Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
RISCOS RELACIONADOS AO AMBIENTE LABORATORIAL

Pré-visualização | Página 1 de 2

CENTRO UNIVERSITARIO ESTACIO DE SÁ - CEARA 
DISCIPLINA: LABORATORIO CLINICO E CONTROLE DE QUALIDADE 
PROFESSORª: RAQUEL SOMBRA 
 
 
 
 
 
Tema: Riscos relacionados ao 
ambiente laboratorial. 
 
 
 
 
 
 
 
ALUNAS: 
AMANDA BATISTA GOMES MOREIRA - 202003208531 
MARYA ISABEL LOPES BATISTA - 202002085789 
BIANCA CORREIA LIMA FORTE – 201808320441 
JEANNE DA SILVA COSTA - 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Tema: Riscos relacionados ao ambiente laboratorial. 
 
 
Principais riscos em laboratório de análises clínicas: 
Um risco representa um possível efeito adverso ou dano. Uma condição ou conjunto de 
circunstâncias podem ameaçar a saúde ou a integridade física, o meio ambiente ou a propriedade. 
Ele pode ser classificado como físico (umidade, temperatura, radiação, vibração, ruído, etc.), químico 
(vapor, gás, poeira, substâncias químicas, etc.) e biológico (fungos, bactérias, vírus, etc.), situacional 
(abrange equipamentos, instalações, ferramentas, operações, materiais, etc.), humano e 
comportamental (decorre de ação ou omissão humana). 
Os riscos em laboratório de análises clínicas segue essa teoria. Apesar da tendência em pensar 
somente nos riscos por contaminação, esse ambiente é muito mais complexo. Existem 5 principais 
grupos de riscos no laboratório de análise clínicas: acidentais, biológicos, ergonômicos, físicos e 
químicos. 
 
1. Riscos acidentais 
Riscos acidentais são situações de perigo que podem ameaçar a integridade, o bem estar físico e 
moral do profissional. São riscos encontrados em máquinas e equipamentos sem proteção, que 
podem causar explosões e incêndios. Os riscos em laboratório de análises clínicas mais comuns 
nesta modalidade são queimaduras, cortes e perfurações. 
2. Riscos biológicos 
Outro grupo de risco em laboratório de análises clínicas é o biológico. Ele se relaciona ao manuseio 
ou contato com materiais biológicos e animais infectados com agentes biológicos nocivos (vírus, 
bactérias, fungos e outros). Esses riscos são responsáveis por doenças provenientes da 
contaminação. 
3. Riscos ergonômicos 
Os riscos ergonômicos são aqueles que podem ser atribuídos a postura inadequada, movimentos 
repetitivos, transporte manual e levantamento de peso. São lesões que podem interferir nas 
características psicofisiológicas do profissional, prejudicando a execução de suas atividades.O 
trabalho em turnos muito longos também é um exemplo de prática que causa riscos ergonômicos. 
4. Riscos físicos 
Riscos físicos são aqueles gerados por máquinas e condições físicas inadequadas, que podem causar 
danos à saúde do trabalhador. São exemplos: pressões anormais, ruídos, temperaturas extremas de 
frio e calor, radiações ionizantes e não-ionizantes, vibrações e umidade. 
 
 
 
4.1 Estudo Realizado: 
Um estudo realizado “Riscos ocupacionais em laboratório de análises clínicas: retrato de uma 
realidade”, apresentada na Universidade de Franca (SP), trouxe dados interessantes sobre esse 
ambiente de trabalho. A pesquisa foi feita com 8 profissionais, sendo quatro biomédicos, um 
responsável técnico, uma auxiliar de clínica e três recepcionista. 
Acerca dos riscos físicos, eles apontaram alguns equipamentos que contribuem para os ruídos, como 
centrífuga , aparelhos de automação para realização de exames hematológicos e bioquímicos, 
capela de fluxo laminar, aparelho de ar condicionado, autoclave e exaustor. 
Os biomédicos apontaram a exposição às radiações não-ionizantes decorrente do uso da capela de 
fluxo laminar. Outros profissionais pontuaram a exposição ao calor no uso da autoclave e do bico de 
Bunsen, bem como nas operações de limpeza, desinfecção e esterilização de materiais e áreas 
laborais e no preparo de soluções. 
5. Riscos químicos 
Outro grupo de risco em laboratório de análises clínicas que pode ser evitado são os riscos químicos. 
Eles se ligam diretamente à exposição do trabalhador a agentes ou substâncias químicas que podem 
penetrar no organismo por vias respiratórias, por ingestão ou pela pele. Essas substâncias podem 
estar na forma líquida, gasosa ou como partículas presentes nos ambientes ou processos de 
trabalho. 
Em relação aos riscos químicos, o estudo apresenta queixas dos profissionais, que abordaram a 
exposição a gases devido ao uso de reagentes químicos (ácido clorídrico, etanol, ácido acético, etc.) 
e de determinadas substâncias (ácidos acético e o clorídrico) utilizados em reações de eletroforese e 
no preparo de reagentes para coloração de lâminas. 
 
