para subir
no animal. Ninfa para fase adulta
também no animal. Macho neandro e
fêmea neógina (sem ovos, sem
copular), pós fecundação: partenógina
e depois telógena.
- Clínica:
Irritação, emagrecimento, baixa
produtividade, anemia, vetores de
babesia bigemina e Babesia bovis.
Pode levar a tristeza parasitária bovina.
- Profilaxia:
● Banhos carrapaticidas
● Inspeção periódica
● Manutenção de pastagens
baixas e limpas
● Drenagem de campos úmidos
● Rotação de pastagens (3 meses)
Amblyomma:
Ciclo trioxino. As capivaras viraram
questões de saúde pública no Brasil, os
carrapatos são hospedeiros
importantes.
- Amblyomma sculptum:
@VeterinariaAndress�
8
Ag�e�são � D�fe�� I�
● É o mais comum.
● Possui escudo quitinoso.
● É o carrapato estrela.
● Corpo oval, escudo escuro em
forma de estrela prateada.
● Hospedeiros: adultos: equinos,
suínos e capivaras.
● Larvas: pouca especificidade
(Micuim)
● Postura 7700 ovos
Importancia:
Quadro clinico
Vetores da Rickettsia rickettsii (febre
maculosa).
Amblyomma aureolatum - vetor de
febre maculosa, mais distribuído na
região da mata atlântica.
Dermacentor:
- Dermacentor nitens
Carrapato da orelha de equinos
Corpo eliptico
Hospedeiro: equinos, bovinos, caprinos
e caninos.
Localização: pavilhão auricular
Postura 3000 ovos
É um carrapato monoxeno, desce para
o ambiente apenas uma vez (fêmea
para fazer ovipostura). As larvas sobem
no animal e as evoluções se dão no
hospedeiro.
Pulgas
Desenvolvimento: metamorfose
Ametabolia - quando não há mudança
na forma, são insetos que não fazem
metamorfose.
Hemimetabolia - metamorfose
incompleta, apresenta fases imaturas
denominadas de ninfas.
Ovo -> ninfa -> adulto
Holometabolia - metamorfose
completa. Formas imaturas totalmente
diferentes das adultas, incluindo o
hábito alimentar (pulgas).
Ovo -> larva -> pupa -> adulto.
As pulgas apenas estão presentes no
animal na fase adulta. 95% da
população está no ambiente.
O controle de pulgas deve ser feito
pensando sempre no ambiente.
A larva se alimenta das fezes que caem
da pulga adulta.
Classificação:
Filo: arthropoda
Classe: Insect
Ordem: Siphonaptera (pulga)
Espécies: Ctenocephalides canis
C. felis
Pulex irritans
Xenopsylla cheopis
Tunga penetrans
Ectoparasitas obrigatórios:
Superficie corporal.
Corpo com simetria bilateral:
- achatamento lateral
- Movimentação entre pelos e
penas
Ápteros, não apresentam asas.
Holometábolos.
Siphonaptera: pulgas
Cabeça curta
Olhos quando presentes, laterais
Antenas curtas
Aparelho bucal picador sugador
@VeterinariaAndress�
9
Ag�e�são � D�fe�� I�
Hematófagos obrigatórios (ambos os
sexos)
Hospedeiros podendo parasitar outras
espécies.
Controle dificil.
Protorax
Mesotoraz
Metatoraz - adaptação para o salto
Abdome: 10 segmentos, espiráculos
respiratórios, placa sensirla presente
em ambos os sexos (pygidium).
Ctinideos auxiliam a ficar presos nos
pelos de cães e gatos.
Ciclo - Aspectos biológicos
Reprodução sexuada, se dá no animal.
Hematofagia após-copular: ovipostura
De 300 a 400 ovos por dia: 2 a 15 dias
para eclodir larvas.
Larvas: vermiformes, brancas, com
aparelho bucal mastigador.
Alimentam-se de detritos orgânicos
encontrados no solo - fezes das pulgas
adultas.
Ctenocephalides spp:
Caes gatos e ratos
Pulex irritans: homens e suínos
Tunga penetrans: homem e suínos
Presença de ctenídeos
Ovo, larva, pupa: ninhos
Adulto: hospedeiro
Vivem 200 dias
Femeas 20 a 50 dia
Sugam 2 a 3 vezes ao dia
Suportam jejum prolongado
Ovos: sensíveis a variações climáticas e
de umidade relativa
Consequencias:
Levam a quadro inflamatórios
Prurido
Anemia em infestações intensas
Hospedeiros intermediários de
Dipylidium caninum (adquirida
somente na fase larval)
Responsáveis pela dermatite alérgica à
picada de pulga (DAPP)
Importância em saúde pública.
