A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
eixo hipotálamo-hipófise

Pré-visualização | Página 1 de 2

Marianna L. Deprá
EIXO HIPOTÁLAMO-HIPÓFISE 
É o eixo de controle hormonal que temos no nosso organismo; 
O hipotálamo age estimulando a hipófise —> adenohipódise: produz prolactina e GH, tireotróficos, gonadotróficos, 
 adenocorticotróficos 
 —> neurohipófise: não produz hormônios, apenas armazena e secreta 
 ocitocina e ADH produzidos no hipotálamo 
HIPOTÁLAMO 
Localização 
encéfalo —> diencéfalo 
Limites 
anterior: quiasmo óptico 
posterior: corpo mamilar 
inferior: túber cinério e infundíbulo (ligação hipotálamo-hipófise) 
Constituição 
é uma estrutura nervosa formada por substancia cinzenta. A substancia cinzenta internamente se agrupa e forma 
núcleos hipotalâmicos. Esses núcleos vão ser produtores de hormônios, são formados por corpos de neurônios que 
vão sintetizar os hormônios. 
Funções 
1. controle do SNA 
2. controle da fome 
3. regulação da temperatura 
4. ciclo circadiano 
5. controle da sede (osmoreceptores —> detectam a osmolaridade do sangue) 
6. controle endócrino 
7. sono e vigília 
Conexões 
tálamo, área frontal do encéfalo e hipófise 
HIPÓFISE 
Localização 
cela túrcica do osso esfenóide 
neurohipófise 
A neurohipofise é composta pela terminação dos neurônios que ficam no hipotálamo. 
Não produz hormônios, apenas armazena e secreta os hormônios produzidos no hipotálamo (núcleos 
paraventricular e supraóptico). Os hormônios são transportados a partir do trato hipotálamo-hipofisário (feixe de 
axônios que vão hipotálamo—>hipófise); 
Marianna L. Deprá
Ocitocina: age no útero promovendo sua contração e na mama promovendo expulsão do leite (células 
mioepiteliais, que revestem os alvéolos, contraem por influência da ocitocina, expulsando o leite para fora); 
ADH: age no rim retendo água; 
adenohipófise 
dividida em parte funeral (“abraça" o infundíbulo), parte intermediária (praticamente não produz hormônios) e 
parte distal; 
células basófilas: (ficam roxas na técnica hematoxilina-eosina) 
- gonadotrofos: células que produzem hormônios gonadotróficos 
- tireotrofos: produzem TSH 
- adenocorticotrofos: produz ACTH (estimula o cortex adrenal a produzir cortisol) 
células acidófilas: (ficam rosas) 
- somatotrofos: produzem GH 
- lactotrofos: produz prolactina 
embriologia 
transcrição 
*neurohipófise é originada do tecido neural derivada do assoalho do diencéfalo. A adenohipófise é derivada da 
boca primitiva e tem origem do ectoderma. 
A hipófise é uma glândula endócrinas, sintetiza e armazena hormônios. 
O início do desenvolvimento dela vai depender do fechamento 
cranial, do desenvolvimento do sistema nervoso. A medida que vai 
se fechando o neuróporo cranial, vão surgir vesículas encefálicas, 
que são dilatações de uma cavidade, elas vão receber o nome de 
prosencéfalo, mesencéfalo e rombencéfalo. No início da 5ª semana, 
as cavidades vão se desenvolvendo e, das vesículas encefálicas vão 
surgindo vesículas secundárias. 
TELENCÉFALO: vai formar hemisférios cerebrais (cortex e substancia branca) e ventrículos laterais. 
DIENCÉFALO: escavação e pediculo óptico, hipófise, tálamo, hipotálamo, glândula pineal, 3º ventrículo. 
Marianna L. Deprá
A hipófise possui dois tecidos diferentes, 
a hipófise anterior (adenohipófise) e a 
hipófise posterior (neurohipófise). A 
anterior sintetiza, armazena e libera 
hormônios. E a posterior vem da origem 
embrionária diencefálica e é um 
prolongamento do hipotálamo, onde 
ficam armazenados neurohoemonios 
produzidos no hipotálamo. 
Desenvolvimento da hipófise 
Do teto da boca primitiva/estomodeu vai surgir uma evaginação (bolsa de 
rathke) em direção ao prolongamento do diencéfalo. A região do diencéfalo 
que está descendo em direção à bolsa de rathke é o inicio da origem da 
hipófise. 
O prolongamento do diencéfalo na neurohipófise é chamado de infundíbulo, 
ele que faz a conexão do hipotálamo com a neurohipófise. 
A adenohipófise vai ser oriunda da bolsa de rathke que é a evaginação do teto da cavidade oral. 
