A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Alzheimer

Pré-visualização | Página 1 de 3

Maria Luiza de Oliveira Soares
Turma 01 FITS
Alzheimer
Definição
➔ Doença neurodegenerativa
caracterizada por uma síndrome
demencial (que é o declínio
cognitivo + prejuízo de
funcionalidade) sendo a causa mais
comum.
● Comprometimento Cognitivo
Leve:
➔ O termo Comprometimento
Cognitivo Leve (CCL) é usado para
descrever uma condição
sindrômica de transição entre
cognição normal e demência. É
uma fase sintomática, porém
pré-demencial de várias condições
neurológicas, como a doença de
Alzheimer (DA). O diagnóstico é
caracterizado :
-Presença de queixas subjetivas
de declínio cognitivo
(frequentemente perda de
memória),
-Alterações cognitivas em
avaliação neuropsicológica
(normalmente em uma
intensidade leve)
- Funcionalidade relativamente
preservada
Ou seja, não preenchendo critérios
para demência. Usualmente a
alteração de memória não interfere
nas atividades da vida diária.
● DECLÍNIO COGNITIVO SUBJETIVO
➔ O declínio cognitivo subjetivo é
caracterizado por uma auto
experiência da deterioração no
desempenho cognitivo não
detectado objetivamente por meio
de testes neuropsicológicos
formais.
➔ Assim, a proposta os critérios são:
[1] declínio persistente
autoexperiente em habilidades
cognitivas em comparação com o
anteriormente normal status e não
relacionado a um evento agudo; e
[2] normal desempenho em testes
cognitivos padronizados (para a
idade,gênero e educação);
enquanto os critérios de exclusão
são:
[1]comprometimento cognitivo leve
ou diagnóstico de demência; e
[2] declínio explicado por distúrbios
psiquiátricos, doenças neurológicas
(exceto doença de Alzheimer),
outros distúrbios médicos,
medicamentos ou uso de outra
substância.
Os dados epidemiológicos mostram
que indivíduos com declínio
cognitivo subjetivo estão em maior
risco de progressão para demência.
Além disso, há evidências de que
este grupo tem maior prevalência
de biomarcadores positivos para
amiloidose e neurodegeneração.
Maria Luiza de Oliveira Soares
Turma 01 FITS
O declínio cognitivo subjetivo é
inespecífico. É relacionado a
diversas condições como
envelhecimento normal, traços de
personalidade, condições
psiquiátricas, transtornos
neurológicos e clínicos, uso de
substâncias e medicações, e pode
ser afetado pelo background
cultural do indivíduo.
Epidemiologia
➔ No mundo tem cerca de 47 milhões
de pessoas com demência,
podendo triplicar até 2050. Sendo
mais de 35 milhões de pessoas com
demência por alzheimer
➔ Causa mais comum de demência
➔ Prevalência aumenta com a idade :
- 3% : 65 a 69 anos
- 30%: 80 a 89 anos
➔ A doença afeta aproximadamente
10% dos indivíduos com idade
superior a 65 anos e 40% acima de
80 anos.
➔ Morbidade e mortalidade em
idosos
➔ Formas esporádicas são a maioria
➔ Gene APOE4
Fatores de Risco
➔ Os principais são:
- Idade avançada (> 65 anos);
- História familiar positiva.
-OBESIDADE E CIGARRO
HAS, DISLIPIDEMIA, RISCO DE AVC
➔ Portar o Alelo APOE4
➔ Fatores de risco vasculares
(diabetes, HAS, DLP)
➔ Entre os fatores adquiridos
destacam-se hipertensão arterial,
obesidade, níveis elevados de LDL
e baixos de HDL colesterol na
meia-idade, diabetes mellitus,
tabagismo, traumatismo
cranioencefálico e níveis elevados
de homocisteína. Deve-se destacar
a participação de condições
vasculares, que não apenas estão
relacionadas aos processos
fisiopatológicos da DA, como
condicionam maior risco para a
ocorrência de lesões
cerebrovasculares, que podem
exercer efeito sinérgico às lesões
degenerativas e, assim, contribuir
para a expressão clínica da
demência.
Fatores Protetores
➔ Outros fatores, por sua vez, são
considerados protetores contra o
desenvolvimento da doença, como
alta escolaridade, atividade
intelectual produtiva, atividade
física e fatores alimentares, como
a dieta mediterrânea. Os efeitos
da escolaridade e da atividade
intelectual ensejaram a teoria da
“reserva cognitiva”, que se refere
à habilidade de processar
estratégias cognitivas alternativas e
recrutar redes neurais análogas a
fim de compensar os déficits
resultantes das alterações
patológicas da DA, atuando como
fator protetor ao postergar o início
dos sintomas.
