A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
DIABETES MELLITUS TIPO 1 E 2

Pré-visualização|Página 1 de 1


DIABETES MELLITUS TIPO 1 E 2


-> CONCEITOS E EPIDEMIOLOGIA

-> Trata-se de um grupo de distúrbios metabólicos que apresenta em comum, a hiperglicemia resultante de defeitos na SECREÇÃO, na PRODUÇÃO ou na AÇÃO da insulina.

-> Dentre os tipos de Diabetes, as do tipo 1 e 2 são caracterizadas por terem uma fisiopatologia diferente, que como resultado desencadeam sintomas semelhantes que são consequência do excesso de açúcar dentro do vaso sanguíneo.

-> DIABETES TIPO 1 - Pode acometer qualquer pessoa, sendo mais característico a incidência da doença na infância ou na adolescência (doença autoimune).

-> DIABETES TIPO 2 - Acomete principalmente adultos, tem maior relação com os hábitos de vida do paciente.


-> PRODUÇÃO E AÇÃO DA INSULINA

-> A síntese de insulina ocorre em ilhotas Pancreáticas, onde células Beta são responsáveis pela produção e liberação do hormônio de acordo com a quantidade de glicose no sangue, sendo influênciada por exercícios físicos, alimentações ou jejum.

-> Nas ilhotas Pancreáticas, existem células Beta que possuem receptores GLUT-2 (independente de insulina) por onde a glicose entra, gerando produção de ATP pela mitocondria. O ATP inibe o receptor de sulfonilureia (são canais de POTÁSSIO), gerando despolarização na célula, fazendo entrar cálcio e ter produção e liberação de insulina.


HTML image 0


-> A ação da insulina é gerada em vários tecidos do corpo, de forma a permitir com que a glicose possa entrar e gerar ATP.

-> Em boa parte dos tecidos, existem receptores GLUT 4 que só são expressos na membrana célular após o estímulo com insulina. Esse receptor é o local de entrada da glicose em alguns órgãos e, por isso, a insulina atua de forma tão importante.

  • Efeitos da insulina:


  1. Músculo adiposo: Faz com que a glicose entre na célula adiposa gerando aumento da sua captação, além de gerar lipogênese, e diminuição da lipólise.
  2. Músculo Esquelético: Aumento da captação glicose, glicogênio e da sintese proteíca (Quanto maior o estimulo ao músculo esquelético, como em atividades físicas, maior será a captação da glicose).

c. Fígado: Diminuição da Gliconeogênese (produção de glicose), e aumento da síntese de glicogênio e da Lipogênese.




-> FISIOPATOLOGIA DM 1 e 2


  • TIPO 1:


-> Por ser uma doença autoimune, células de defesa efetoras, anticorpos e citocinas pró-inflamatórias irão destruir as células Beta das ilhotas Pancreáticas, a partir de um momento em que a tolerância imunológica deixa de existir e o sistema imune passa a reconhecer essas células beta como algo entranho ao corpo.

-> Como toda doença autoimune, é desencadeada por fatores hereditários que fazem com que o sistema imune se torne autorreativo, assim como também fatores ambientais ou externos que geram a perda da tolerância imunológica no organimos.

-> Dentre os fatores ambientais ou externos, causas emocionais e infecciosas são as mais relacionadas com o desenvolvimento da doença.

-> É uma doença de início mais súbito, atingindo principalmente jovens e adolescentes.

-> Como consequência, o paciente tende a desenvolver os sinais e sintomas clínicos da hiperglicemia por conta da deficiência de liberação de insulina.


  • TIPO 2:


-> Tem causa mais complexa e multifatorial.

-> Tem causas tanto genéticas, como também hábitos de vida dos pacientes, que geralmente tendem a comer comidas ricas em açúcar e gorduras além de serem muito sedentários.

-> Nesse caso, a diabetes é gerada por conta de uma resistência da insulina a tecidos periféricos. Os pacientes no inicio, produzem a insulina, mas ela não consegue colocar a glicose para dentro da célula.

-> Caso não seja tratado, pode existir a exaustão das células beta (pois o pâncreas tenta vencer a resistência periférica com mais produção de insulina)



-> SINAIS E SINTOMAS DA DIABETES


-> Por conta da célula não conseguir ter acesso ao açúcar, o organismo vai entender que o paciente não está se alimentando. Dessa forma, faz com que o paciente sinta mais fome. (Polifagia)

-> Por não ter acesso a glicose, o corpo tende a quebrar gordura, aumentando ainda mais a hiperglicemia no sangue, levado o paciente a uma perda Ponderal (perda de peso)

-> Por conta do vaso sanguineo está repleto de açúcar, o paciente tende a ter muita sede e, mesmo bebendo água, o corpo ainda se sente desidratado por conta do açúca está absorvendo água. (polidipsia)

-> Aumeto das idas ao banheiro. O açúcar acaba sendo filtrado em maior quantidade na urina, puxando muita água. Portanto vai existir aumento das idas ao banheiro (Poliúria)

-> Em casos de complicação do Diabetes, paciente tem:

1) NEUROPATIA DIABÉTICA

2) RETINOPATIA DIABÉTICA

3) NEFROPATIA DIABÉTICA

4) PÉ DIABETICO


-> DIAGNÓSTICO

-> Exames laboratoriais para medir a glicose no organismo do paciente:

1) Glicose em jejum

2) Glicose de 2 horas após sobrecarga com 75 g de glicose

3) Glicose ao acaso

4) Hemoglobina glicada

HTML image 1