DAPP
Prurido moderado a intenso
Alopecia
Crostas
Caudal, região anal, dorso, coxas,
abdomen e pescoço.
Infecções bacterianas secundárias.
Controle das pulgas:
Inseticidas para animal
Limpeza local, periodicamente.
Inseticidas
Metoprene: ambientes
Interfere no ciclo biológico.
Pulex irritans
Principal parasita humano, mas
também acomete suínos, cães e gatos.
HI de Dipylidium
Xenopsulla cheopis
Hospedeiros: roedores sinantrópicos e
silvestres/homens.
Localização: pele.
Transmissão da peste bubônica - ainda
acontece em países em
desenvolvimento, roedores silvestres.
Tunga penetrans
A fêmea penetra a derme, se insere na
derme e lá se desenvolve para
acontecer a maturação dos ovos.
Pulga penetrante em mamíferos
@VeterinariaAndress�
10
Ag�e�são � D�fe�� I�
(homem e suínos).
Bicho de pé.
Distribuição mundial, exceto Europa.
Fêmea penetra na pele
Forma nódulo devido a distensão
abdominal (ovos) da pulga.
Associado a condições ambientais.
Tratamento:
Crioterapia, medicamentos
antiparasitários tópicos, como
pomadas ou cremes e orais. Remoção
por pinça, remoção por curetagem
quando necessário.
Dipteros
Filo Arthropoda
Classe Insecta
Ordem diptera
Classificação e estrutura
Ordem díptera:
Para de asas membranosas
Diferenças entre a venação das
subordens
3 regiões - cabeça, tórax e abdome.
Holometabolous ovo -> larva -> pupa ->
adulto.
Principais espécies de moscas:
Stomoxys calcitrans
Mosca dos estábulos ou mosca
doméstica picadora.
Hematófaga: picada dolorosa, fêmeas
e machos.
Hospedeiros: animais e homens
Semelhante a mosca doméstica, com
probóscide saliente e projetado para
frente: DOR!
Larvas: coprófagas
Prevalente nos meses quentes.
Ciclo de 12 a 60 dias.
Forma adulta parasita o animal. Ela
não fica o tempo todo parasitando o
animal, permanece a maior parte do
tempo no ambiente.
Deposição de ovos na matéria
orgânica.
Podem ser vetores mecânicos do vírus
da AIE - anemia infecciosa equina.
Pode veicular ovos de dermatobia.
Raças com orelhas erguidas ou
cortadas.
Pastor alemão
Dermatite
Necrose
Controle: inseticidas para estábulos,
drenagem de campos alagadiços.
Controle de lixo e estercos.
Haematobia irritans
Mosca do chifre
Distribuição mundial
Hospedeiro bovinos e caprinos
Eventualmente, ovinos, equinos e
caninos.
Localização: bandos pousam sobre a
cabeça e dorso (sombra) só
abandonam o hospedeiro para
postura.
Postura em fezes frescas:10 a 15
minutos após a defecação.
Pupas podem sobreviver ao inverno
Clínica:
Irritação
Feridas cutaneas
Predisposição à miíases
Perda de produção.
Controle:
@VeterinariaAndress�
11
Ag�e�são � D�fe�� I�
Parasitismo por larvas de moscas
Cochliomyia (mosca da
bicheira/miíase)
Dermatobia (berne)
Bicheira: cochliomyia e chrysomya,
Berne: dermatobia hominis
Zonas quentes, úmidas, com
vegetação abundante
Hospedeiros: bovinos, caninos e
humanos.
Eventualmente felinos, ovinos e
equinos.
Existe a necessidade dos vetores para a
inserção do ovo na pele do animal.
A prevenção é difícil, mas o uso de
inseticidas e repelentes auxilia.
Culicidae - Mosquitos
Anopheles, aedes e culex.
Anopheles - postura em grande
coleções de água parada, são postos
isoladamente na superfície da água.
Vetores (malária e filariose).
Aedes - coloca seus ovos à beira das
águas de pequenas coleções. Grande
resistência a períodos secos.