*Da mesma estrutura que vai ser formar a neurohipófise vai se formar o quiasma óptico. Se começar a crescer um 
tumor nessa região, ele começa a comprimir o quiasma e o paciente tem queixas oftalmológicas. 
*Em casos de tumores hipofisários, o cirurgião pode acessar a área através da cavidade nasal e do osso esfenoide. 
histologia 
junqueira 
Contém duas partes conectadas funcionalmente: 
1. Adeno-hipófise: possui 3 componentes: lobo anterior ou pars distalis (maior parte); pars tuberalis; e pars 
intermedia ou lobo posterior. Sua 
estrutura é de tecido epitelial e 
suportada por tecido conjuntivo e 
ricamente vascularizada. 
2.N e u r o - h i p ó fi s e : p o s s u i 2 
componentes: pars nervosa (maior 
parte) e infundíbulo. Constituída de 
t e c i d o n e r v o s o r i c a m e n t e 
vascularizado. 
Parte mais corada: adenohipófise; 
Parte mais clara: neurohipófise; 
A pars tuberalis e o infundíbulo formam a haste da hipófise. 
Marianna L. Deprá
LOBO ANTERIOR: é uma glândula cordonal, há vários subtipos de células acidófilas (se coram com eosina, mais rosa 
escuro), basófilas (se coram com hematoxilina, roxa) e cromófobas (não tem afinidade com corantes, citoplasma 
mais claro), que secretam diferentes hormônios. Os hormônios produzidos nessas células são armazenados em 
grânulos de secreção. 
- Acidófilas: produzem prolactina e GH; 
- Basófilas: produzem TSH, LH, FSH e ACTH 
PARS TUBERALIS: cerca o infundíbulo da neuro-hipófise. A maioria de suas células secretam gonadotrofinas e são 
cordonais. 
PARS INTERMEDIA: parcialmente uma glândula endócrina folicular. Células parcialmente basófilas que contém 
pequenos grânulos de secreção. Sua função não é conhecida. 
PARS NERVOSA: é formada por fibras nervosas provenientes do hipotálamo, pituícitos (células da neuroglia que 
dão suporte às fibras da neurohipófise) e por capilares sanguíneos. Não há neurônios na pars nervosa. A 
neurossecreção é transportada ao longo dos axônios e se acumula nas suas extremidades, esse deposito forma 
estruturas chamadas de corpos de herring. Secreta dois neurohormonios, a oxitocina e o ADH. Compostas de fibras 
neurais, os axônios. 
SUPRIMENTO SANGUÍNEO: artéria carótida interna —> artérias hipofisárias superiores direita e esquerda (irrigam a 
eminencia mediana e o infundíbulo) + artérias hipofisárias inferiores direita e esquerda (irrigam a neuro-hipófise e 
pedículo). 
Sistema porta-hipofisário: Artérias hipofisárias superiores no infundíbulo —> plexo capilar primário —> vênulas —
>veias —> adeno-hipófise —> plexo capilar secundário. 
REGULAÇÃO DO CONTROLE HORMONAL 
feita pelo feedbacks negativo e hormônios do hipotálamo que estimulam a hipófise. 
Neurônios parvicelulares: produzem hormônios que vão estimular a hipófise. Ficam nos núcleos dorsoventral, 
dorsomediano e arqueado. Os hormônios produzidos são TRH (estimula a hipófise a liberar TSH), GnRH (FSH e LH), 
GRH (ACTH), GHRH (GH), e somatostatina (inibe a produção do GH e pelas células hipofisárias). 
SISTEMA PORTA 
Transporte de hormônios do hipotálamo até a hipófise. 
Marianna L. Deprá
Formado por: aa. hipofisais superiores, plexo capilar primário, vv. portais hipofisárias, plexo capilar secundário, 
órgão alvo 
Os núcleos hipotalâmicos produzem hormônios liberadores e inibidores —> esses hormônios vão agir nas células 
da hipófise anterior —> esse hormônio que agiu na hipófise vai estimular ela a produzir determinado hormônio —> 
por sua vez, vai estimular uma glândula endócrina periférica. 
alça de retroalimentação: regula e impede a hiperprodução desses hormônios. Os hormônios produzidos pela 
hipófise anterior vão no hipotálamo e impedem a produção de hormônios liberadores (alça de retroalimentação 
curta). Os hormônios das glândulas periféricas também podem ir no hipotálamo e impedir a produção dos 
hormônios liberadores (retroalimentação longa). Os periféricos também podem impedir os hormônios hipofisários 
ou estimular a liberação de mais hormônios inibidores no hipotálamo (alça positiva —> faz feedback