A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
especialidade-clinica

Pré-visualização | Página 9 de 11

e Helicobacter pylori 
positivo. O paciente, preocupado, interroga ao seu médico se essa gastrite pode “virar” câncer. 
Assinale a alternativa correta, sobre a relação “gastrite – câncer”. 
a) A gastrite crônica pode ser considerada uma condição pré-cancerosa e parece estar 
particularmente relacionada ao carcinoma gástrico do tipo intestinal. 
b) Na gênese do câncer gástrico, uma das fases que o precede é a atrofia. Entretanto, não se 
pode afirmar que a extensão e localização da atrofia tenham correlação com o risco de 
câncer gástrico. 
c) A persistência da inflamação na gastrite crônica ocasiona o desenvolvimento de atrofia 
gástrica com hipercloridria, estágio que pode progredir para o tipo intestinal do câncer 
gástrico. 
d) Um sistema prognóstico para relatar a gastrite em termos de estádios, denominado OLGA 
(Operative Link for Gastritis Assesment), foi publicado em 2005 e ordena seus fenótipos 
em uma escala de risco progressivo para o câncer gástrico; entretanto, esse sistema não 
tem sido validado por outros autores, pois não parece ser útil na avaliação da gravidade da 
gastrite atrófica. 
 
 
Especialidades Clínicas 21 
 
55) Ainda em relação ao caso clínico anterior, assinale a alternativa correta sobre a gastrite 
crônica. 
a) Tipicamente, embora presente no antro e no corpo, o H. pylori é mais comumente 
encontrado no corpo, onde encontra as condições ideais para sua sobrevivência. 
b) Na gastrite de antro ocorre secreção de ácido diminuída, e ela pode estar associada à 
atrofia. 
c) Seu maior fator causal, o H. pylori, tem um longo período latente de infecção subclínica, 
durante o qual causa inflamação e dano da mucosa. 
d) Embora o H. pylori tenha sido encontrado na biópsia, é improvável que a lesão gástrica do 
paciente seja associada à infecção por esta bactéria. 
 
56) Paciente feminina, de 34 anos, sem outras comorbidades, com história de hepatite B crônica, 
apresenta os seguintes resultados laboratoriais: HBsAg (+); antiHBc (+); HBeAg (-); anti-HBe 
(+); anti-HBs (+); HBV-DNA 80.000 U/mL; ALT 218 U/L (valor normal até 31) e AST 189 U/L 
(valor normal até 41). A paciente não apresenta evidências de cirrose hepática. Segundo o 
Ministério da Saúde do Brasil, a droga recomendada para tratamento desta paciente é: 
a) Lamivudina 
b) Entecavir 
c) Tenofovir 
d) Adefovir 
 
57) Ainda sobre o caso clínico da questão anterior, podemos afirmar que a paciente se encontra 
em fase de: 
a) Estado de imunotolerância 
b) Estado imunoativo, vírus selvagem 
c) Estado de portador inativo do vírus 
d) Estado imunoativo, vírus mutante pré-core 
 
58) Paciente de 32 anos, com diarreia há 3 meses, 4 a 6 episódios ao dia, com aspecto gorduroso 
e perda de peso de 3,5 kg neste período. Na investigação, apresentou anticorpo 
antitransglutaminase fração IgA reagente em altos títulos. O médico solicitou endoscopia 
digestiva alta, e a biópsia de duodeno revelou aumento do número de linfócitos intra-epiteliais, 
achatamento de mucosa e alargamento das criptas intestinais. A melhor abordagem 
terapêutica para este paciente é: 
a) Dieta isenta de glúten permanentemente. 
b) Dieta isenta de glúten temporariamente até que a mucosa intestinal se restabeleça, 
quando o glúten poderá ser progressivamente reintroduzido na dieta. 
c) Dieta isenta de lactose permanentemente. 
d) Associação imunossupressor (preferencialmente azatioprina) e prednisona. 
 
59) Paciente masculino de 26 anos, relata que acordou hoje com olhos amarelados. Refere 
privação de sono nos últimos dias, por excesso de trabalho e seus colegas tem percebido que, 
ocasionalmente, seus olhos ficam amarelados. Exames laboratoriais: AST 38 U/L (vr até 41), 
ALT 28 U/L (vr até 31), Fosfatase alcalina 92 U/L (vr 110), gama-GT 37 U/L (vr 60), bilirrubina 
total 3,2mg/dL, bilirrubina direta 0,2mg/dL e DHL 98 U/L (vr 110). O diagnóstico mais provável 
é: 
a) Anemia hemolítica 
b) Síndrome de Rotor 
c) Síndrome de Gilbert 
d) Anemia falciforme 
 