Maria Luiza de Oliveira Soares
Turma 01 FITS
Fisiopatologia
➔ Trata-se de uma demência do tipo
cortical. Os neurônios do córtex
cerebral (especialmente dos lobos
parietais e temporais, hipocampo
e núcleo basal de Meynert) estão
depletados de acetilcolina e
outros neurotransmissores. O
núcleo basal de Mynert é um
núcleo presente na região septal do
lobo frontal. Este núcleo é a
principal fonte de acetilcolina
cerebral e possui importantes
conexões com o sistema límbico
(hipocampo etc.).
➔ A degeneração neuronal é
decorrente do acúmulo de placas
senis amiloides (formadas pela
proteína amiloide Aβ) no interstício
e de novelos neurofibrilares no
citoplasma dos neurônios.
➔ Placas senis formada pelo acúmulo
de beta amiloide extracelular e
emaranhados neurofibrilares -
proteína TAU - intracelular
➔ Na necropsia:
- anatomopatologia
macroscópica: cérebro atrofiado
difusamente, mais acentuado em
regiões temporais, frontais e
parietais
- exame microscópico: perda de
neurônios e degeneração sináptica
cortical
Quadro Clínico
➔ Inicialmente com afasia motora, a
qual se manifesta por anomia
(incapacidade em nomear pessoas
e objetos que são corretamente
percebidos) circunlocuções
(tentativas em lembrar a palavra
que termina em descrições ou
associações relacionadas) e
parafasias (substituição de
fonemas ou palavras), progride
para afasia sensitiva, gerando
dificuldades na compreensão e nas
habilidades visuo-espaciais
(manifestada inicialmente pela
dificuldade de deambular em
ambientes não familiares)
- Cognição:
• Amnésia: novos aprendizados e memória
de curta e longa duração;
• afasia: compreensão, nomeação, leitura e
escrita;
• Apraxia: Impossibilidade de executar
movimentos coordenados (marcha,
escrita). Habilidade em realizar certos
movimentos sob comando ou imitação;
• Agnosia: incapacidade em reconhecer
objetos familiares.
Todas essas funções declinam na DA, mas
não ao mesmo tempo e nem na mesma
proporção em um mesmo indivíduo.
- Comportamento
• sintomas de delírios e/ou paranóides;
• distúrbios de alucinações;
• distúrbios de atividade;
• agressividade;
• distúrbios de ritmo (sono) diurno;
• distúrbios afetivos;
• ansiedade e fobias.
- Atividades da vida diária:
deterioração progressiva de suas
capacidades em desenvolver as atividades
da vida diária (AVD). A perda progressiva
dessas funções repercute na qualidade de
vida do paciente e de seus cuidadores e
parece ocorrer de forma hierárquica, ou
seja, das mais complexas para as mais
simples.
Maria Luiza de Oliveira Soares
Turma 01 FITS
Diagnóstico
➔ Exclusão de outras causas de
demência. Neste intuito, deve-se
solicitar uma TC de crânio e um
exame de sangue contendo
hormônios tireoidianos, vitamina
B12, VDRL etc. Na doença de
Alzheimer, a TC e a RM podem ser
normais ou mostrar atrofia
cerebral, predominando nos lobos
parietal, temporal e hipocampo,
além de dilatação dos sulcos. O
SPECT ou TC com emissão de
pósitrons (exame não obrigatório)
irá revelar diminuição da
atividade nas áreas cerebrais
mais afetadas.
➔ RNM DA
A diminuição da volumetria
hipocampal evidenciando
neurodegeneração é causada pelo
acúmulo de proteína beta amilóide
e de proteína tau. Evidência
também dilatação dos ventrículos
laterais e alargamento dos sulcos
corticais nas regiões temporais
➔ EXAME NEUROLÓGICO :
● Mini Exame do Estado
Mental (MEEM): avalia
orientação espacial e
temporal, memória imediata
e de evocação, cálculo,
linguagem e nomeação,
repetição, compreensão,
escrita e cópia do desenho.
A pontuação máxima é de
30 pontos, e o ponto de
corte para pacientes com
boa escolaridade é 27 pts,
com baixa escolaridade é
24 pts e pacientes
analfabetos 18 pts.
● Escala de Depressão Geriátrica
(EDG)
Possui uma variação de zero (ausência de
sintomas depressivos) a quinze pontos
(pontuação máxima de sintomas
depressivos). propõem escore de corte ≥ 5
para determinar a presença de sintomas
depressivos nos idosos
● Teste do desenho