 
 Práticas para evitar riscos no laboratório de análises clínicas: 
Para garantir a segurança no trabalho, o gestor deve se atentar para as práticas que minimizam ou 
eliminam os riscos no laboratório de análises clínicas. Existem algumas fundamentais, que listamos a 
seguir. 
Análise dos fatores de risco 
As diversas situações presentes em um laboratório de análises clínicas devem ser mapeadas. Para 
isso, é importante fazer uma análise dos fatores de risco existentes nas tarefas e operações do 
cotidiano do ambiente de trabalho. Essa análise também poderá ser complementada com a 
identificação do grau de insalubridade para os trabalhadores expostos a agentes insalubres acima 
dos limites de tolerância. 
 
 
 
 
 
Na análise, cada um dos tipos de risco recebe uma cor diferente.Cor de identificação 
Risco acidental: azul; 
Risco ergonômico: amarelo; 
Risco químico: vermelho; 
Risco biológico: marrom; 
Risco físico: verde. 
A partir dessa análise, o gestor também consegue verificar quais as condutas podem e devem 
constar no manual de biossegurança, assim como quais EPIs serão necessários para neutralizar os 
riscos no laboratório de análises clínicas. 
Por exemplo: 
Um profissional foi expostos ao contato com produtos químicos ou rejeitos radioativos? Ele deve ser 
afastado imediatamente de suas atividades e ser encaminhado para orientação médica. 
Outro colaborador teve um corte profundo por vidro impregnado por substância química 
potencialmente perigosa? Deve procurar atendimento médico e levar todas as informações sobre a 
substância que estava sendo utilizada. 
Um exemplo que coloca à prova o conhecimento prático é o derramamento de substâncias 
químicas. Há casos em que o profissional utiliza uma substância incompatível para fazer a limpeza, 
piorando a situação. Usar pano e papel para ácido sulfúrico e solução sulfocrômica é um exemplo 
clássico de incompatibilidade, já que podem entrar em combustão. São situações em que é preciso 
experiência e conhecimento para evitar maiores problemas. 
O manual de biossegurança é um documento primordial para garantir a segurança no trabalho. 
Neste manual, deve constar: 
Instruções escritas que contemplam normas e condutas de segurança biológica, química, física, 
ocupacional e ambiental; 
Procedimentos em caso de acidentes no manuseio e transporte de material e amostra biológica; 
Providências imediatas a serem tomadas pelos profissionais diante de um incidente; 
Especificação de práticas e procedimentos para eliminar os riscos; 
Instruções de uso para os EPIs e EPCs; 
Identificação dos riscos. 
 
 
 
 
 Uso de EPIs 
O uso de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e de EPCs (Equipamentos de Proteção Coletiva) 
é crucial para aumentar a segurança do trabalho e diminuir os riscos em laboratório de análises 
clínicas, especificamente os riscos acidentais. 
Existem EPIs voltados para a proteção da cabeça (capuz, touca, capacete), dos olhos e do rosto 
(viseiras, óculos, máscaras), do tronco (coletes e jalecos), dos membros superiores e inferiores (luvas 
descartáveis, braçadeiras, luvas anti-incêndio, calças, botas, etc.). Há ainda equipamentos 
destinados a proteção auditiva ou auricular (protetores auriculares e abafadores) e respiratória 
(respirador). 
O gestor ou responsável deve garantir que os profissionais utilizem os EPIs no ambiente de trabalho. 
É, inclusive, comum ver a equipe trabalhando
Página12