Especialidades Clínicas 22 
 
60) Paciente de 58 anos, previamente hígido, encaminhado por ter apresentado, em doação de 
sangue, o exame anti-HCV reagente. Na história clínica, referiu estar assintomático; relata 
etilismo de 2 garrafas de cerveja aos domingos, há 18 anos; negou tabagismo e uso de drogas 
ilícitas; referiu uso do estimulante “Glucoenergan”, juntamente com outros jogadores, nos 
vestuários dos campos de futebol, no final dos anos 70. Nega transfusão sanguínea ou 
cirurgias anteriores. Ao exame físico, apresentava-se em bom estado geral, consciente e 
orientado, sem flapping, com leve perda de massa muscular, anictérico e acianótico. 
Apresentava spiders em tronco e leve eritema palmar. Precórdio e pulmões sem alterações; 
abdome plano, flácido, com fígado palpável a 3 cm do rebordo costal direito, borda romba, 
consistência aumentada, superfície irregular e indolor; baço percutível até rebordo costal 
esquerdo, sem ascite ou outras massas palpáveis. Membros inferiores sem edema. Os 
exames complementares revelaram: 
ü genotipagem do HCV 3a. 
ü alfa-fetoproteina 77 ng/mL; 
ü albumina 3,6 mg/dL; bilirrubina total 1,2 mg/dL; RNI 1,2; 
ü creatinina 0,9 mg/dL; 
ü endoscopia digestiva alta: duas varizes de esôfago distal de fino calibre, estômago e 
duodeno normais; 
ü ultra-sonografia de abdome: fígado heterogêneo, bordas rombas, com três uma 
imagens hipoecóicas de 3 cm, 4 cm e 6 cm nos seus maiores diâmetros; baço de 550 
cm3 , veia porta de 1,4 cm de diâmetro, com velocidade de 12 cm/s, e veia esplênica 
de 0,9 cm de diâmetro; sem ascite. 
ü tomografia computadorizada de abdome: fígado com bordas rombas, três imagens 
localizadas: segmentos II, III e VII do fígado, de 3 cm, 4 cm e 6 cm nos seus maiores 
diâmetros, captantes de contraste arterial e com clareamento rápido na fase venosa, 
veia porta de calibre aumentado, esplenomegalia, sem ascite. 
Assinale a alternativa correta. 
a) O paciente tem hepatocarcinoma e deve ser encaminhado, imediatamente, para realizar 
transplante de fígado. 
b) O paciente tem cirrose hepática descompensada, o que limita o tratamento do 
hepatocarcinoma. 
c) O paciente tem hepatocarcinoma, com estadiamento da classificação de Barcelona BCLC 
estágio D. 
d) Do ponto de vista de função hepática, o paciente encontra-se em Child-Pugh A, com 5 
pontos. 
 
61) Ainda sobre o caso clínico da questão anterior, analise as afirmativas e assinale a correta, em 
relação à etiologia da doença hepática crônica deste paciente. 
a) O álcool é a principal etiologia para este paciente, visto que doses cada vez menores de 
ingesta estão sendo relacionadas à doença hepática crônica. 
b) A hipótese mais provável é a transmissão parenteral inaparente do vírus C pelo uso de 
“Glucoenergan”. 
c) Embora a hepatite C esteja confirmada, é pouco provável que ela seja a responsável pela 
cirrose do paciente, visto que a contaminação ocorreu, provavelmente, há mais de 30 
anos. 
d) Não há etiologia convincente para a doença hepática crônica identificada neste caso 
clínico. 
 
 
Especialidades Clínicas 23 
 
62) Mulher de 18 anos procura assistência médica com queixa de febre de 38°C há 10 dias, com 
artralgia em mãos e punhos, fadiga, lesões eritematosas fotossensíveis em região malar, além 
de discreto edema de membros inferiores e pressão arterial de 140x100mmhg. Os exames 
complementares mostraram hemoglobina de 10g/dl, leucócitos de 3.000/mm³, linfócitos de 
700/mm³ e plaquetas 70.000/mm³. A urina tipo I mostrou proteinúria com cilindros granulosos 
e hematúria. Que exames complementares são importantes para confirmar o diagnóstico de 
Lúpus Eritematoso Sistêmico? 
a) Fator reumatoide, anticorpo anticitoplasma de neutrófilos, velocidade de 
hemossedimentação 
b) Anticorpo antinuclear, anticorpo anti-DNA nativo, frações C3 e C4 do complemento 
c) Anticorpo antitopoisomerase I, anticorpo anti-Jo1, eletroforese de proteínas 
d) Anticorpo anticentrômero, anticorpo antipeptídeo citrulinado cíclico, proteína C reativa 
 
63) Mulher de 50